Pobre do meu irmão!

Autor

ESTE CONTO FOI ESCRITO ORIGINALMENTE POR contosdahora
EU EDITEI E VOU PASSAR PARA VCS AGORA .
Carapicuiba – São Paulo – SP

Quando a gente pensa que está tudo bem, as coisas ficam ainda melhores… ou piores, não sei.

Tenho 22 anos, não me comprometo com nenhuma menina, mas estou aberto a todas. Gosto muito de baladas, sempre pego alguma coisa por lá, e quando estou muito, mas muito a fim mesmo, vou a uma casa de swing; lá tem rodízio de mulheres, solteiras, casadas, de todo tipo, e se pode comer à vontade. Tenho uma amiga que gosta muito de dar e de vez em quando a gente finge que é marido e mulher e vamos lá; eu como um monte de mulheres e ela dá para sei lá quantos homens, tudo numa noite só. E só para variar, caprichamos uma entre a gente mesmo, antes ou depois da noitada.

Vai por essas que sou um cara sossegado ou, pelo menos, eu era, até o meu irmão menor, de 14 anos, aparecer em casa com uma menina dois anos mais nova que ele; uma lindeza, uma gracinha, uma meiguice, uma Timidez e uma educação que logo cativou a família todas, dos meus pais e avós até as minhas irmãs do meio… e a mim também, é claro.

Só que as minhas atenções e também intenções para com a menina eram as mais louváveis…
Quer dizer, de modo algum tive qualquer tipo de pensamento ruim (ou seria bom?) para com ela, mesmo porque, além de ser muito novinha, era a namoradinha do meu irmão e ele estava muito apaixonado por ela, se derretia por ela.

Mas logo a situação mudou. A menina descobriu o meu quarto, descobriu que eu passava algumas horas da tarde sozinho em casa, e ela começou a vir direto da escola para a nossa casa, para esperar a chegada do meu irmão, que estudava à tarde.

Por alguns dias ela chegava no seu uniforme de colégio, saia ou moletom, e por alii ficava, conversando, vendo televisão, jogando game, mexendo no meu notebook, vendo seus contatos na rede…

Mais alguns dias, como estava muito calor, ela passou a trazer um vestidinho e se trocava no banheiro. O vestidinho a deixava mais linda ainda, suas perninhas apareciam mais acima, suas coxas… Comecei a me sentir incomodado.

E ficava mais incomodado ainda quando, sem querer, eu pensava, mas por querer, descobri depois, ela se sentava mostrando as coxas, a calcinha ou, então, deitava na minha cama com a bundinha para cima. Eu já começava a sentir que a qualquer momento ia perder o controle e pular sobre a garota, já de pau duro, furando tudo, vestido, calcinha…

Mas de pau duro mesmo fiquei no dia em que ela nem foi ao banheiro para se trocar.

– Não olha, que vou me trocar. – ela disse, atrás de mim, enquanto que escrevia alguma coisa para o trabalho de faculdade que estava fazendo.

Não olhei. E não foi por falta de vontade, mas, sim, porque o reflexo do monitor me permita ver seu corpinho, seus pentinhos, sua calcinha de renda branquinha…

Mas ficou nisso, não rolou nada, não tive coragem de pular em cima dela e nem ela se encorajou a falar de modo mais claro que estava a fim. Na verdade, ela já estava falando, mostrando, e eu é que ainda estava temeroso, incerto, bundão.

E continuei bundão. E teria continuado bundão até não sei quando se, no dia seguinte, ela não forçasse um pouco mais a barra.

Pelo reflexo do monitor, que eu já ajeitara com ansiedade, vi quando tirou a saia do uniforme, tirou a blusa, tirou a calcinha, mas não colocou o vestido. Ficou ali, peladinha, por algum tempo, me olhando por trás, como se não soubesse direito o que fazer, até que respirou fundo e caminhou na minha direção, nas minhas costas, pousando suas duas mãos nos meus ombros.

Meu pau já estava quase rasgando a calça, levantando a escrivaninha.

– Pode olhar. – ela disse.

– Já estou olhando. – falei.

– Então vira pra mim.

Virei a cadeira… seu rostinho, seus olhinhos meigos, seus peitinhos, seu umbiguinho, suas coxas, lindas coxas, seu montinho de pelos… Montinhos mesmo, ainda mal formados, eriçados, bem de menina.

– Veste a roupa. – falei.

Vá entender o que me deu naquele momento. Pensei no meu irmão, pensei na diferença de 10 anos idade entre a menina e eu, pensei nos problemas que eu poderia arranjar, me perguntei se valeria a pena… quer dizer, um conflito desgraçado entre a rigidez do meu pau, querendo logo partir pra briga, e a sensatez da minha cabeça, me dizendo que eu já tinha tantas xanas para quando eu bem quisesse e que não precisava correr o risco de me encrencar todo só por causa de mais uma… uma xaninha.

– Não me quer? – ela perguntou, meio cabisbaixa, como que constrangida.

– Coloque o vestido! – ordenei.

– Desculpa! Eu pensei que a gente… eu… não sei… – ela falava, ainda nua à minha frente, mas agora cobrindo sua xaninha, como se estivesse envergonhada.

– E pensou também que pode chegar alguém, que podem pegar você aqui, pelada, sem nada?

– Mas…

– Coloque o vestido… fica mais fácil disfarçar caso chegue alguém.

– Verdade? Você me quer? A gente pode…? – ela falava, perguntava, quase gritava, quase saltitava.

E não posso dizer que eu estava muito diferente, pois que, de repente eu era uma euforia só, diante da ideia de ter aquele seu corpinho, aquela sua carinha tenra, novinha, aquela xaninha de pouco uso …

Pouco uso HIHI que engano?

