Mulher aos 11 anos

Autor

Não vou dizer nomes pela nossa privacidade!

Tinha 11 anos ja com peitinhos, corpinho de adolescente era grande para a minha idade, mas td em mim estava em formação ainda, um dia acordei com dores fortes na bexiga, minha mãe levou no ginecologista super assustada pensou que fosse a menstruação que desceu. No hospital fui atendida por um homem moreno (negro), depois descobri que tinha 27 anos, mesmo uma criança sabia que era bem bonito, o médico mandou subir na marquesa, ainda perguntou na minha mãe se não queria estar presente por eu ser criança, mas ela disse que não que estava tudo bem, estávamos separados por uma cortina, fiquei nua da cintura para baixo, nem pêlos a minha xona tinha, o médico botou as luvas e começou a enfiar um dedo, foi super estranho, ja sabia algumas coisas sobre sexo, mas nunca havia ficado nua em frente de um homem. Ele começou a enfiar o dedo bem devagarzinho e falava para relaxar que estava td bem, mas por incrível que pareça comecei a ter uma sensação que foi ficando cada vez mais agradável, era algo novo e inexplicável, o tlm da minha mãe tocou, ela teve que sair da sala para falar, o médico tirou o dedo e as luvas e voltou a enfiar na minha xoninha que estava molhadinha, logo a seguir começou a bombar e passando para o meu lado esquerdo com a outra mão subiu a minha blusinha começou a mamar os meus peitos, aqla sensação estava a ficar cada vez mais agradável, a xona cada vez mais molhada, minha mãe voltou, mas ele ainda assim continuou, minutos depois tirou o dedo e disse; Bom, deve fazer uma ecografia, e voltar pra semana. Estava tonta com tudo que aconteceu. 4 dias depois voltei e ele fez tudo de novo, e assim foi por 2 meses, ele arranjava sempre desculpa, eu voltava e cada vez estava mais bom, ele me beijava, enfiava os dedos e chupava minha xona, me ensinou a chupar o pau dele!

Naquele dia, depois do habitual ainda estava na marquesa, qndo ele tirou o pau e comecei a chupar, ele mexia no meu cabelo e depois voltou a por o dedo na xoninha, até gozar na minha boca, cuspi a porra dele na mão, ainda não conseguia engolir, com uma seringa ele tirava a porra e botava na minha xona e disse, bom assim ficas com a minha porra dentro de ti, sai da marquesa enquanto vestia ele limpava o pau qndo toquei e disse que era bastante bom, ele olhou para mim de forma diferente e perguntou se não queria que botasse na xoninha, respondi que era grande e grosso, mas que podíamos tentar, então marcamos para um dia fora do hospital, enquanto acabava de vestir o pau voltou a ficar duro como a rocha, eu assahadinha botei na boca, naqle momento ele pegou nos meus braços e abriu uma porta onde tinha um WC muito pequeno, ele me fez sentar na bancada e enfiou um dedo na xona e disse: minha pequena sempre pronta, xoninha de menina mas com apetite de mulher, vou tirar o cabacinho e comer gostoso. Depois botou a cabecinha na entrada da xona e foi enfiando, sentia dor, mas também estava gostoso, ele dizia palavras bonitas no meu ouvindo, e brincava com o clitóris, segundos depois estava totalmente dentro e começou o vai e vem, estava mesmo bom! Sobre a bancada ele tirou meu cabacinho e me comeu gostoso e gozou dentro de mim, nos beijamos, com as pernas trémulas ele estendeu uma manta e mandou descancar, estava assustada, sabia que não podia ser normal uma menina de 11 anos perder o cabacinho e ainda gostar tanto! Fiquei na casa de banho até ele acabar de consultar e fui para casa, voltava sempre no hospital para ser comida, até o dia que ele falou para irmos no AP dele, o prédio era super movimentado era muito difícil entrar e sair sem ser vista, então ele alugou uma pequena casa com quintal, aí ficou mais fácil, entrava e saía no carro dele. No dia da mudanca enquanto ajudava arrumar estava de saia curtinha, e morria de desejo estava a 3 dias sem dar, ele olhou para mim e disse: se comecar nao vamos cnseguir acabar, fiquei decepcionada é q queria msm, segundos depois ele pegou levou na cama e me comeu ai, gemia que nem maluca, porque tinha sido tudo tao rápido mas ao mesmo tempo gostoso, fiquei tonta, ele me disse: bom já foste comida vamos trabalhar. Perguntei e tentei informar se era normal gostar tanto de fuder com apenas com 11/12 anos porque vou vos dizer eu era bem viciada, mas ele como ginecologista, disse que era normal já que tínhamos bastante química, fazíamos filmes e tiravamos bastante fotos, ele me fez crescer, ainda bem pq só tínhamos 16 anos de diferença. Uma vez com 13 anos, enquanto minha mãe estava com namorado dela ele enviou uma foto do pau duro e disse vê como ele está, como estava no hospital lhe disse para ir lá em casa, ele foi estava quase a ser apanhada, qndo entrou pelas janelas, minha cama era pequena por isso deitamos no chão, foi a primeira vez que fui comida até adormecer, qndo acordei estava nua na minha cama com a xona cheia de porra dele, tinha sido tão bem comida daquele dia, estava fraquinha mas bastante saciada. Com 14 anos minha menstruação desceu, comecei a tomar pílula, para transar sem preocupações. Com 15 anos já era uma mulher (acho que fiquei aos 11anos), li nos livros que a tesao diminuía com o tempo, mas a nossa permanecia, começamos a transar em vários sítios, cinema, praia, riacho, era muito gostoso! Quando fizemos 5 anos fomos passar final de semana numa casa do amigo dele, aí ficamos como um casal já que ninguém nos conhecia fizemos muitas coisas maravilhosas. Com 18 anos apresentei na minha mãe que quase teve um enfarte quando lhe disse que ele começou a me comer naquela primeira consulta! Hoje tenho 20 anos e estou a viver com ele, como marido e mulher!

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,80 de 5 votos)
Loading...