As safadezas do meu pai

Autor

Olá todos, me chamo Yuri e tenho hoje 32 anos, vou contar a minha história e como conheci o prazer do incesto junto com meu pai e meu irmãozinho, eu cresci numa fazenda e quando fiz 16 anos fui viver com a minha vó na capital para ter um estudo melhor e entrar numa faculdade. Quando sai da fazenda, meu irmão yago era recém nascido, eu não tive muito contato com ele, as vezes via alguma foto dos aniversários dele, na fazenda não tinham muito acesso as tecnologias pra tirarem fotos e postarem. Quando eu tinha 19 anos, minha mãe faleceu e eu voltei na fazenda para o funeral, meu pai estava desolado e meu irmão com apenas 5 anos não entendia bem o que estava acontecendo. Passei uma semana lá dando apoio a meu pai e ao meu irmãozinho, mas não podia abandonar a minha vida na capital, tinha minha noiva, meu trabalho, minha faculdade… acabei voltando com o coração pesado por deixar meu pai sozinho com o yago. Quando terminei a faculdade, eu já estava com 24 anos e decidi passar 1 mês na fazenda com meu pai e irmão, eu já estava casado e minha esposa grávida do nosso primeiro filho, a gravidez estava no começo e a minha esposa entendia que eu precisava fazer essa viagem já que não via meu pai e irmão a tanto tempo. Yago já estava prestes a fazer 9 anos e eu queria levar pra ele um vídeo game, pra ele conhecer as tecnologias que não existiam na fazenda. Viajei de surpresa pra fazenda do meu pai, o ônibus me deixou na entrada da estrada de terra que dá acesso a várias fazendas. Lá estava eu, cheio de malas e sem ninguém pra ajudar a carrega-las, esperei alguém passar pra oferecer uma grana pra me ajudar com as malas, não demorou muito vi 2 homens numa carroça carregada com galões de água, por sorte eles iriam seguir pela estrada de terra e pedi ajuda:
(NÃO LEMBRO BEM DAS PALAVRAS EXATAS DA CONVERSA)

-Opa, bom dia!
-Dia… -responderam os dois quase ao mesmo tempo.
-vocês podem me ajudar com essas malas? Eu pago pela ajuda.
-claro, coloca as malas por cima dos galão e senta aqui cum nois, mas nós vai até a fazenda santa Cecília. -disse o mais velho (deveria ter uns 35 anos, o outro uns 25…)
-ótimo, de lá eu vou a pé até a vila nova (fazenda vizinha do meu pai, lá eu pediria ajuda pra alguém)

Seguimos viagem e como vocês sabem, quando homens se juntam falam de safadeza, logo perguntei se havia algum novo puteiro na região, desde que a minha esposa engravidou começou a racionar o sexo e essa viagem eu iria tirar o atraso nas putas.

-Puta, tem no posto perto da cidade, mas num presta não, as puta tudo feia é com doença dos caminhoneiro, aqui na região a gente se resolve de outro jeito hahaha – caíram na risada os 2.

-vocês comem as éguas? -perguntei num tom de brincadeira.
-Não, comemos os viadinho aqui da região hahahaha. -respondeu o mais novo
-hahahaha quem não tem cão… -completou o outro.
-rapaz, eu nunca comi um viado, deve ser estranho todos aqueles pelos… -falei.
-que nada! Os viadinho tudo novinho, de cú lisinho. -falou o mais velho.
-novinho? Novinho quanto? -perguntei.
-aqui na fazenda do seu italo tem um de 8 anos, é uma verdadeira putinha, adora leite de macho, na fazenda do seu Januário tem 2, um de 12 e um novinho de 7, mas esse de 7 não aguenta rola ainda não mas chupa muito bem…

Eu parei de prestar atenção na primeira parte, italo é meu pai, e na fazenda dele só havia meu irmão yago de 8 anos, será que estavam falando do meu irmão? Eu precisava ouvir mais sobre esse menino de 8 anos pra tirar a dúvida.

-esse menino de 8 anos, qual nome dele? -perguntei rezando pra que não fosse meu irmão yago.
-Hahahahahaah, o nome dele é yago, é filho do dono da fazenda, já passou na rola da peãozada toda, ele mamava os peão no rio perto da fazenda deles desde que tinha uns 6 anos, e esse aguenta rola desde os 7 hahahaha.

Porra! Era meu irmão! Eu não podia acreditar…

-chegamos! Nois entra aqui na santa Cecília, a entrada da fazenda vila nova é a próxima adiante, a próxima é a fazenda do seu italo, é lá que tem o viadinho de 8 anos, se eu fosse você ia pro riacho que lá cú é festa, sempre tem um viadinho essas horas por lá pronto pra ser comido.

