Depois do Começo aos 10, a continuação aos 11

Autor

ola, na minha historia “o começo aos 10” eu contei como eu comecei a chupar o pau do Rafael, como o zelador do predio me chantagiou para eu chpalo e engolir
sua porra e como o Joao, ex namorado da minha mãe e nosso vizinho acabou se seduzindo pela situação e me comeu pela primeira vez. aquele ano foi legal,
aprendi muitas coisas sobre sacanagem, ja não me interessava muito pelo Rafael e seu pinto de adolecente e o Joao evitava me comer com frequencia, ja o
zelador foi embora do predio e no seu lugar entrou um sr negro, de meia idade e com os cabelos grisalhos, mas não aconteceu nada com ele. eu ja tinha feito
11, meu pintinho tava crescendo e alguns pelinhos loirinhos começaram a aparecer, quando eu batia punheta uma aguinha melada ja saia, junto com uma sensação
muito gostosa que sempre me fazia beter mais e mais. nas ferias daquele ano eu fui ficar com meu pai, no interior de sao paulo. ele cuidava de uma fazenda
e morava com a esposa dele numa casa de uma colonia com varias casas. tambem tinha na fazenda um alojamento. Eram quartos grandes com varias camas onde
ficavam os empregados, tinha uma cozinha pra eles e um banheiro com alguns chuveiros, sem divisorias, um ao lado do outro. naqueles meses não tinha muita
gente no alojamento, pois eles iam pras suas cidades ver a familia. tinha pouca criança na fazenda e as poucas que tinham tambem viajavam pra outros lugares.
os primeiros dias foram um tedio, eu ajudava meu pai a correr a fazenda de caminhonete e não tinha muito o que fazer. numa dessas corridas ele passou no
alojamento pra falar com uns peoes, eles iam viajar tambem e ia ter menos gente ainda na fazenda. enquanto eles conversavam eu fiquei andando pelo alojamento
e vi uma porta aberta, tinha barulho de chuveiro e eu cheguei perto pra ver. tinham uns tres caras tomando banho, todos juntos, cada um num chuveiro. eu
fiquei olhando eles ali pelados se ensaboando e conversando sem a minima vergonha de estarem pelados juntos. mas um deles ficou me olhando. Era forte,
com corpão de peao de fazenda bem queimado do sol, tinha pelos pelo corpo e um pinto cumprido bem escuro. ele ficou se ensaboando e me olhando, mas sem
chamar a atenção dos outros. ficou ensaboando o pinto, que foi crescendo e ficando duro, mas virou de costas pros outros caras. logo meu pai me chamou
pra ir embora e eu fiquei com a lembrança daquele cara na cabeça, fiquei imaginando um monte de sacanagens com ele e bati muita puheta naquela noite. no
final de semana seguite meu pai, a esposa e eu fomos numa quermesse numa vila proxima, meu pai estava bebendo e se divertindo muito e na festa tavam tembem
os poucos peoes da fazenda que não viajaram. eles vinham sempre na nossa mesa e o cara do alojamento tava junto, eu descobri que ele chmava Valter. ele
tinha uns 35 anos e era muito amigo do meu pai, eles se tratavam com muita amizade e bebiam juntos. ja tava tarde e minha madrasta comentou com meu pai
que eu tava com cara de sono, mas meu pai e ela não queriam ir embora tão cedo. os caras da fazenda tavam perto e o Valter ficou prestando atenção no empasse
que se criou, meu pai tava preocupado comigo mas não queria ir embora naquela hora. passado um tempo o Valter chegou na mesa e disse que ia embora, que
tava cansado. perguntou se meu pai e a mulher iam ficar na festa. meu pai disse que queria ficar, mas que eu tava com sono e o Valter logo se ofereceu
pra me levar. meu pai ficou preocupado comigo. Ele cofiava no Valter, mas queria saber se eu tinha coragem de ficar sozinho na casa da fazenda até eles
chegarem, mas o Valter logo sugeriu que eu ficasse no alojamento com ele, pois sabia que meu pai costumava amanhecer nas festas. minha madrasta me perguntou
se eu não me importava de dormir no alojamento e eu dissa que não tinha problema. ficou decidido, eu fui com o Valter. ele tiha uma camihoete mais antiga
