Colega de trabalho

Autor

Sou um sessentão, hoje aposentado, após 42 anos de trabalhei, numa Empresa Nacional e muito conhecida, sua capilaridade atinge todo o país, contudo, inteiraço. Só para adiantar, eu não tomo nenhum remédio, nem colírio eu uso. Mas vamos ao que interessa: Em maio de 2007, ainda na labuta, chegou em minha cidade, litoral do nordeste, transferido de São Paulo um casal, de jovens, à época ele com 30 e ela com 27 anos. Vou chama-los de Gomes e Menina Linda. Quis o destino, que a Menina Linda veio trabalhar na minha sala. Lembro como se fosse hoje, aquela moça branca, cabelos cheios e claros, gostosa, educada, porém muito calada. Após alguns dias, ela foi se enturmando, e conversando com os demais colegas inclusive comigo. Eu solicito, até então sem nenhuma intenção a não ser de ajudar, fui me aproximando dela e em menos de 30 dias, eu já tinha sido apresentado ao Gomes o seu marido, que trabalhava na mesma empresa, porém distante uns 8km, da sede onde trabalhávamos. E o tempo foi passando, ela conheceu também minha família, as coisas foram ficando mais amigáveis ao ponto de torcermos pelo mesmo Clube aqui da minha terra, t tantas outras coisas que fazíamos nos finais de semana. Passados uns tres meses, comecei a notar que a minha amiga Menina Linda, recebia alguns telefonemas de São Paulo, sempre no final do expediente e ficava quietinha falando baixo e ao mesmo tempo, satisfeita com a ligação. Até que certo dia, eu tive a curiosidade de perguntar: Eu disse: Parece que voce tem muita saudade da família lá de São Paulo, pois eu noto que você fica muito feliz quando recebe com frequência ligações de lá? – A resposta foi como uma bomba! Ela me disse: É um colega da mesma empresa, ele trabalha lá em SP, o Gomes morre de ciúmes dele. Ué! porque? Ele é um cara bem mais velho que eu muito educado, e sempre me tratou muito bem. Ué! Então porque do ciúmes? Ah! não sei coisa de homem. Desse dia em diante, me despertou desejo sobre ela, apesar de ser bem mais velho, percebi que teria espaço… Comecei a corteja-la todos os dias… Ela foi cedendo abrindo espaço, fomos conversando algumas coisas mais picantes, até o dia que ela me confessou que faziam 8 meses que não transava com o marido Gomes, e que aquele amigo mais velho de São Paulo ligava em em media 2 vezes por semana para bater punheta pelo telefone ouvindo a voz dela. Da quele momento em diante, eu baixei o nivel e comecei a apelar, no dia seguinte disse a ela que sonhei fudendo com ela, e sabe qual a resposta, dela, pasmem…. O pior que eu penso nisso quase todos os dias…. Fiquem um pouco sem graça, embora um homem maduro, mas… fui pego de surpresa… Pois bem, o gelo ja tinha sido quebrado… não tinha mais tempo a perder… nesse mesmo dia, ficamos após o expediente, fingindo terminar uma tarefa… Todos foram embora e ficamos mais um pouco, tempo suficiente para que batêssemos uma punheta mútua, alí mesmo na sala. Uma delicia…. Depois disso, fudemos muito, no carro, no banheiro da Empresa após o expediente, na casa dela, em varios moteis da cidade, uma loucura, a Menina Linda era uma fogo só, trasavamos de todas as maneiras, ela era craque em chupar um pau, já entrava no meu carro e já ia fazendo um boquete enquanto eu dirigia. Delicia… E assim, ficamos de maio de 2007 até novembro de 2012, quando o Gomes fora promovido na empresa e transferido para Brasilia, aí é claro a Menina Linda foi embora com o marido. Em 2014 eu me aposentei e o casal continua na Empresa. Depois disso, ficamos nos correspondendo através das redes sociais, e de uns meses para cá eu perdi meu telefone e também a minha conta no Facebook, consequente o contato. Estou com saudade. Espero que ela leia esse conto verídico, e me telefone.
Espero que tenham gostado.