-haha obrigado pela dica. -falei forçando uma risada, dei 50 reais pra eles, mas por dentro eu ainda estava incrédulo que meu irmão de apenas 8 anos tava dando o cú pra todos da região.

Peguei minhas malas e prossegui até a vila nova onde consegui ajuda do dono que mandou o peão me levar de carroça até a fazenda do meu pai. Nessa viagem eu não puxei muito assunto com o peão, fui calado pensativo até chegar na fazenda do meu pai. Chegando lá, vejo meu pai na porta da casa vestindo apenas uma calça jeans e botas de couro, expondo seu belo físico de um homem do campo, do alto de seus 46 anos, um corpo forte e másculo moldado pelo trabalho da fazenda, pelos negros no peitoral, uma barba farta e curta com alguns fios grisalhos, uma pele dourada do sol, aquela presença masculina dominava a paisagem.

Fui recebido com um forte abraço, pude sentir o calor daquele corpo, logo fomos entrando e colocando as malas pra dentro.
-Por que não disse que estava vindo? Eu ia te buscar na caminhonete…
-queria fazer surpresa, pai, vim passar 1 mês aqui com vocês.
-Ô coisa boa meu filho! Que surpresa maravilhosa.
-cadê o yago?
-Vive solto pela região, essa época de férias então, vai todo dia pro riacho aqui perto.

As informações estavam se confirmando, parece que era tudo verdade sobre meu irmão, não quis falar nada pro meu pai, talvez ele não soubesse, eu decidi conversar sobre isso com o yago quando estivesse a sós com ele.

Quase 5 da tarde, chega o yago de cabelo molhado, vestindo apenas uma bermuda e uma toalha no ombro. Ele veio na garupa de um peão negro e forte, observei ele descendo o meu irmão da garupa do cavalo e dando um tapinha na bunda dele. Yago entra em casa e me reconhece das fotos nas paredes já que ele tinha me visto tão poucas vezes na vida.

-Yuri?
-Oi, Maninho!

Ele correu e pulou nos meus braços, a única coisa que passava na minha cabeça era que ele estava dando a bunda pro negão que o trouxe pra casa. Confesso que com a imagem na minha cabeça senti um pouco de tesão, eu estava sem sexo a semanas e não sou de ferro, e na minha cabeça disse a mim mesmo:
-Se todos estão comendo, porque eu não posso? Vou comer meu irmãozinho!

Instalei o vídeo game na tv da sala e passei o resto da noite reparando no rabinho do yago, imaginando as posições que iria come-lo na madrugada. Ele deitado no tapete da sala jogando vídeo game, com bundinha pra cima, eu estava quase furando a almofada que usei pra esconder minha ereção.

Na hora de durmir, fiquei no sofá da sala, o yago havia ficado com meu antigo quarto e meu pai no quarto dele, esperei todas as luzes se apagarem e meu pai durmir pra ir até o quarto do yago e esfregar a rola na boquinha dele. Quando estava tudo em silêncio e eu estava quase levantando pra ir no quarto do meu irmão, ouço um barulho e fico em silêncio, na escuridão da noite iluminado apenas pelas luzes fracas de fora, vejo que meu pai veio até a sala ver se eu estava dormindo, fiquei imóvel e forcei uma respiração um pouco mais alta simulando estar dormindo. Em seguida ele some de minha vista, ele não me viu de olhos abertos por causa da escuridão, um clarão toma conta do corredor, era a luz do quarto do yago e logo a porta se fecha. Não entendi na hora, meu pai foi pro quarto do yago, talvez tivesse ido ver se ele estava dormindo bem como fez comigo. Esperei por mais ou menos 15 minutos e a luz continuava ligada passando por debaixo da porta do quarto. Decidi levantar e tentar ver o que estava acontecendo, fui na ponta do pé e encostei o ouvido na porta, ouvi gemidos, não pude acreditar que até meu pai estava comendo o yago, meu pau ficou igual ferro na hora e tirei a bermuda, no tesão abri a porta do quarto e entrei com a rola apontando pro teto. Meu pai estava sentado na cama quase deitado, uma perna no chão outra na cama, suas mãos seguravam na cintura do yago que quicava em sua rola enquanto chupava a sua língua. Tiveram um baita susto com a minha entrada no quarto e o pau do meu pai escapou do cú do meu irmão, era enorme, o meu mede 18cm o dele era bem maior (só depois vim saber que se tratava de 22cm).

-Yuri! -falou meu pai no susto.
-Relaxa, pai, agora é minha vez nesse cuzinho.

Se tiver bastante comentários eu continuo a contar minha história até os dias de hoje (quando levei meu filho lucas de 8 anos pra conhecer o vovô e o titio na fazenda)

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,75 de 4 votos)
Loading...