Sendo Transformada de Casada a Cadela

Autor

Segue mais um relato de outra experiência que tive. Neste a casada desejava Sr transformada em uma cadela. Se você á casada, noiva, namorada ou solteira e tem o mesmo desejo ou outro que não teve coragem de contar a ninguém ainda, me envie um e-mail: domrenatosc@hotmail.com Quem sabe podemos realizar.

Meu nome é Lygia(o nome é fictício, mas a história é real), tenho 35 anos, 1.62 e peso 59kg, pele morena, olhos verdes e cabelos cacheados. Estou com meu marido há 10 anos e mesmo considerando-o um esposo maravilhoso, não me sentia completa. Sempre senti que faltava algo na minha vida sexual… Aquela relação pacata não me satisfazia, sentia um desejo que me queimava por dentro e devido minha criação religiosa, sempre tive que suprimir esse desejo. Me sentia frustrada sexualmente, passei a tomar as iniciativas e conversei com meu marido sobre BDSM que sempre me excitou e me interessou, mas meu marido não aprovou minha conduta, continuamos com nossa vida baunilha e por um tempo deu certo, mas isso não é a minha essência… eu queria ser dominada. Nessa época me deliciava com leitura eróticas e elas me levaram até o meu real destino, Dom Renato, que por sua vez, me entendeu desde o início e soube antes mesmo de mim, do que eu realmente precisava, um dono, que me ensinasse a ser uma menina novamente, submissa e servil. Começamos a nos falar pelo Skype, e a cada mensagem meu corpo reagia, meu corpo já era dele. Durante o sexo com meu marido, eu sempre me tocava para ter orgasmo, mas os orgasmos não eram mais meus, eles pertenciam ao meu dono. A ordem dada por ele foi clara, não terá orgasmo sem o meu consentimento e não se tocará mais sem a minha permissão. Quase enlouqueci de tesão… ele me ligava e me mandava ir ao banheiro… fique só de calcinha, dizia ele… se toque para o seu macho, para seu senhor… quando estava quase explodindo em um orgasmo ele me mandava parar…. sentia meu corpo tremer de vontade de ser possuída pelo meu senhor. Na véspera do carnaval, meu dono disse que queria me usar quando o corno do meu marido estivesse em casa, fiquei com medo, ansiosa e excitada por essa situação. Conforme combinado, quando meu marido chegou do trabalho ele me mandou para o banheiro e disse, hoje a cadelinha vai gozar para o dono, tire a roupa, ligue o vídeo no skype, quero ver você gozar. Nessa hora deu vontade de correr, nunca havia feito algo assim, e até então era uma esposa politicamente correta, mas não se descumpre uma ordem do seu senhor. Estava com fone de ouvido e sua voz firme em meu ouvido me fazia arrepiar. Enquanto eu me tocava, ele me xingava, me chamava de puta, vadia e cadela e eu me sentia de fato uma cadela no cio… goza pra mim sua putinha… eu vou te foder com força… enquanto a minha putinha ta satisfazendo a vontade do dono, o corno do seu marido está na sala… goza sua vadia.. goza para o seu dono… eu não me agüentava mais de tanto tesão, gozei como nunca havia gozado antes, estava tão molhada que escorria pela minha perna, meu dono ficou satisfeito por ter me usado e eu muito mais feliz por ser usada por ele.

