O sobrinho mamador da minha namorada

25-12-17 Por 5 ★ 4.43

Vou contar um fato verídico, ocorrido ontem à noite, véspera de natal. Me chamo Arthur, tenho 28 anos, branco, 1,80m, corpo malhado, uma pica de 19cm cabeçuda e namoro com uma mina de 23 anos. A família da minha namorada me convidou para passar o natal com eles no sítio da família. Eles sempre se reunem lá. O local tem 4 quartos, sendo que meu sogro e minha sogra dormiram em um, minha cunhada, irmã mais velha da minha namorada e o marido dela em outro, minha namorada e a irmã dela do meio dormiram no terceiro quarto, pois seus pais acham que ela ainda é virgem, sabem como é né, família tradicional, religiosa. Continuando, no último quarto tivemos que dormir então eu e o Guilherme, sobrinho da minha esposa de apenas 12 anos. Guilherme é magro, branquinho, mais ou menos 1,60m de altura, muito legal, sempre fica com a cara enfiada no vídeo game, mas sempre me trata muito bem, mas até então com o maior respeito. Eu já tive minha fase de aventuras, já comi alguns carinhas na minha adolescência, naquelas brincadeiras de infância, mas me considero um cara normal, não vou me definir como hétero, porque, não dispenso uma boa mamada e nem um cuzinho, seja de quem for, tanto faz homem ou mulher. Mas confesso que há algum tempo não pego homem, somente minha namorada e algumas piriguetes que aparecem de vez em quando. Bom, como era véspera de natal, fizeram um churrasco e rolou vinho, cerveja e caipirinha e eu quando bebo me dá um sono muito pesado. Por volta de 2 horas da manhã todos resolveram se recolher para seus devidos quartos e minha cunhada mandou Guilherme desligar o computador e ir deitar. Eu fui tomar um banho e quando cheguei no quarto, Guilherme já estava dormindo. Procurei não fazer muito barulho, apenas vesti um short sem cueca e deitei, pois o sono já estava pesando. Logo que deitei já adormeci. Certo tempo depois, não sei precisar que horas eram, mas eu tinha a sensação que já havia dormido pelo menos mais de uma hora; eu naquela escuridão do quarto, senti que estava de pau duro e senti como se uma mão estivesse massageando meu cacete bem de leve. Achei que estava tendo um sonho, pois sou meio fraco pra bebida, e os sentimentos se confundiam naquele momento. Mas logo vi que era realidade e que alguém estava me massageando. Repentinamente achei que fosse a Priscila minha namorada que havia acordado com tesão e tinha vindo se arriscar no meu quarto. Mas logo notei que aquela mãozinha pequena não podia ser dela e como estávamos somente eu e Guilherme comecei a imaginar que fosse ele. Isso porque a janela do quarto era de madeira e estava fechada, o que fazia do ambiente um breu total; não dava pra enxergar nada, apenas dava pra sentir. Só de imaginar que aquele molequinho ainda tão inocente pudesse estar acariciando meu pau, o tesão tomou conta de mim, mas não quis demonstrar que já estava acordado e deixei rolar, fingindo que dormia para dar corda e ver até onde ia aquela situação. Até então, eu estava sentindo aquela mãozinha delicada passando na minha rola por sobre o short, mas de repente, senti meu short sendo abaixado e então senti uma punheta bem delicada. Um vai e vem quase imperceptível de tão lento e gostoso. Neste momento, o tesão já estava me dominando, a vontade de mostrar que estava acordado e mandar ele cair de boca era enorme, mas pra não espantar o bebezinho, achei melhor manter a calma e deixar rolar. O safado passou cuspe na mãozinha macia e pequena e começou a deslizar a mão na cabeça da minha piroca me levando à loucura. Do nada ele arregaçou a cabeça do bicho e começou a passar a linguinha bem de leve, fazendo movimentos circulares, com uma delicadeza de dar inveja em muita quenga experiente. Na sequência senti ele abocanhar a cabeça do bichão bem de levinho, parecendo temer que eu acordasse. E assim ele continuou, enfiando e tirando a pica da boca, indo até sua garganta e voltando. Que safado do caralho, ele sabia como deixar um macho doido de tesão, apesar da pouca idade. A língua dele sabia trabalhar, fez uma coisa que me mata de tesão, descia com a língua até minhas bolas, passando-as nas virilhas, subindo até a barriga e em seguida abocanhando minha pica novamente. Fez esse ritual repetidas vezes, acho que fui chupado por mais de meia hora. Se não estivesse tão escuro não conseguiria disfarçar que estava dormindo. Continuando, o viadinho safado, passou a chupar e punhetar ao mesmo tempo, como se quisesse extrair leite da mamadeira do seu macho e não demorou muito soltei meu leite quente e abundante dentro daquela boquinha, chegando a soltar vários jatos fartos de porra. Devo dizer que gozo muito sempre, ainda mais com esse estimulo. Ouvi uma tosse como se estivesse engasgando com minha porra e em seguida Guilherme levantou e abriu a porta do quarto, provavelmente seguindo em direção ao banheiro, para cuspir ou se lavar não sei. Aquela situação mexeu muito comigo. Até então eu nem imaginava que aquele garoto gostasse dessas coisas. Quando percebi que ele estava voltando para o quarto, continuei fingindo que estava dormindo. Esqueci de dizer que o danadinho não deixou cair nem uma gota da minha porra sobre meu corpo. Levou tudo na boquinha. Então satisfeito por ter gozado gostoso e ainda meio bêbado, cai novamente no sono. Pra minha surpresa, após algum tempo acordei de novo com o Gui travado com a boca na minha pica, mamando feito um bezerro. Pelo visto ele havia gostado. Deixei ele prosseguir mais uma vez e de novo enchi sua boquinha de porra. Hoje pela manhã ao acordar, ele já havia saído do quarto. Fui tomar café e da cozinha da casa, vi o safadinho na piscina de sunguinha azul, atochada no rabo e só então percebi como a bundinha dele é avantajada pra idade. Agora estou ansioso pra uma nova oportunidade, só que ontem fiquei com receio, mas na próxima, vou segurar a cabeça dele quando for gozar e fazer ele beber todo meu leite e se ele bobear eu arrombo aquele rabinho.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,43 de 7 votos)
Loading...

Por

5 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos

  1. Konner

    Parou por ai ou teve mais aventuras com ele?

  2. Anônimo

    delicia

  3. Anônimo

    sortudo

  4. Pelado Santos

    Que tesão de conto.Pau duro aqui.sou doido que isso aconteça comigo.poderia fazer tb.cair de boca numa rola na calada da noite.

  5. novinho SP

    Espero que tenha se repetido