Na cadelinha de novo!

Autor

Voces lembram do conto Arrombei a cadelinha! em que eu conto de uma cadelinha do meu vizinho de sitio Darci, que estava viajando e deixou a cadelinha no cio, e eu fodi a cadelinha pela grade, e que a cadelinha ficou com um bucetão, que o Darci tinha vergonha das visitas que viam aquilo, pois é fim de semana passado fui para o sitio de novo na sexta feira, cheguei no bolicho do Luiz para ver como ele estava, vi a casa do Darci fechada e comentei com ele, o Darci viajando de novo! Ele disse pois é foi ontem, mas tu não sabes da maior, a cadelinha tá no cio de novo e ele deixou aqui comigo, para evitar que a gurizada fosse lá foder a cadela de novo, e ficar entrando no pátio dele, mexendo nas coisas. Estou com ela presa lá no depósito, e me incomodando por que toda vez que tu vai no depósito ela tenta fugir, e eu tenho medo que uma hora dessas ela fuja, e não sei o que fazer, não tenho outro lugar seguro para por.
Eu falei se quiseres eu levo lá para casa, tenho o galpão que é bem fechado, encerro ela num dos quartos do galpão, eu vou embora terça, aí trago de volta, ele falou bah! é uma boa, e terça é o dia que o Darci volta, tudo maravilha. Ele pegou a cadelinha e colocou no carro, e eu fui embora feliz da vida, ia ter uma bucetinha nova que até agora só tinha sido minha.
Cheguei em casa, coloquei a cadelinha no galpão, botei água para ela, e fui descarregar o carro, abrir a casa, dei uma limpada, ajeitei umas coisas e fui ver minha hóspede, entrei no galpão e ela já veio pulando faceira e me cheirando no meio das pernas, ela tinha me reconhecido, passei a mão no lombo dela e ela já virou a bundinha e torceu o rabinho, cara aí é que eu fui ver a buceta dela, já tinha ficado grande quando eu arrombei ela, agora estava enorme, beiçuda, carnuda, aquilo me deu uma tesão, tirei minha bombacha e cueca e ela coreu lamber minha piça que a esta hora estava mais dura que pedra, peguei ela coloquei em cima de uma mesinha, cuspi bem na bucetinha, e ela entesou aquela bucetinha, encaixei o cabecinha na entrada e fui metendo, ela começou a grunir, já estava fechadinha de novo, empurrei mais um pouco e trancou no canal, segurei ela firme pelas ancas e meti com força, o pau deslizou para dentro parecia que descolava algo, ela grunia, se debatia e eu segurando firme, ralhei forte com ela e ela se aquietou, comecei uma foda deliciosa, olhava o pau todo enterrado, aqueles beicinhos esticados encostadinho nos pentelhos, fodi com prazer, com desejo, com tesão, em pouco tempo senti que ia gozar, enterrei fundo e despejei um monte de leite no fundo daquela bucetinha quente e apertada, chegou me frouxar as pernas, pois eu estava de pé, tirei o pau e me sentei em um banco pois estava cansado, e ela corria, choramingava deitava, lambia a buceta corria de novo, ai veio e me lambeu a piça, fiquei ali descansando um pouco, me lavei e fui fazer um almoço.
Depois do almoço, olhei um pouco de tv, fui lá no galpão peguei minha namorada e levei para meu quarto, coloquei um lençol velho na cama, irei a roupa toda, brinquei um pouco com ela, deixei ela lamber bastante meu pau, deitei ela de pernas para cima, me encaixei no meio das pernas, ajeitei o pau na entradinha da buceta e mandei ver, agora entrou mais fácil, e ela nem se agitou, fiz um papai e mamãe com ela super gostoso, tirava quase todo o pau, e empurrava de novo bem lentamente, falava baixinho com ela, fazia carinho, e ela estava bem relaxada, ficamos um tempão assim até que veio gozo, fiquei com o pau atolado até amolecer e cair para um lado, me lavei, fui na cozinha peguei um gelo, coloquei num pano e fiz compressas na bucetinha para não ficar inchada. Fudi aquela cadelinha nos 5 dias em que fiquei lá, as vezes chegava a foder até 4 vezes no dia, o que me alucinava era ver aquela cadelinha daquele tamanho aguentar toda minha piça dentro, aquela bocetinha se esticava todinha.
Na terça fui embora, não sem antes ter dado uma, limpei bem a xotinha dela, botei no carro e deixei lá no Luiz, ele falou ainda bem que o Darci deve estar chegando, me agradeceu pela ajuda e eu fui embora tranquilo, relaxado, feliz, e a piça mole, satisfeita.