Iniciando o Casal 2

Autor

Leiam o 1
Em um final de semana combinamos de sair para colocar o papo em dia e nos divertimos um pouco, fazia alguns dias que não nos víamos e Fábiana estava sentindo a minha falta, segundo o Eder, e marcamos para jantar e ir a um bar que tinha música ao vivo e iriamos no meu carro.

No dia marcado, melhor, na noite marcada fui buscar os dois em casa, Fabiana estava simplesmente fantástica, tinha caprichado, vestia um macacão colado ao corpo, um zíper na frente que ia até o umbigo, sem sutiã como de costume, uma sandália de salto alto que deixava ainda mais aquele bunda empinada, cabelos soltos, um batom vermelho e demonstrava que tinha pego muito sol.

Quando me viu, pendurou se em meu pescoço e me deu um beijo de língua, seu marido estava do lado, mais não parecia, nem precisa falar que fiquei constrangido com a situação, apesar de já ter transado com ela, não esperava aquela reação dela na frente do marido, agindo como se eu fosse seu namorado e não lhe via a tempos.

Sem jeito, quando desgrudou a boca da minha e continuou abraçada ao meu pescoço e eu lhe segurando pela cintura comprimentei o Eder, Oi amigo, tudo bem?
Ele- tudo bem, como se nada estivesse acontecendo, aonde vamos?
Eu falei onde e ainda sem saber o que fazer direito, pois ela continuava grudada em mim, para descontrair falei: a sua mulher está linda e fiz ela dar uma voltinha, ele- é, ela é maravilhosa, eu à amo muito, me deixando ainda mais constrangido.
Para me livrar daquele situação falei: então vamos, ela não soltou a minha mão e nos dirigimos para o carro, como se eu fosse o seu marido e ele o amigo.
No carro ele já se dirigiu direto para a porta traseira, abri a dianteira e ela sentou.

Com essa atitude dele eu já assumi de vez a posição de macho alfa na relação e como se ele não estivesse ali, demonstrei o meu papel, puxei Fabiana e lhe dei um beijo demorado acariciando seu rosto.

Ela ficou coladinha a mim até chegar ao restaurante, entramos e na mesa puxei a cadeira para ela sentar e sentei ao lado dela e ele sentou na nossa frente, o papo foi animado durante todo o jantar e Fabiana de vez em quanto me acariciava e me dava pequenos beijos, com tudo isso eu estava surpreso com a situação e o comportamento dele.

Terminado o jantar, mais uma supresa, quando a conta chegou ele puxou o cartão e disse que pagaria a despesa e que o jantar tinha sido maravilhoso.

Do restaurante fomos para o barzinho, o comportamento era o mesmo dos dois, eu de marido paparicado e ele de acompanhante.

Nos divertimos bastante, namorei muito com Fabiana e ele nem um beijinho deu nela, em certo momento ele foi ao banheiro e eu aproveitei para perguntar para ela o que estava acontecendo, e ela me falou que antes de saírem de casa ela já tinha dito para ele que essa noite ela seria minha, e ele disse que faria tudo para ela se sentir feliz.

Quando ele voltou, estávamos dançando coladinhos, eu me sentindo o máximo por desfrutar daquela maravilha, daquele presente dado pelo seu próprio marido.

Depois de nos divertimos bastante, cansados e alterados pela bebida, chamei para irmos, ele falou que iriamos para sua casa para continuarmos bebendo na borda da piscina, afinal a noite estava maravilhosa para encerrar agora.

Chegamos, fomos para a piscina, Fabiana sentou na minha perna me beijando e ele foi buscar cervejas para nos, ele chegou e Fabiana entrou em casa, eu falei para ele: Fabiana estar radiante, ele: eu faço qualquer coisa para lhe fazer feliz.

Algum tempo depois ela aparece só de calcinha e pulou na piscina, não aguentei e tirei a roupa e fui atrás dela lhe pegando no meio da piscina, lhe beijei chupando sua língua e seios, meu pau estava duraço entrando no meio de suas pernas, ela pegou e começou a me punhetar enquanto era beijada.

