Banho no meu menino 2

Autor

Continuando…
Eu olho pra ele, penso em tudo que aconteceu e ainda estou confuso, como posso ter gostado tanto disso, ele é meu filho é uma criança e ainda assim gostei tanto, digo que vamos ver o que fazer depois mas reforço que não deve contar a ninguém, ele ainda peladinhos pula em mim me beijando a bochecha de concordando em manter segredo.
Por fim ele deita e diz apenas assim
-Pai você pode colocar a boca no meu pipi de novo. E sorri com carinha de safado.
– Outra hora filho, vamos jantar que é melhor!
Meu menino se veste e vamos pra cozinha , aqueço a comida afinal já são 21hrs, estamos atrasados por causa da brincadeira no banheiro, terminas de comer a vamos pra sala assistir alguma coisa, Bruno escolhe um desenho e deita a cabeça no meu colo pra assistir, faço um cafuné nele que já está entretido com o filme, eu por outro lado não paro de pensar no que fiz e em como tudo isso pode me afetar e a ele também, se alguém souber, logo meus pensamentos deixam de ser nas consequências e se voltam ao quanto aquilo foi bom, ainda passando a mão em seus cabelos começo a me excitar novamente, é meu pau duro cutuca a bochecha de Bruno que me olha perguntando se estou de pipi duro, digo que sim e ele deixa o filme de lado e abre o zíper da minha bermuda, abaixa minha cueca o suficiente pra deixar o pau escapar, ele começa a punheta, fecho os olhos e descido aproveitar cada toque e depois pensar nas consequências.
Depois de uns cinco minutos me masturbando Bruno me pergunta se estou dormindo, digo que não, ele me olha como quem quer dizer algo mas está em dúvida se pode, digo pra que ele fale o que está pensando. Em toda sua inocência e delicadeza mas ainda com meu pau na mão ele pergunta – Eu também posso por seu pipi na minha boca? – Nem pensei, disse que siim.
Radiante ele segura firme meu pau e vem chegando perto lentamente, quando sua boca tocou me pinto vi estrelas, a melhor sensação da minha vida, todo desajeitado, o pau grande demais pra sua boquinha de menino, quente e molhada, nem precisei pedir e ele começa a sugar, coloca apenas a cabeça do pau na boca, é tudo que cabe ali, tive muitas transas na minha vida mas nenhuma se iguala a essa, me filho sete anos e meu pau em sua coca, coloco minha mãe em minha cabeça e começo a ditar o ritmo e tento por um pouco mais em sua boca, passo a mão em suas costas, tiro sua camiseta e sinto seu corpo, todo lisinho, sem pelos, tão macio quanto um lençol, seus cabelos começando a grudar no rosto com o suor por conta do esforço em chupar todo meu pau, sinto que estou pra gozar, com muito esforço me seguro e o afasto, coloco ele sentado no meu colo se frente pra mim, olho nos olhos dele e depois dou um selinho, ele retribui e os beijos começam a ficar mais demorados, abro caminho em sua boquinha com minha língua, já não estou mais ligando pra nada quero apenas sentir tudo aquilo com meu filho, ele ri por eu colocar a linha em sua boca mas loco retribui colocando a sua pra eu chupar também ainda o beijando passo as mãos por todo seu corpo, um corpinho tão pequeno, tão frágil e tão entregue a mim, cada toque libera uma descarga de energia em mim.
Beijo seu pescoço e preciso me conter pra não deixar marcas, sua pele é tão macia, e já fica toda vermelha pelo contato com minha barba, coloco ele deitado no sofá e o beijo, desde a boca, vou descendo, beijando e lambendo cada centímetro dele, abaixo seu shorts, levanto um pouco e olho pra ele, todo branquinho de cuequinha azul do Bob Esponja, volto pra ele, agora beijando seus pés, subindo por suas perninhas, desço sua cueca e a cheiro, cheirinho de menino, olho pra ele agora peladinho e volto a beijar seu corpo ele sorri o tempo todo e gargalha quando sente cocegas, o beijo de língua novamente e vou para seu pintinho, eu nunca tive experiências gays, nem na infância como vejo vários relatos aqui, mas chupar seu pauzinho é indescritível, nunca provei algo tão bom, talvez a chupada do meu filho se iguale.
Coloco suas pernas nos meus ombros e continuo com seu pau na boca, minhas mãos percorrem seu corpo todo e ele suspira e solta pequenos gemidos, sinto que ele está próximo de gozar pois começa a se contorcer, afasto a pelinha do seu pipi e passo a língua bem na cabecinha rosada, ele fica louco, volto a chupar tudo e espero ele amolecer eu meus braços, o que não demora a acontecer, ele relaxa no sofá mas eu ainda estou totalmente duro e precisando gozar, chamo sua atenção pro meu pau, mostro que ainda estou bem firme e digo a ele – Você podia ajudar o papai neh.
Ele diz que ajuda sim mas que não sabe como. -E só colocar o pau do pai na boca até sair leitinho. -digo a ele.
Ele pergunta como vai sair leite se não é mamadeira? Explico que só de chupar bem gostoso sai leite do pipi. E ele chupa, faz o seu melhor, e eu delito com sua boquinha ali, sinto meu pau inchar em sua boquinha e sei q vou gozar a qualquer momento, eu o afasto na hora certa mas não a tempo suficiente, gozo forte e sujo todo seu rosto, ainda estou gemendo com a gizada incrível, estava com aquilo acumulado desde o banho com meu filho que agora está ali olhando pra mim com a cara toda suja de porra. Meu esperma escorrendo por ele todo, um de seus olhos está fechado e quando a porra escorre até sua boca ele põe a língua pra fora e a prova, Deus que tesão velo provar minha gala. Ele está assustado e eu tenho que tranquilizar ele de que é normal e que ele não precisa ficar nervoso, vamos até o banheiro e eu o limpo, quando tiro a porra de seu rosto não resisto e provo meu próprio sêmen, não é ruim apenas um sabor novo e desconhecido.
Término de limpar meu filho, nos vestimos e vamos pro quarto com ele no meu colo, sentamos lado a lado na cama e digo a ele que gostei muito e ele diz:- Eu também pai, e não vou contar pra ninguém prometo. Digo a ele que eu sou adulto e que se alguém descobrir nossa brincadeira não vão mais deixar que eu chegue perto dele, digo que o amo muito e não quero viver sem ele. Ele concorda, diz que me ama e me abraça, diz que não vai falar nada mas que quer brincar mais pois foi gostoso.
Vamos brincar sempre que você quiser meu amor, desde que a mamãe não esteja aqui viu.-digo a ele.
Nós beijamos, selinhos como é de costume e deitamos os dois na minha cama mesmo, ligo a tv do quarto, ele se acomoda com a cabeça no meu peito e eu minutos está dormindo.
Eu o olho e sinto que todo o amor enorme que sinto por ele tivesse aumentado muito nas últimas horas. Amo Bruno meu filho, meu menino, meu amante.

Ate a próxima gente, desculpe os erros, comentem e espero que gostem.
Um beijo pra quem quiser.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 5,00 de 5 votos)
Loading...