Sei que sou corno e adoro isso

06-11-17 Por 1 ★ 2.25

Eu sou Maurício Cristiano, 38 anos de idade, trabalho como apresentador de TV., numa cidade do interior, sou casado com a Fatinha, loirinha linda, 34 anos, olhos cor de mel, cabelos compridos, 1,66 alt, 62 kls.,corpo super legal, peitinho de médios para pequenos, bum bum durinho, não trabalha, ultimamente só fica no PC e no celular, além de dar uns rolê de automóvel pelas ruas da cidade.
Apresento um programa na parte da tarde, das 15h00 âs 18h00, diariamente, menos aos sábado e domingos.
Certa época, há uns 10 meses atrás, comecei perceber que o tratamento do proprietário da TV, para comigo, mudou completamente, tive até aumento de salário contratual, onde troquei meu carro por um 0 km. Eu não percebia nada de anormal, e assim foi, por uns 6 meses. Num determinado dia a Companhia energia, telefonou na emissora e avisou, que por um problema de fortes chuvas, havia sido danificado um poste de energia elétrica e que, iria demorar, umas três horas para ser consertado, que com isso só teríamos energia elétrica, a partir das 17h30. Com isto, eu não tinha o que fazer. Num pensamento, como eu vinha sendo muito bem tratado pelo José Carlos de Almeida Jr, solteirão ( dono da Tv ), sendo que até nossa amizade melhorou muito, resolvi ir na chácara dele.
Chegando lá,qual não foi minha surpresa ao ver o José Carlos e a Fatinha, nadando nus na piscina. Eles estavam tão distraídos que nem perceberam minha chegada. Eu não me apresentei, fiquei onde estava só observando tudo. Avistei com o maior tesão do mundo, ele, trassar minha esposa dentro dágua mesmo. Fiquei muito exitado e bati uma bela de uma punheta. Depois eles saíram da piscina em sentaram-se os dois em só uma cadeira, ela no colo dele é lógico. Pelo jeito ele estava penetrando o cuzinho dela, porque mesmo um pouco distante eu ouvia os gemidinhos dela, estando ele alisando seus peitinhos. Fiquei vidrado ao ver ela mesmo se masturbando, feito doida numa siririca frenética e passados alguns minutos, percebi que os dois gozaram deliciosamente.
Ele a deitou de costas na toalha estendida sobre a grama, e caiu de boca naquela vagininha que eu achava que era só minha, mais que era dele também, e eu estava verdadeiramente gostando de ver e se sentir corno. Só uma coisa fiquei intrigado, meu pênis ela nunca havia chupado, me dizia que não gostava e naquele instante ela abocanhou o cacete dele e enfiou todinho na boca, os dois num 69 alucinante. Ele por baixo, ela por cima. Falo porque conheço, a Fatinha, quando goza enche uma xícara de esperma e os dois gozaram um na boca do outro e vi que se deliciaram, pois um engoliu o esperma do outro. Tornei não aguentar e chequei perto dois dois, que se espantaram quando me virão, mais não tomaram reação nenhuma pois, eu estava completamente pelado e batendo outra punheta, que quando gozei, urrei feito um touro. A Fatinha, ficou um tanto nervosa, mais eu acalmei-a num beijo em seu bum bum e propus ao José Carlos, pedindo a ele que nos deixasse pousar ali, que daquele dia em diante a Fatinha, seria minha e dele. Nos três nus, nos abraçamos e ele me disse que amava ela e, eu disse que amava também mais que daquele dia e diante ela seria minha e dele, que ele podia sair sozinho com ela ou eu junto também. Dito isto, ela nos disse que tinha uma fantasia há muito tempo, gostaria de ser penetrada por dois ao mesmo momento; um na buceta e outro no cuzinho. Meu pau após duas punhetas estava mole, mais o do José Carlos, estava duro como um ferro. Ela me fez umas carícias e após algum tempo o meu pênis endureceu também ( única coisa que o pau do amante dela era maior que o meu ), Ele José Carlos, foi até a sede da chácara, trouxe um punhado de preservativos e um tubo de KY, onde lubrificamos minha esposa bem lubrificadinha, eu penetrei a vagina depiladinha e o José Carlos, o cuzinho, ela se contorcia de dor e tesão e falava coisas sem nexo, só entendia ela dizer eu amo estes dois. No dia seguinte eu e a Fatinha, nós mudamos para a chácara e estamos vivendo a três. A cidade inteira sabe, que o dono da tv é amante de minha mulher, que eu sou corno, isto me deixa até lisonjeado e quase toda noite, presenteamos a Fatinha com sua fantasia sexual. É uma delícia, sempre 100% gozamos os três juntos, o esperma da Fatinha, eu faço questão de beber todinha enquanto ela engoli todinho o esperma do José Carlos. Estou sabendo que, vai haver uma mudança no contrato social da emissora de tv, que a Fatinha, também vai ser dona, partes iguais. Adoro ser corno, quero ser corno do José Carlos, a vida inteira. Fico vidrado quando assisto ele e ela praticando sexo, eu me contento com uma boa punheta, este é o nosso trato, sou proibido por ele de fazer sexo com ela, a não ser quando é para saciar a fantasia dela, daí unimos os três.
Mauricio Cristiano ( um corno super feliz )

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 2,25 de 4 votos)

Por

1 comentário

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos

  1. Tony Bahia

    Delicia. Meu sonho é ser Corno bem manso. [email protected]