Lhe tirei da piscina e à levei para a espriguiçadeira ao lado do Eder, que só bebia e observava tudo que fazíamos. Deitei Fabiana e fui lhe chupando a língua, o pescoço os seios de bicos duros de exitação, mordi, apertei com carinho lhe tirando gemidos.
Me posicionei no meio de suas pernas e grudei minha boca naquela fruta macia e de lábios grossos, chupei sentindo seu liquido viscoso invadir minha boca, como é gostoso seu néctar agridoce, seu grelinho estava um dedinho se destacando daquela Flôr. Fiz ela gozar bastante com minha chupada, sentido ela estremecer na minha boca.
Puxei Fabiana fazendo ela ficar de quatro olhando para o Eder, chupei mais um pouco sua buceta, seu cuzinho que piscava para mim, segurei meu pau e coloquei na entrada de sua buceta e para judiar empurrei até a metade, ela deu um gritinho e estremeceu, não esperava o tranco, apesar de lubrificada a invasão foi brusca e ela é muito apertada, antes que se recuperasse empurrei o resto, mais uma estremecida e seu gozo foi anunciado, estava gozando com a minha pica cravada na sua buceta, sentia seu útero contrair na cabeça do meu cacete, que mulher, que gostosa, nunca pensei de desfrutar daquela delícia.
Eder só olhava, continuava vestido como se ainda estivesse no bar, eu fui puxando meu pau devagar sentindo cada pedacinho daquela gruta do prazer, chupei seu cuzinho novamente anunciando o que eu queria. Eder preocupado com sua mulherzinha falou: amor, ela vai comer seu cu, tem certeza que quer? Fabiana respondeu: eu sou toda dele e ele é meu dono e se ele quer eu estou para satisfaz o seu querer, nem que eu fique toda arrombada, vai ser com gosto.
Não poderia ouvir nada mais estimulante, saber que tinha o domínio total daquele monumento de mulher.
Coloquei a cabeça do caralho na porta do seu cu, sabia que seria difícil, mais tentei enfiar, não entrou, posicionei novamente, tentei ela gritou e saiu puxando o corpo para a frente, chupei novamente seu cu, ele: Paulo não maltrate ela não, espera um pouco e saiu, eu fiquei chupando Fabiana para não sair do clima.
Eder voltou com um tubo de gel lubrificante, enquanto eu passava na caceta ele passava no cuzinho de Fabiana, empurrando para dentro com seu dedo, e alargando o que podia. Falou: pronto, tenta novamente, faz minha esposa feliz, punhetei um pouco e coloquei a cabeça novamente no seu cuzinho que como se estivesse com medo se contraia, fiz ela relachar lhe acariciando os peitos, e quando vi que relachou empurrei, a cabeça entrou, Fabiana gritou e tentou sair, não deixei lhe segurando pelos ombros, ela começou a chorar, Eder desesperado foi para a frente dela e começou a acariciar seu rosto limpando as lágrimas que escorria, empurrei mais um pouco e parei, ela soluçava chorando, confesso que estava com pena dela, mais o mesmo tempo curtindo aquele cuzinho estrangulando o meu pai, nem parecia que o Eder já tinha comido várias vezes, pois ela adorava dar o cu, mais nunca tinha encarado um pau como o meu, passei mais gel no resto de pica e fui empurrando, ela chorava, tentava sair se debatia mais não pedia para parar, ela era minha de verdade, eu podia fazer o que quisesse, empurrei até encostar meus pentelhos em sua bunda, parei lhe fazendo carinho enquanto ele lhe beijava o rosto com carinho e pedia calma para ela.
De leve eu fui tirando sentindo todo o aperto do seu reto no meu pau, comecei a fuder devagar para ela acostumar com a invasão, quando ela já não chorava mais só gemia, aumentei o ritmo, já fudia melhor, o pau deslizava mais suave.
Tirei, deitei ela de costa de frango assado com suas pernas em meu ombro, coloquei novamente em seu cu e empurrei até o fim, só gemia, mais não chorava mais segurando na mão dele, lhe apertava os bicos dos seios e fudia ao mesmo tempo, que sensação gostosa fuder aquele cuzinho.

Não sei quanto tempo estava curtindo aquela foda, mais seguramente mais de meia hora quando senti que iria gozar, acelerei, Fabiana parecia está em transe, arfando de olhos fechados jogando a cabeça para os lados, bombei, bombei e empurrei até não entrar mais e segurei sentindo o meu pau jorrar dentro do seu intestino e ela começou a gritar que estava muito gostoso que sentia ser invadida por muita porra quente, que delícia.

Deixei ela ir se acalmando devagar e meu pau ir amolecendo e saindo por conta própria, sujo de porra é um pouco de merda e sangue do cu de Fabiana.
Que foda maravilhosa, nunca tinha comido um cu tão gostoso, isso falei para ele, que me agradeceu por satisfazer sua mulher de verdade.
Hoje Fabiana continua esposa do Eder mais é minha, vivemos uma relação diferente nós três, se gostarem posso contar.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 5,00 de 1 votos)
Loading...