E após tantas conversas pelo skype começamos a cogitar a possibilidade de ir ao encontro do meu Senhor. Euforia, medo e excitação tomaram conta de mim. Moro em Minas Gerais e meu Senhor em Santa Catarina e devido a distancia entre nós, não imaginei que um encontro seria possível. Essa idéia foi amadurecendo aos poucos e surgiu uma oportunidade imperdível, meu Senhor iria ficar alguns dias em Curitiba e eu devido ao trabalho teria como ficar toda a semana fora, sem levantar suspeitas em casa. Reservei o vôo para ir ao encontro do meu dono e nesse momento fui tomada por um sentimento de insegurança. O medo de não agradá-lo me dominou. Mesmo com tantas inseguranças algo me dizia que deveria ir ao seu encontro. Sempre fui muito organizada nas minhas atividades, com agendas e cronogramas para tudo, não saber como seria quando estivesse com meu dono era diferente, mas o dono sempre sabe como acalmar sua cadelinha, e com uma palavra descreveu como seria: Perfeito! Não precisava dizer mais nada… O grande dia chegou, na sala de embarque sentia minhas mãos geladas, meu senhor me acompanhou em todo o caminho através de msgs via skype, meus pensamentos estavam a mil, fiquei muito nervosa… O vôo chegou, peguei minha mala e fui em direção à sala de desembarque, meu Senhor estaria ali a minha espera, ele já sabia como eu estaria vestida, calça preta e branca, blusa e sapatos pretos e casaco bege, e é claro, sob sua orientação, usando a menor calcinha que tivesse e totalmente depilada… A cada passo sentia meu coração pulsar acelerado… Cheguei à porta e o vi, de pé, ao lado de uma pilastra do aeroporto, camisa social e casaco, lindo… Percebi que ele era bem mais alto do que eu imaginava. Tentei me acalmar, mas não consegui, me aproximando dele, recebi um beijo no rosto, fiquei completamente sem reação, não sabia o que dizer nem como me comportar… Então ele tomou em suas mãos minha bagagem, perguntou sobre como foi a viagem e assim formos caminhando até seu carro, no caminho para o hotel que ele havia reservado para nos dois, me perguntou se ainda estava nervosa, e claro que a minha resposta foi positiva, estava super nervosa, sentia minha voz tremula… Entrando no quarto, meu senhor tirou o paletó e deixando-o de lado me chamou para perto dele, era instintivo fazer o que ele dizia, seu tom de voz era baixo, como quando alguém quer falar algo só para você ouvir, firme e macia, seus lábios são lindos e fiquei vidrada neles… de pé a minha frente ele me tocou no rosto com uma das mãos… em silêncio, depois com os dedos fez um leve carinho, meu rosto estava na altura do seu peito, ele alto e eu baixinha a sua frente… Ele segurou meu rosto voltado para o dele, e me disse: Não faremos nada que não você não queira este não é um encontro sexual e você sabe disso, o sexo existe e eu gosto dele, mas você está aqui para me servir; neste tom ele me deu a palavra de segurança e me perguntou: você entendeu? Eu só consegui sinalizar positivamente com a cabeça… Nessa altura, estava inebriada com seu cheiro, o toque macio de suas mãos, o som da sua voz e o movimento de seus lábios. Com um leve toque fechou meus olhos, senti sua respiração perto do meu rosto e isso me fez minha bocetinha latejar, estava molhada apenas com a presença do meu senhor; senti sua boca se aproximando da minha e seu beijo foi dado do dado esquerdo, depois outro beijo do lado direito da boca e eu estava com tesão naquela boca deliciosa, acho que meu dono percebeu isso e decidiu me deixar na vontade… Se afastando de mim ele disse, tire a roupa; confesso que fiquei paralisada por alguns segundos, ele de costas para mim caminhando em direção ao outro lado do quarto e eu ali parada… Com um turbilhão de emoções e pensamentos, fechei os olhos, respirei fundo e comecei a me despir… Nesse momento meu senhor já estava voltando e se sentou em uma cadeira a minha frente, abriu uma cerveja e eu fiquei sem saber como agir… Seu olhar me intimidava, tirei a calça, tirei camiseta e então, ali estava eu, só de calcinha, minúscula como ele havia ordenado. Com leves toques ele me orientava sobre o que deveria fazer, para onde deveria me virar, de costas senti meu senhor ajustando a calcinha ao meu corpo, depois com as mãos no meu quadril me virou de frente para ele, segurou firme minhas mãos e percebi que deveria me ajoelhar a sua frente, me arrepiava a cada toque, me dava vontade de me jogar em seus braços, mas sua postura não me permitia agir dessa forma, eu era sua cadelinha e como tal queria a aprovação do dono. Meu Senhor me ensinou como ser uma cadelinha, mas antes ele tirou minha calcinha, seguindo-o, caminhei como uma cadela atrás de seu dono e escutar que eu fui uma cadelinha perfeita foram excelentes. Meu dono pediu para que tirasse seus sapatos e meias e eu tirei… Mandou-me beijar seus pés, inicialmente ele levou seus pés até minha boca e foi afastando devagarzinho até que eu estivesse de quatro com a cabeça