Fran e eu

Autor

Sou João. Tenho 16 anos e gosto de sentar em uma pedra para ver meus amigos nadando pelados. Gosto de ver os pintos balançados, mas são todos menores que eu. Eu nunca entro na água.
Nas férias apareceu um garoto da capital e sentou-se ao meu lado.
— Sou Fran, Francisco. Estou passando as férias na casa de minha tia.
— João e moro aqui.
— Vai nadar? A água parece ótima.
— Não gosto, Fran; prefiro ficar vendo.
Fran ficou de costas para mim, tirou seu calção, entrou na água e ficou nadando com os outros. Depois de certo tempo saiu da água, balançou seu pinto e piscou para mim. Eu senti um frio na barriga e meu pinto endureceu na hora. Fran colocou o calção e sentou-se a meu lado. Eu tentei disfarçar minha ereção.
— Tá de pinto duro, João? É por minha causa. Gostou da minha vara? É maior que a sua? Mostra pra mim?
Eu mostrei assim meio sem jeito. Ele elogiou o tamanho. E me convidou para ir a um lugar mais escondido para a gente medir o tamanho. Fomos para a sombra de uma árvore enorme que os galhos chegavam até o chão. Abaixei meu calção e Fran o dele.
— Mede o meu que eu meço o seu.
Medimos e acabamos concordando em um empate. 16 cm. E de repente Fran se abaixa e começa a me chupar e massagear minha bunda. Eu vou ao delírio. Fran me vira e começa lamber meu cuzinho. Eu comecei gemer de tesão. Então Fran me colocou de quatro, lambuzou bastante sua vara e começou meter no meu cuzinho quase virgem. Eu nunca tinha levado um pinto daquele tamanho. Tentei escapar, mas não consegui. Aos poucos fui me acostumando e quando me dei conta estava rebolando e pedindo mais vara.
— Que tesão Fran. Mete… Mete… Eu nunca levei uma vara tão gostosa no cu.
Fran metia, elogiava meu cuzinho e batia uma punheta para mim. Gozamos juntos e ficamos um tempo engatado sem nos mexer. Fomos embora.
No dia seguinte de novo no rio e com o cuzinho ainda ardendo quando Fran chegou, piscou para mim e sentou-se ao meu lado.
— Gostou da metida, João? Vamos meter de novo?
— Gostei, mas não quero. Estou com o cuzinho ardendo.
— De uma olhada. — Fran mostrou seu pinto duro. — Vamos que eu tenho uma surpresa para você.
— Que surpresa?
— Se eu contar não será surpresa. Vamos meter? Tá de pinto duro também.
Fomos de novo para o mesmo lugar e começamos nos esfregar.
— Chupa meu pinto, João.
Abaixei e fiquei mamando aquela deliciosa vara por uns cinco minutos. Fran começou a me chupar também. Deitamos de lado e começamos um incrível 69; primeiro de vara e depois de cu. Fran foi se virando e eu fiquei de quatro com o cuzinho piscando esperando aquela deliciosa vara. Fran começo metendo devagarinho e aos poucos acelerando e batendo uma para mim.
— Mete Fran. Põe tudo. Mete tudo. Tá tão gostoso levar seu pinto no cu. Tá mais gostoso que ontem.
Fran ficou metendo por uns cinco minutos.
— Quer saber a surpresa, João?
— Quero.
— Mete no meu cu. Deixa eu te chupar para lubrificar sua vara.
Virei Fran e comecei lamber seu cuzinho. Enchi seu cu de cuspe e comecei meter naquela deliciosa bunda. Fran elogiava minha performance.
— Que gostoso João. Mete. Mete tudo. Que vara mais gostosa. Eu nunca senti tanto tesão na vida.
Ficamos a tarde toda metendo e gozamos várias vezes e toda tarde a gente ia para baixo da árvore e ficávamos metendo um no outro. Isso durou as ferias inteira e Fran prometeu voltar em todas as outras férias.