– Pensei que você ainda nem transasse, que ainda fosse virgem. – falei, abraçando seu corpinho nu entre minha pernas, massageando suas coxas, sua bundinha.

– Já fez com o Sergio…
– já transamos três vezes, mas…

– Mas…?

– Não foi legal. Acho que ele ainda não sabe fazer direito, e como eu também não sei… Você me ensina, me mostra como é?

Ensinar?

Em pouco tempo eu já havia esquecido o risco de ficarmos pelados e já estávamos os dois sem roupa alguma, rolando na minha cama, abraçando, beijando, passando as mãos, enfiando o dedo, mordendo os peitinhos… uma loucura só.

E loucura maior ainda foi quando ela se ajeitou sobre o meu pau e foi de boca. Ensinar o que para ela? Como chupava gostoso! Como sabia mamar, envolver só a cabecinha…! Como sabia fazer sumir quase tudo, indo até sua garganta.

Chupava e me olhava. Chupava e me sorria. Não me perguntem como, mas ela conseguia sorrir com o pau na boca. Chupava e oferecia sua xaninha para eu chupar também, ficou por cima, um 69 que quase me fez desmaiar.

Não desmaiei, mas gozei.

Em dado momento, quando senti que já estava em ponto de bala, parei de chupar, tirei-a de cima, falei que ia pegar uma camisinha.

– Não! – ela sentenciou, logo se colocando de joelhos ao lado da cama.

– Não? Mas você não quer? Você me provocou e…

– Eu quero, quero muito, mas primeiro eu quero sua porra. Goza na minha boca, goza.

E foi falando e foi pegando e foi colocando na boca e foi chupando e foi me olhando, e foi pedindo com os olhos… e também foi agarrando o meu pau para punhetar enquanto chupava, e para evitar que eu tirasse da sua boca. Foram minutos de intensa loucura até que:

– Meniiiiiiiiiina!

Não teve jeito. Já transei com muitas mulheres, casadas, solteiras, e até meninas ainda, que gostam de porra na boca, mas nunca havia imaginado que uma menininha ainda tão novinha como a namoradinha do meu irmão fosse gostar também. Afinal, ela estava ou não estava aprendendo?

Quem estava aprendendo era eu. Sou bom de porra, principalmente na primeira gozada, como é óbvio. Mas o óbvio seria que a menina ainda não soubesse disso. Mas sabia. Sabia e fez questão de receber a primeira descarga na boca, para depois ficar me olhando, ainda com o pau lá dentro, deixando escorrer pelos cantos dos lábios, me olhando, escorrendo…

Ela brincou com a minha porra por uns três minutos, eu acho, deixando escorrer, pegando de volta com a língua, chupando mais, deixando escorrer… Eu já estava querendo gozar outra vez.

– Deixa eu ir no banheiro… depois você me come. – ela falou, levantando-se e caminhando, peladinha, aquela bundinha.

Quando ela voltou eu já estava com a camisinha e o gel na mão.

– Ah!… mas eu queria nela primeiro. – ela disse, quando me viu preparado.

– Queria. Mas eu quero é essa bundinha. Você já deu ela alguma vez?

– Para o seu irmão ainda não, mas…
-Quero dizer, nunca dei, não, eu…

– Pode falar!

Deitou-se na cama de bumbum para cima, deu uma arrebitadinha…

– Vai devagar, tá bom. Se não, vai doer.

– É mesmo? Sempre doi? – perguntei, só para descobrir que…

– Doi. Mas só quando força muito. Deixa que eu faço, tá bom?

Pobre do meu irmão!
– Pensei, enquanto ia ajeitando a cabecinha do meu pau no seu cuzinho e ela ia se abrindo, mexendo, pedindo para eu não forçar, falando para deixar ela fazer…

Pobre do meu irmão!

Em três tempos a cabecinha já havia passando suas pregas e ela dava a ordem:

– Enfia tudo! Enfia tudo!

Pobre do meu irmão!

Que fogo a menina mostrou na bunda. Mexia, rebolava. Apertava, mordia, subia e descia, pedia para eu enfiar tudo, mandava eu fazer com força… e nem foi preciso que eu ou ela mexesse na sua xaninha para que gozasse, gozasse e gozasse…
E, é claro, pobre do meu irmão, gozei mais uma vez na sua namoradinha, na sua bundinha.

E depois que gozei, depois que gozamos, enquanto descansávamos, deitadinhos lado a lado, respirando cansados, suspirando, fiquei sabendo que sua primeira vez havia sido na bundinha, que já fazia muito tempo, com um menino do colégio, depois foi com um homem da sua rua dono de uma mercearia , depois com outro, com…

– E na xaninha? – perguntei, curioso.

– Ah! Foi quase dois anos depois que comecei atrás, faz uns seis meses, mais ou menos, foi com um namoradinho que arranjei, depois teve um menino da…

Fiz as contas… Com que idade a menina começou a dar com 9 anos?

– E pra quantos meninos você já deu, então ?

– Na frente 7 em seis meses e atrás 16 , 17 comigo em três anos ?
Pobre do meu irmão!
Mas o tempo foi passando e estava ficando cada vez mais difícil ver meu irmão beijando a boca desta menina.

Eu não sabia como sair daquela situração, como mostrar ao meu irmão quem era a menina em me incluir na história… quer dizer, sem ele saber que eu também tinha comido.

Mas ela mesmo acabou me dando a solução, quando revelou que seu maior desejo era transar com dois ao mesmo tempo.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 5,00 de 2 votos)
Loading...