e antes de entrar nela ele tirou a camisa falando que tava com calor. eu etrei na caminhonete e fiquei na minha e ele tocou para a fazenda. quase chegando
ele parou a beira de uma estrada e disse que ia mijar, deu a volta na camihonete e foi mijar bem do lado da porta que eu tava. eu espiei ele mijado e depois
ele ficou mexendo o pinto, chaqualhando e deixando o pau maior. eu olhava com cuidado pra ele nao perceber que eu gostava daquilo, mas ele mexia e me dava
umas olhadas. ficou nisso e fomos pra fazenda, chegando la ele me mostrou uma cama arrumada bem do lado da cama dele, eu sentei na cama pra tirar o tenis
e ele foi tirando a roupa pra tomar um banho, ficou pelado na minha frente e me chamou pra tomar banho tambem. eu tirei a roupa e fiquei de cueca, mas
ele questionou se eu ia molhar a cueca no banho, quis saber se eu tava com vergonha de ficar pelado e eu cofessei que tava um pouco. mas ele riu e falou
pra eu tirar a cueca que não tiha problema nenhum, eu fiquei nu tambem e ele foi logo olhando e comentando que eu ja tinha uns pelinhos e que meu pinto
ja tava bem grandinho, tudo de um jeito bem natural, como se brinca entre os homens. fomos pro banho e ele começou a se ensaboar, foi logo ensaboando o
pau e deixando ele maior, era um pau parecido com o do Joao, uns 18cm, só que mais grosso e mais sacudo. o pau dele não tava duro, mas ja tava apontando
pra frente. ele me ofereceu o sabonete e eu disse que não precisava, mas ele foi ja falando que era pra tirar o suor e foi logo passando o sabonete pelo
meu corpo, desceu esfregando mihas costas até chegar na minha bunda. como eu não reagi ele foi logo esfregando minha bunda e meu rego, fazendo bastante
espuma e sem falar mais nada. deixou o sabonete de lado e ficou esfregando meu rego com a mão, passado os dedos na entrada do meu cuzinho. eu não me controlei
e fiquei de pau duro e, ele percebeu. Fez umas piadinhas e riu um pouco mas logo me mostrou que tambem tava de pinto duro. era um pintao mesmo, apontando
pra cima com a cabeçona pra fora, ele escorregou a mão pelo meu braço e levou minha mao até seu pau, eu fiquei sem jeito e segurei, mas ele foi falando
pra eu mexer no pau dele. conforme eu mexia dava pra sentir o pau dele pulsar e ele logo empurrou minha cabeça pra chupar o pau dele. eu, obediente, comecei
a chupalo devagar, depois fui me soltando e fazendo o que eu ja tinha aprendido. ele so gemia e suspirava, as vezes forçava minha cabeça com as mãos pra
eu engolir aquela rolona, mas era impossivel. ele me fez parar, se secou e em seguida me secou tambem, me levou pra uma das camas e se jogou de barriga
pra cima com o pau apontando pro teto, me mandou mamar a rola dele bem gostoso e eu chupei muito, descia a boca pela rola até chupar as bolas dele e ele
gemia muito. a rola dele tava muito melada, com um sabor forte e salgado e as vezes soltavas jatos de melado que parcia estar gozando. ele me mandou parar
e subir em cima dele, com a bunda virada pra ele, ai eu descobri um 69, mas ele não chupou meu pintinho e sim meu cuzinho, enquanto eu abocanhava a rola
dele. era muito gostoso ele passando a lingua no meu rego e deixando meu cuzinho todo molhado de saliva. ele me ajeitou e me fez sentar na rola dele, era
bem cabeçuda e não entrava facil, mas a rola dele soltava muito daquele melado e meu cuzinho todo salivado fizeram a rola deslizar pra dentro de mim, abindo
meu rabo até entrar a cabeçona. doeu um pouco, mas eu ja tava acostumado e fui sentando mais e deixndo a rola subir pra dentro de mim. ela nem tinha entrado
toda e eu ja sentia bater la no fundo do meu cu. ele segurou minha bunda e me fez subir e descer, me fodendo aquela com aquela rolona. quando ele mexia
o quadril eu sentia a rola mexendo dentro de mim e meu pinto soltava um meladinho. ele me colocou deitado de lado e abriu minhas pernas, colocado uma delas
bem pro alto me deixando com o cuzinho aberto pra ele entrar. enfiou de uma vez e começou o me foder bem forte, encostando a cabeçona no fundo do meu cu
