Minha Mãe e Minha Irmã com os Et’s – Veridico

Autor

Me chamo Manuel, tinha 20 anos na época. Tudo o que vou relatar é a mais pura verdade por isso, preservarei os nomes.
O fato ocorreu na cidade de Aparecida no ano de 2014. Uma história que jamais deveria ser contada, muito menos lembrada mas, desde os fatos, vem em meus pesadelos todas as noites.

Eu, minha mãe e minha irmã, na época com 12 anos de idade saimos de nossa cidade em Barra Mansa, RJ para uma peregrinação a pé até Aparecida para pagar a graça que recebemos: Minha irmã, que perdeu uma das pernas em um acidente nos trilhos de trem recebeu a graça de Nossa Senhora e a perna amputada foi restaurada e ficou quase perfeita exceto pelo fato de que a nova perna era alguns centimetros maior que a outra, o que a fazia mancar levemente porem, ela tinha desenvolvido uma tecnica de andar que o pequeno defeito se transformava em um rebolado que chamava a atençao de todos até mesmo de homens mais velhos, alem disso, o exercicio constante dos musculos devido a sua claudicancia fez a bunda se desenvolver de uma forma como jamais tinha visto antes e varias vezes bati punheta para ela e, por conta disso, meu joelho vivia marcado por ferimentos profundos causados pelo milho no qual eu me ajoelhava por penitência.

Minha irmã era uma menina magrinha, muito branquinha, de cabelos castanhos, cacheados, peitudinha, foi prometida por minha mãe para ser freira e por isso jamais namorou. Era muito bonitinha, mas o que destacava era a bunda perfeita alem do fato de ter vivido por 5 anos sem a perna esquerda.. algo estranho e complicado para uma criança tão jovem e cheia de energia. O acidente foi mais uma tragédia na família apos a perda de nosso pai. Mas tinhamos que cumprir a promessa pelo milagre recebido de Nossa Senhora e por isso estavamos caminhando a beira da Via Dutra, uma caminhada debaixo de sol forte, uma caminhada complicada porque minha mãe, era jovem mas nao era dada a esforços fisicos naquela altura com 42 anos. Nosso pai, era militar e morreu em um trágico acidente já ha alguns anos.

Nossa caminhada não havia sido planejada, não sabiamos efetivamente como fazer.. nosso propósito era ir andando até Aparecida, acender uma vela, assistir a missa, agradecer a padroeira, pegar um onibus e voltar, afinal a promessa era ir a pé até lá. Porem, a viagem que começou pela manhã se estendeu até a noite e estavamos ja de madrugada ainda na metade do caminho. Nao havia como prosseguir e a solucao foi acampar ali mesmo, mas nao dava pra ficar a beira da estrada no meio daquela escuridão e fomos andando para dentro de uma pequena trilha que passava pelo meio de algumas árvores… o ceu estava estrelado e depois de andarmos 10 minutos e totalmente isolados esticamos alguns lençois em baixo de uma árvore e ali nos deitamos.

De repente, passado cerca de duas horas, um feixe de luz acende sobre nós, em principio pensei que fosse um carro ou algo assim, mas a luz vinha do céu.. todos nós acordamos e o brilho daquela luz só aumentava de repente nossos corpos estavam flutuando e fomos levados para dentro daquela coisa estranha, parecia uma nave, em seu interior havia 4 seres de 2 metros de altura completamente nus.. cada qual com membros com cerca de 30 centimetros, algo realmente assustador pois estavam moles como mangueiras vazias.. logo ao lado havia um outro ser, um pouco mais baixo e com uma racha no meio das pernas.. que me pareceu ser o feminino, e que me deixou bastante aliviado a ponto de eu dar um suspiro.

Os seres hipnotizaram minha irmã e minha mãe e elas caminharam de braços estendidos na direçao deles cada qual na direcao de um, percebi que enquanto elas caminhavam os seres me olhavam e acho que esperavam que eu me levantasse tambem, obviamente a hipnotizacao deles nao funcionou comigo mas fingi e fui de bracos estendidos na direcao da ET rachada, que deu um passo atras, mas eu fui nela assim mesmo e fomos todos para um grande espaço com moveis que pareciam camas. La me deitei sobre a rachada que, mesmo eu desconhecendo a lingua dos ETs deu pra perceber que estava rindo do meu pau de 15 centimetros.. mas nao da pra competir com os caras com aquelas jebas que agora entumescidas pareciam cobras anacondas. Dois dos seres ja dominavam as mulheres, enquanto outros que la estavam ficaram mais ao longe esfregando aqueles rolos que traziam entre as pernas, provavelmente se masturbando. Minhas queridas estavam agora deitadas submissas, eram escravas daqueles seres.. suas pirocas gigantes entravam e saiam da buceta da minha mãe e da minha irmã, que gritavam de prazer e gozavam ruidosamente. gritavam palavroes mas dava a nitida impressao que estavam gostando e nao queriam que aquilo terminasse.. enquanto um ET pegava minha irmã por tras o outro socava na minha mãe e as duas se beijavam num beijo muito louco,,elas nao estavam normais.. pareciam totalmente dominadas por aquele poder maligno. Mas ainda assim, vendo que estava tudo bem com elas, preferi me concentrar na ET rachada para nao denunciar minha condicao de não-hipnotizado. A ET massageava com a buceta meu pau como se houvesse uma boca no meio daquela racha que ora dentava meu penis, ora sugava, era um prazer que eu jamais havia sentido antes, aquela busceta era algo literalmente de outro mundo, sentia que internamente ela girava em torno do meu pau, puxava, e lubrificava e fazia tudo ao mesmo tempo. A ET tinha pequenos seios, quase imperceptiveis que durante o ato cresceram um pouco e ficaram do tamanho de uma pequena maçã que eu comecei a chupar mas curiosamente saia um liquido adocicado de seu mamilo, por assim dizer, que me causava uma sensacao de embriagues … foi tudo muito bom, sentir as mãos quentes daquela .. coisa.. me causavam ao mesmo tempo medo e prazer.. muito prazer até que gozei por tres ou quatro vezes. O tempo nao parecia passar. A Et era esguia e magra, suas curvas eram muito bonitas ainda que a cabeça fosse um tanto desproporcional com aqueles olhos grandes e verdes lembrava um felino. Posso dizer que foi uma experiencia muito agradavel se nao soubesse que minhas queridas estavam tomando uma surra de pica. Não tinha como não ouvir minha irmã gritando de prazer, ela ria, ela chorava, não dava para acreditar que ela aguentava aquele membro tão grosso entrando e saindo da sua buceta , naquele vai e vem frenetico, aquela tora do diametro de uma garrafa de cerveja estava entrando na sua buceta dilatada, lubrificada e molhada de sangue enquanto o alienigena chupava seus peitinhos brancos terminados em uma aureola rosada e virgem.

