Amiguinho do meu irmão Parte II – Paulinho e seu primeiro anal

Autor

Os dias foram passando, e desde que eu e Paulinho nos tornamos mais íntimos, era muito mais fácil me deliciar com ele. Sempre a mesma coisa, eu o chamava para o quarto, chupava ele enquanto me masturbava e gozava gostoso. Pra mim aquilo já era o bastante. Mas pelo visto para Paulinho não. Um dia depois de mais uma gozada Paulinho me pergunta:
-Poxa, quando você vai fazer aquilo em mim ?
-Aquilo o que ?
-Aquele negócio que eu fiz com você, de botar o pinto na bunda.

Aquilo me deixou aceso de novo. Mal tinha gozado e meu pau endureceu novamente. Aquele moleque tava praticamente pedindo para eu comer o cu dele.
Lógico que a vontade era grande, mas decidi abrir o jogo com ele, afinal eu já tinha sentido na pele o que era ter o cuzinho arrombado por um pinto maior. Fui honesto e falei:
-Olha Paulinho, não é tão simples assim … Pode ser que doa um pouco.
-Mas é bom ? – Perguntou Paulinho.
-É bom sim, você quer tentar ?

Paulinho ficou um pouco pensativo por alguns segundos, depois olhou pra mim e disse que sim.
Então resolvi preparar ele da melhor maneira possível. O deitei na cama de quatro, botei aquela bundinha redondinha para cima e comecei a lamber seu cuzinho. Deu pra sentir que ele se arrepiou todo. Os pelinhos de sua sua coxa ficaram totalmente em pé. Fiquei ali beijando o cuzinho dele por um tempo. Toda hora perguntava se ele tava gostando. Mas não precisava de resposta, pois olhava na sua cara que ele estava aproveitando o momento, sentia seu cuzinho cada vez mais relaxado.
Depois de bem preparado, avisei que ia começar. Pedi para ele fazer a mesma coisa que eu tinha feito na primeira vez, puxar com as mãos a bundinha e deixar ela bem aberta. Aproveitei que a cabeça do meu pau ainda tava meio gozada e pincelei naquele cuzinho afim de facilitar ainda mais a penetração. Apontei o meu pau bem para a entradinha, e comecei a forçar a entrada.
-Vou começar tá ? – Avisei

Empurrei com um pouquinho mais de força ate a cabeça do meu pau entrar por completo. Paulinho deu leve gemidinho de dor. Esperei mais um tempo até ele se recompor, e empurrei mais um pouco. Era um tesão ver o meu pau entrando pouco a pouco naquele garotinho. Então nesse momento, acho que Paulinho sentiu um pouco de dor e pediu para eu parar um pouco.
-Espera … Tá doendo um pouquinho …
-Quer parar ?
-Não, só vai mais devagar.

Atendi ao seu pedido. Fiquei um tempo naquela mesma posição. Qualquer movimento e poderia ser doloroso pra ele. Então decidi pegar no seu pintinho, que tava durinho, e começei a brincar com ele. Massageava, batia uma punheta, apertava. Senti novamente que seu cuzinho foi relaxando. Dessa vez aproveitei para enfiar um pouco mais. Quando me dei conta, já tinha enfiado quase tudo.
-E ai, tá doendo ainda ?
-Não, agora tá bom , mas to sentindo uma coisa estranha, não sei explicar.
-É assim mesmo, você vai sentir cada vez melhor agora.

Comecei a realizar movimentos curtos de vai e vem naquela bundinha. Paulinho começou a gemer gostoso. Dessa vez dava para diferenciar que eram gemidinhos de prazer.
-Posso fazer mais forte ?-Perguntei
-Pode, ! – Respondeu Paulinho.

Os movimentos começaram a aumentar de velocidade e de força. Meu pau ficava cada vez mais duro. Paulinho gemia cada vez mais.
-Ta gostoso Paulinho ?
-Ta, pode continuar.

Logico que eu ia continuar, Ali já era um ponto sem volta. Peguei em sua cinturinha e comecei a bombar gostoso. De vez em quando eu passava a minha mão em seu pintinho para me certificar que ele tava duro. Até que Paulinho perguntou se dava pra continuar fazendo de outra maneira, porque ele tava ficando com dor no pescoço naquela posição.
Nunca tinha tentado outra posição. Tive que pensara rápido. Então me sentei na beirada da cama, e pedi para ele vir sentar em cima do meu colo. Ele veio de novo com a bunda toda abertinha, e novamente eu só ajeitei o meu pau até a entrada do seu cuzinho. Dessa vez meu pau entrou fácil. E por incrível que pareca, essa posição era mais gostosa do que a outra, pois parecia que o cuzinho de Paulinho engolia meu pau por inteiro. Cada bombada que eu dava, era maravilhosa. Paulinho agora além de gemer, suspirava, e isso a alguns centimetros de distância do meu rosto.
Peguei seu pintinho com a mão e comecei a bater uma punhetinha pra ele bem gostosa. Eu estava louco de tesão. De repente, sinto a cabeça do pinto de Paulinha ficar molhadinha, por um líquido totalmente transparente. Ele tinha gozado, nem acreditava. Comecei a enfiar mais rápido e mais forte até que dessa vez eu gozei. Enchi aquele cuzinho de porra. Quando ele se levantou, esparramou tudo sobre a minha pica. Que delícia. Paulinho estava ofegante.
-Passa a mão no seu pintinho -Falei

Paulinho passou e sentiu ele molhadinho.
-Caramba, o que é isso ?
-Você gozou Paulinho, Gozo de criança ainda, depois fica igual ao meu, mas é gozo.

Paulinho ficou todo sorridente. Não conseguia acreditar nem entender como ele tinha gozado.Fui para o banheiro me lavar, e Paulinho ficou no quarto brincando com pintinho todo feliz.

Mas essas experiências novas não iriam acabar por aqui !
Continua no proximo conto.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 5,00 de 3 votos)
Loading...