e forçando cada vez mais, incomodava um pouco, mas ele queria me arrebentar e fodia com força. enquanto ele gemia, me perguntou se eu ia beber a porra
dele. eu tava acabdo de prazer e dor, tão mole que nem respondi. etão ele tirou a rola de uma vez e puxou minha cabeça mandando eu abrir a boca e começou
a gozar na minha boca aberta e no meu rosto. meus olhos, queixo e meu peito fiaram lavados de porra e ele gemia gostoso enquanto ainda pigava porra do
pau dele. tomamos outro banho e fomos dormir, cada um numa cama, pois os outros peoes logo chegariam. depois de um sono pesado eu acordei derrepente. eu
tava deitado de lado. bem na beira da cama e um outro peao tava em pé do meu lado, meio agachado com o pau pra fora esfregando na minha boca. no susto
eu me afastei e ele fez sinal pra eu fazer silencio, colocou a mão na minha cabeça e me puxou devolta. eu tava meio sonolento e ele contiuou passando o
pau na mina boca, forçando pra enfiar pinto dentro dela. era um pinto cumprido, mas menor que o do valter, e bem mais fino tambem o quarto tinha bem pouca
ilumonação e eu via que ele era bem moreno e magro,sem pelo no corpo, apenas em volta do pau. eu fui despertando e ele continuou forçando o pau na minha
boca, até eu abrir a boca e começar a chupalo. ele empurrava minha cabeça pra eu engolir mais o pau e dava umas espiadas no valter, que tava numa cama
atraz de mim. eu chupei ele daquele jeito por um bom tempo e o valter tava durmindo tanto que até roncava. ele me chamou pra fora da minha cama, sentou
na beira da cama ao lado e me fez agaichar no chão pra chupalo, eu chupei o pau e as bolas dele, que eram pequenas e o saco bem liso. numa hora ele colocou
o pau dentro da minha boca e segurou minha cabeça, gozou na minha gargante e eu engoli a porra dele. era gostosa mas ele gozou pouco, acho qua tava preocupado
com o valter ali do lado. ele era bem mais novo, devia ter uns 20 anos. depois de gozar na minha boca ele me colocou debruçado na beira da minha cama,
baixou minha cueca e começou a passar cuspi no meu rego. ajoelhou atraz de mim e foi logo procurando meu cuziho com a cabeça do pau. quando ele forçou
foi entrando tudo de uma vez. O pau dele era bem fino e mesmo assim senti abrir meu cu denovo, ele fodeu um pouco mas a cama fazia barulho, então ele parou
de foder, tirou o pau de dentro de mim e bateu uma punheta bem rapido. derrepente ele efiou o pau com força no meu cuzinho ja aberto e melado, antes de
enfiar tudo e senti ele gozando dentro de mim. ele esperou um pouco e tirou o pau de dentro de mim, fez sinal pra eu sentar na beira da cama e empurrou
meu peito me fazendo deitar, deixando as pernas pra fora. ele baixou mais a minha cueca e começou mexer no meu pinto, que naquela epoca tinha entre 11
e 12cm e era cabeçudinho. meu pinto ja tava todo meladinho e ele começou a chupalo. foi a primeira vez que alguem me chupou, era um misto de cosquinha
e prazer, com uns arrepios bem gostosos. eu entendi pq os caras gostavam tando de uma boa chupada. ele chupou tão gostoso que eu senti umas contraçoes,
agarrei o lençol e senti uns jatos saindo do meu pau, eu não sabia se era o meu meladinho ou se eu tinha soltado porra igual os caras grandes, mas foi
muito gostoso e, senti meu corpo amolecer quando meu pau parou de pulsar. depois disso ele foi pra outra cama, eu me ajeiteie dormi. no dia seguinte eu
tava cansado, andado meio estranho depois de ter sido comido por dois na mesma noite aos 11 anos. mas na hora do banho tive força pra bater uma gostosa
punheta lembrando dos dois e imaginando fazer com eles ao mesmo tempo [o que acabou acontecendo] quando senti qua ia gozar fiquei muito feliz, eu ja tava
soltando a minha porra, e foi minha porra que o carinha bebeu. era mais clarinha qua a porra dos caras mais velhos e em menor quantidade, mas era minha
porra e a primeira foi na boca de um cara que tinha me comido

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,67 de 3 votos)
Loading...