Creche da minha alegria

Ola, sou selador de uma creche, tenho 35 anos, sou separado e não tenho filhos.Sou bem popular com meu colegas de trabalho, com as crianças e com os pais também. As crianças gostam muito de mim, quando termino minhas tarefas, gosto de ajuda minhas colegas com as crianças, menos com as do berçário e com as turminhas ate 4 anos, ajudo com os de 5 ha 7 anos.
As meninas são mais carinhosas e curiosas também, por isso estão sempre me procurando para brinca e fazer muitas perguntas. Elas gostam muito de sentar em meu colo, tem hora, que tem uma em cada perna e outras ao meu redor brincando. Entre todas, 3 se destacam, Luciana , Márcia de 6 anos e Juliana de 7, essa é meu grude, briga pra se sentar em meu colo, quando fica de fora, faz bico de raivinha. Não vou mentir, gosto muito dessa intimidade, pois vou sempre tirando sarrinhos nelas, nas brincadeiras,vou puxando elas pra cima de meu pau, que está sempre duro, as que tenho mais confiança em tirar casquinhas, são Luciana. Márcia e juliana, notei, que elas são as que mais faz questão de sentar em meu colo, e quando coloco bem em cima de meu pau, duro como uma rocha, elas sempre da uma ajeitadinha e faz questão de demorar mais que as outras, brigam pra ficar mais. Tipo; – Vou sai agora não, você demorou foi muito.
Essas brincadeiras mais intimas,acontecem sempre no intervalo do almoço, minhas colegas que são responsáveis por essas turminhas, gostam de tirar um cochilo, ai elas vem me procurar. Sabendo que elas vão fazer isso, fico sempre por perto do quartinho que guardo todo material de trabalho e lá fica um pouco afastado dos olhos de minhas colegas.
Outro dia armei um esquema pra ter mais privacidade e me aproveitar mais. Não sair do quartinho e fingi está arrumando uma caixa, de repente entra ás três no quartinho e falam em uma só voz. – Não vai brincar hoje não tio ?
-Vou sim, é estava arrumando essa caixa.
No meu esquema coloquei um espelho grande, no cando da parede de onde eu tinha a visão se alguém saísse do prédio maio. Meu pau já estava duro, pois aguardava por esse momento ansioso. Chamei ás três e expliquei a brincadeira.
– Meninas, vamos fazer uma competição de desenhos, cada uma vai pegar uma folha e desenhar e pintar em 30 minutos, cada uma ficar sentada em meu colo por 10 minutos, quero ver o que está sendo desenhado,depois vem a outra e depois a outra.
Elas amaram a brincadeira.
Tinha um birô já em desuso no quartinho, chamei Márcia pra ser a primeira, afastei a cadeira sentei e mais que depressa Márcia, cabelos e olhos preto, perninhas meio grossinhas,tava bem cheirosinha, pois antes do almoço, todos tomam banho e as meninas vestem tipo um vestidinhos pra terminar a parte da tarde,veio se ajeitando em meu colo, já encachei ela bem em cima do meu pau, Ela debruçou sobre o birô pra desenhar e eu, deixei minha mão boba, cair em cima de sua perninha, pra ver se ela reagia, nada fez. Então fui acariciando sua coxinha e subido em direção a calcinha, nada fez, continuou desenhando, coloquei a outra mão na outra coxinha e fui acariciando com as duas mãos, subindo ate a beirada da calcinha e voltava um pouquinho, notei que ela estava desconcentrando, então, quando cheguei na beirada da calcinha, coloquei o dedo acariciando sua raxinha, o dedo não entrava, as pernas estavam um pouco fechada, com a outra mão, fui afastando suas perninhas, não houve resistência, ela foi sedendo, assim, consegui sentir meu dedo entrar naquela raxinha, acariciava seu clitóris, estava empinadinho, sua respiração já estava diferente, suas carnes tremia, e eu ali em uma sirica infantil, vendo e sentindo aquela criança se deliciando de prazer, olhei para o relógio e só faltava dois minutos, então acelerei mais os movimentos de siririca e ela se tremia toda. o tempo acabou, tirei minha mão de dentro da calcinha e ela saio. Observei que ela andava meio banda, mas sentou-se ao chão e ficou terminando se desenho.
Vir pelo espelho que a colega de trabalho se aproximava, perguntou o que elas estavam fazendo. Falei que elas estavam brincando de desenhar. Ela achou ótimo. Mas levou levou Luciana, pois sua mãe saiu mais cedo trabalho e veio busca-lá.
Agora me sobrará Juliana, uma galeguinha de olhos azuis, pernas roliças, cinturinha de violão, uma bumbum bem arrebitado e uma boquinha linda, e era a mais apegada a mim, não queria só bater uma siririca nela não. Então resolvi, que a brincadeira seria em outro dia, já estava chegando a hora de iniciar o expediente da tarde. Juliana não gostou, fez cara de choro, foi ate ela e disse.
-Fique tranquila que logo, logo a gente vai brincar. E assim elas voltarm para o prédio maio.
Continua…………….

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,29 de 7 votos)
Loading...