Perna no gesso, rola na prima

Autor

Minha família, é dividida entre evangélicos e católicos. Eu e minha mãe somos católicos, mas nos damos bem com todos. Sem besteira não.
Quando tinha 22 anos, sofri um acidente de moto, torci o joelho, tendo que por no gesso, da coxa até o tornozelo, dificultando meus movimentos. Minha mãe também trabalhava fora, como enfermeira, dava plantões noturno. E mesmo podendo me mexer, lentamente, ela não queria me deixar só, e procurou na família alguém que pudesse. A irmã dela tinha algumas filhas, e a mais velha, se prontificou a me ajudar, quando minha mãe não pudesse.
O nome dela é Isabelle, um morena, quase negra, cintura fina, peitos redondinhos, uma bundinha e umas coxas deliciosas, era como falamos por aqui, uma falsa magra. Novinha, tinha entre 13 e 14 anos, evangélica e cantava na igreja. Muito brincalhona…divertida mesmo!
No primeiro dia, ela chegou a tardinha…Vinha de bermuda e camiseta coladas, que marcavam todo o corpo dela.
Minha casa era muito pequena, tem uma sala, um quarto onde dorme minha mãe banheiro e cozinha, e lógico, o meu quarto com banheiro, que fica nos fundos.
Como ela ia dormir perto de mim…minha mãe arrumou outra cama, e junto com Isabelle a colocou no meu quarto. Como somos primos, não havia malicia nenhuma, e ela é vista na família como moça direita e séria.
Tudo arrumado, minha mãe foi embora. Isabelle, arrumou tudo, e ficamos vendo tv. Jantamos e ela lavou tudo, fechou a casa. E veio pro meu quarto, sentou em sua cama, e ficamos conversando, perguntei se queria ver um filme…ela disse que era bom. Eu disse, mas não tenho filme evangélicos, ela disse que não tinha problema assistir, desde que não fosse nada demais.
Colocamos o dvd, e fomos assistir. A posição de sua cama entretanto era ruim…então a chamei pra minha. Ela meio sem jeito, mas veio e ficou do meu lado. Quando terminou o filme ainda estávamos rindo…
– Vamos ver outro?
– Sim vamos.
– Você vai dormir assim mesmo, não trouxe nenhuma roupa mais leve?
– Ela disse que sim, e foi no banheiro se trocar.
A luz do quarto desligado, apenas a luz da tv acessa, ela sai do banheiro de baby doll, branco e com o reflexo da tv, na hora que ela foi deixar a roupa na sua cama, vi todo o contorno de seu corpo, e até a sombra de seus peitinhos pontudinhos…Me fez pensar besteira!
Ela foi colocar outro filme, o que piorou ainda mais, por que ficou totalmente contra a iluminação, ficando ainda mais nítido aquele corpinho lindo.
– Esta mais a vontade?
– Ela riu e disse sim, por que?
– Aquela roupa era muito apertada.
– Ela disse, mas eu gosto, não sou gorda.
– Não, você é linda.
– Para, assim vou ficar sem jeito.
– Não precisa ficar, sabe que é.
Ela veio e sentou novamente ao meu lado na cama, e eu continuei.
– E muito cheirosa, nossa. Assim vou conseguir nem me concentrar, no filme.
Ela deu uma risada…E começamos a ver o filme, que era um suspense, no inicio tinha uma cena que a mocinha corria no mato, sendo perseguida, e suas roupas se rasgavam, quando ficou contra uma luz de um carro na estrada, Isabelle falou:
– Eita que ficou nuinha.
– Igual a você!
Ela sentou de frente para mim, e disse como é..Eu falei de novo..Ela esta nua igual a você.
– Meu filho eu estou vestida…levantou ascendeu a luz e se mostrou pra mim…
– Mas de luz acesa da pra ver mesmo não…Apaga a luz…E vem aqui pra frente da tv. Ela assim o fez, e eu olhando pra ela…meu pau ficou duro. Ela se olhou e disse…nossa fiquei mesmo…Deu uma risada e saiu da frente.
– Ah, volta…a imagem esta linda.
– Tá doido…
– Não volta…vai
Ela devagar voltou. E eu pedi pra fica de lado e baixar pra desligar o dvd, mas bem devagar…Ela meio assim, fez…o que me mostrou ainda mais nítido seu belo par de seios.
– Lindos!
– O que?
– Teus seios
– Meu filho agora esta vendo demais.
– Você esta sem sutiã e são pontudos, lindos.
– Nossa!
– São grandes feito da tua mãe?
Ela deu uma risada, e disse que lógico que não.
– Não acredito, é por que não da pra ver direito.
– Vamos acabar com essa conversa, que não da certo.
Foi pra cama…Ficou lá, e depois de algum tempo, falou:
– Você dormiu?
– Como se você me deixou daquele jeito.
– Que jeito?
– Deste jeito. Apontando para o meu pau duro!
– Estou vendo jeito algum.
– Acenda a luz.
Nunca imaginei que ela pudesse fazer isso, levantou, ligou a luz…E viu meu pau, sob o calção, duro apontando pro céu.
– Pra que isso tudo?
– Culpa sua.
– Pois vamos dormir, que você se acalma.
– Você vai me deixar assim? Sem o menor pudor tirei ele de dentro do calção e mostrei pra ela. Isso aqui é culpa sua.
Ela arregalou os olhos, e disse nossa, esta muito duro….Vem cá vem. Ela apagou a luz, e foi na minha direção. Nunca imaginei que aquilo pudesse acontecer.
Ela veio ficou em pé na frente da cama…segurei sua mão e a puxei pra cima de mim. Ela montou e começou a me beijar e eu a passar a mão no corpo dela, que ela permitia sem dizer nada, ao contrário, se entregava, com a respiração cada vez mais forte.
Levantando sua blusa, pedi pra ela acender a luz queria vê-la. Assim ela foi até o interruptor ligou a luz. Me levantei junto com muita dificuldade…e fui na sua direção. Puxei a blusa novamente, desta vez tirando do seu corpo, nossa que peitos lindos. Me baixei e mamei aqueles bicos escurinhos, e pontudos…ela alisava meu cabelo…Mas eu não conseguia ficar muito tempo em pé numa perna só.
sentei na cama dela e a puxei…tentei tirar seu short e calcinha…e ela não deixou. Disse que já era demais e que estava menstruada. Aí perguntei:
– Vai me deixar assim?
Ela olhou pro meu pau e disse:
– Posso tentar dar um jeito.
Se baixou e beijou a cabecinha, lambeu o corpo dele, tirou o resto do meu calção. E enfiou o que deu na boca. Nossa aquela evangélica era uma devoradora de rola, chupava e punhetava com a boca meu cacete duro e estourando de excitação. Enquanto isso eu alisava todo seu corpinho, passava por sua bunda, tentava enfiar a mão mas não deixava, ainda toquei em sua bucetinha por cima da roupa, e vi que não tinha absorvente, ao contrário estava fria e úmida.
Avisei que iria gozar…ele chupou tudo…até a última gota, correu no banheiro e cuspiu.
– Acalmou?
– Um pouco.
– Já podemos dormir?
– Sim.
Ela riu me deu um beijo, e me levou até minha cama, ainda chamei para dormir comigo. Mas ela recusou.
No outro dia saiu cedo. E eu espero ansioso sua volta a noite.
Beijos
Espero que tenham gostado…Aguardo comentários.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,33 de 3 votos)
Loading...