Só me lembro que acordamos todos nós embaixo da árvore, ja no alvorecer do dia. Parecia um sonho tudo aquilo. Nao falei nada. Ninguem parecia saber de nada. Minha mãe juntou as coisas e colocou tudo dentro da bolsa, voltamos para a estrada e logo encontramos um posto de gasolina, onde tomamos um café da manhã, tinhamos apenas o silêncio. No caminho observei que minha irmã já nao coxeava mais, parece que as duas pernas agora estavam do mesmo tamanho, será? Preferi não comentar. Não estava claro se aquilo tinha sido um sonho ou realidade. Minha mãe vira-se para mim e diz: Veja onde para o ônibus de volta para Barra Mansa.

Voltamos para casa.

Chegando em casa, minha mãe chama minha irmã para tomar um banho… as duas vão e começam a rir, a se esfregar, a porta do banheiro aberta..me chamam: – Manuel, voce não vem?
Eu vou e entro no box grande que cabe a nos tres, mas nao o bastante para que eu nao esfregasse sem querer meu membro, que a essa altura já estava duro, na bunda magnifica de minha irmã. Ela se inclina como quem vai pegar um sabonete no chao e empurra ainda mais a bunda em minha direcao de modo que imediatamente lhe enfio o pau na buceta.. como pode tudo aquilo estar acontecendo assim, do nada? esse comportamento bizarro em frente a minha mãe que começa a lhe beijar a boca ardorosamente.. aquilo foi um sonho? Ao enfiar o meu pau na buceta da minha irmazinha percebo que ela estava bem alargada e nem sinal de virgindade. Perguntei: O que aconteceu ontem a noite? .. Abanaram a cabeça.. Elas não sabiam. Meti com tudo na minha irmã e depois foi a hora de meter na buceta da minha mãe que me esfregava desesperadamente enquanto aguardava a sua vez. parecia outra pessoa, diferente daquela mulher que eu sempre conheci,.. esfregava sua buceta cabeluda e muito suculenta em meu penis e ela gritava coisas insanas e ininteligiveis acompanhadas de palavroes até que gozou em espamos e se jogando em meus braços, insaciavel, queria mais. Minha irmã já tinha saido do box. Eu não podia negar e deixei que ela chupasse meu pau até que firme novamente cravei-lhe até o fim.

Almoçamos. Já eram 3 da tarde.

Descansamos e logo a noite mais uma seção de sexo. Metiamos nós 3 .. ora eu comia minha irmã, ora comia minha mãe.. nenhuma delas liberou o cuzinho, mas agora , com duas putas em casa, pensei, é só questão de tempo, pensava isso enquanto minha mãe cavalgava meu pau e minha irma chupava os peitos dela .

O dia amanheceu. Tomamos o café da manhã. Nenhuma das duas lembrava mais de nada. Assim, como se nada houvesse acontecido.. nada. Perguntei da caminhada, não se lembravam.. perguntei da noite, não sabiam do que eu estava falando.

Minha irmã ficou grávida e 9 meses depois o menino nasceu. Minha mãe acredita que minha irmã é virgem ao mesmo tempo que minha irmã tem certeza de que é virgem, elas acham que o menino só pode ser filho do espirito santo mas pelo tamanho do pau do moleque que chega até o joelho, eu acho que é filho do ET. Eu perdi totalmente minha fé, já não sei mais de nada.

Desde então, nunca mais tivemos relacionamento e parece que ninguem se lembra do ocorrido, nem da abduçao nem do sexo que tivemos naquele dia no banheiro e por toda a noite. Só eu me lembro.. queria não lembrar de nada disso. percebi que em algumas noites a minha irmã faz questao de dormir no quarto de minha mãe. Aconteceu algumas vezes e como houve uma coincidencia com a data de um feriado, passei a marcar essas datas no calendario e observei que toda primeira noite de lua cheia as duas dormem juntas. Estou aguardando a proxima lua cheia para ver se confirma minha observacao e vou querer estar junto pra ver o que acontece.

Esse conto é totalmente real. Se alguem passou por algo similar, por favor me relatem.. não tive coragem de contar nada disso pra ninguem até agora e é a primeira vez que descrevo os fatos vividos por nós.