abaixada beijando-os, foi super prazeroso, beijei cada pedacinho dele, passei a língua suavemente em cada dedo do meu senhor, passei meu rosto em seus pés como um carinho e isso foi extremamente excitante. Ele tirou sua calça e eu fui subindo meus beijos por sua perna… Ele me permitiu que o chupasse e foi incrível, colocava todo o seu pau em minha boca, ele me puxava pelo cabelo às vezes, me impedindo de chupá-lo, na seqüência forçada todo o seu pau na minha boca quase que me sufocando, a excitação tomava conta de mim, lambi cada pedacinho do seu pau, passava a língua em sua volta, apertada seu pau em minha boca e meu dono adorou a forma que o chupei. Meu senhor ficava alguns instantes em silencio e aqueles instantes pareciam uma eternidade para mim, ele se virou e pegou no armário algumas cordas. Jogando as cordas no chão, me mandou buscar como uma cadelinha, eu ficava totalmente exposta quando fazia isso… Senti-me um pouco constrangida nesse momento. Com um gesto meu senhor me ordenou que fechasse as mãos de forma paralela, ele então pegou uma das cordas e amarrou em meu meus pulsos… Tudo isso em silencio, estava super ansiosa e com medo do que estava por vir… Nesse momento ele se aproximou me abraçou e me ergueu, eu estava de joelhos, sua boca passava muito próxima a minha e isso foi uma tortura… Até então ele não havia me beijado, segurando a corda ele me levou até o outro lado do quarto me prendeu de braços para cima, e em alguns segundos ele começou a bater na minha bunda. começou de forma leve e foi aumentando a força a cada tapa, me perguntando se eu conseguiria esconder as marcas no bumbum do meu marido durante a semana e quando eu disse que sim ele respondeu, ótimo, ele passou o dedo na entrada da minha bocetinha e estava super molhada…. A dor me excitava, me puxando pelo cabelo, castigando minha bunda com seus tapas ele sussurrava em meu ouvido… sua puta…sua vadia, cadelinha do dono… tá molhadinha… nesse momento recebi seu primeiro beijo e foi uma explosão de sensações…. Inexplicável! Me soltando, o segui como uma cadelinha no cio, deitei de bruços sobre seu colo e ele continuou a me castigar com seus tapas, mas agora eu teria que contar, me ensinou com tapas leves como faria, e caso que errasse voltaria do inicio, os tapas começaram leves, eram 10 tapas de casa lado, a cada a tapa a força aumentava, ele acariciava minha bunda e batia, terminando a contagem ele disse que teria mais 5 tapas de cada lado, porém agora eu deveria contar e dizer obrigada senhor…Esses foram cruéis, foram muito fortes e a cada tapa eu tinha que esperar um segundinho para conseguir falar. Ele abriu outra cerveja e encostou latinha gelada na minha bunda…ela estava pegando fogo. Mandou eu ir para cama e me imobilizou nela, a sensação foi de estar presa é a melhor que já tive, braços abertos e pernas amarradas de forma que não conseguia fechá-las, meu senhor me tocou com seus dedos, percebendo minha excitação foi enfiando dedo a dedo na minha boceta que estava pingando nessa altura….depois de muito me castigar dessa forma ele ficou brincando com seu pau na entradinha da minha boceta…isso foi cruel, eu precisava sentí-lo, precisava ser possuída por ele… ele puxou meu cabelo, me beijou de uma forma que eu nunca mais vou esquecer.. me deu vários tapas na cara e isso foi excitante demais… ali eu era sua propriedade, estava para lhe dar prazer e via em seus olhos que ele estava adorando me punir daquele jeito… eu era sua puta, sua cadela. Ele foi se afastando.. tentei segurar seu corpo com minhas pernas, mas a forma que elas estavam amarradas não me permitia fazer muita coisa, ele disse que ia parar e eu quase enlouqueci, implorei que não saísse, eu precisava sentir seu pau em mim, ele enfiou uma única vez e tirou, se levantou, eu sentia meu tesão na nuca…. minha boceta latejava….meu senhor pegou uma camisinha em suas mãos…parou do meu lado na cama com seu pau bem perto da minha boca… eu tentava chupá-lo mas não conseguia chegar até ele… colocando a camisinha, veio para cima de mim, me chupou e foi a melhor chupada que já levei… sentia sua língua no meu clitóris e seus dedos me possuindo… ele se posicionou entre minhas pernas e enfiou seu pau em mim… com força… por vezes me dava uns tapas na cara segurando meu cabelo e me fodendo com vontade… minha perna se soltou.. e enquanto ele metia seu pau em mim soltou um dos meus braços… consegui sentir seu gozo… uma explosão…. ele se deitou no canto da cama e disse para sua cadelinha ir ficar perto do dono…nessa hora percebi porque havia soltado uma das mãos, e deixado a outra presa, não tinha como chegar perto dele nesse momento, meu dono estava satisfeito em me ver daquele jeito e eu a cada minuto mais disposta a ser sua escrava e principalmente sua cadela.
O que estaria por vir seria melhor ainda. Mas contarei em uma outra oportunidade. Até lá.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(0 Votos)
Loading...