Aconteceu (Parte 2) (Memórias verídicas)

Autor

Por dias não comentamos nada… Nossa madrasta já distante, ficou muito mais. Mas, também não se mostrou mais agressiva. Não deixava Tina sozinha com ela e, estava disposto a enfrentá-la pela segurança da minha irmã. Ela havia passado dos limites e, mesmo criança percebi que minha irmãzinha estava em risco. E ela percebeu que eu não deixava as 2 sozinhas.
Nossa madrasta começou a ficar mais tempo ausente. Os plantões se multiplicaram e ela chegava a passar3 dias fora.
Até que um dia ela nos chamou para conversar e, disse que estava aguardando terminar o ano para nos enviar para o sítio de uns tios ( família do meu pai ), que se dispuseram a criar a gente. Eles já tinham idade avançada mas não tiveram filhos. Ficamos contentes com a notícia apesar de não demonstrarmos para não despertar o demônio. Já haviamos ficado algumas férias no sítio com esses tios. Nos tratavam muito bem e o lugar era lindo.
Alguns dias depois do ocorrido….
Plantão da nossa madrasta.
Tina assistia Tv sentada na poltrona. Sentei-me no chão a seus pés…
Ela abriu espaço com as pernas, esperou eu me ajeitar e colocou as pernas sobre meus ombros. Começou a fazer carinho na minha cabeça. E, eu correspondi, alisando seus pés e batata da perna. Senti de imediato meu pênis reagir…
Inclinei a cabeça para trás e fitei seu rosto meigo.
– Vamos? ( Falei )
-O que? ( sussurou….)
-Brincar…
Ela fez um sim com a cabeça. Levantei rapidamente e apontei para nosso quarto.
Ao passarmos pela porta da sala, ela desviou e fechou a porta com tranca ( caso a megera voltasse, apesar de ter a chave não teria como entrar ).
Enquanto eu acendia as luzes, ela sentou-se encolhida na cama. Sentei-me a seu lado. Apróximei minha face da dela. Ela correspondeu. Logo me envolveu com seus braços. Após alguns beijos, ela afastava o rosto e me fitava. Ela foi conduzindo…Me ensinou primeiro a beijar de boca aberta, depois, a usar a lingua. Depois de muito beijar, ela se levantou e tirou rapidamente toda sua roupa e ficou me olhando. Fiz o mesmo. Meu pequeno pau estava duríssimo. E roxinho. Eu meio desajeitadamente, abracei-a. Ela correspondeu. E, voltamos a nos beijar. Deitamos na cama sem parar os beijos. Perguntei:
-Posso ver? ( e apontei para sua bucetinha )
Ela afastou o corpo e abriu as pernas. Estava em êxtase e paralisado com a visão.
-Pode mexer ( ela sussurou….)
Toquei de leve com o dedo indicador. Da abertura dos seus grandes lábios, escorria uma seiva incolor. Ao tocar a abertura, ela suspirou e encolheu o corpo. Continuei minha exploiração tímida. Resolvi afastar os grandes lábios. Com medo de machucar, abri só um pouco, quase nada vi. Só facilitou a saída do líquido incolor. Ela me ajudou e arreganhou abrindo também o máximo suas pernas. Pude ver o interior, o pequeno canal. Nunca havia visto outra ao vivo, então não tinha muito critério. Estava hipnotizado.
Depois de algum tempo ela falou:
– Coloca
– O que? ( eu bobo…)
– Seu pinto…
Pela falta de experiência, não conseguia acertar. Ela se posicionou, e dirigiu meu pênis à sua bucetinha. Nunca vou esquecer a sensação dele entrando. Da primeira vez, foi tudo meio confuso, não consegui curtir muito. Mas, agora…. Intuitivamente comecei os movimentos de vai e vem. Eu gemia, ela gemia…..Lembro que tive meu primeiro orgasmo muito rapido. Ela passou as pernas na minha nádega e não deixou eu me afastar. Ficamos assim algum tempo… Meu pauzinho continuava duro. Ela recomeçou os movimentos. Desta vez, demorou muito mais e terminei gozando meis uma vez….Deitados lado a lado, ela segurou meu penis, enquanto se tocava de olhos fechados. Depois de algum tempo, ela começou a gemer e fechou as coxas ao redor da sua mão. Levantou o quadril e ficou assim, alguns segundos. Só assim, parou de mexer no meu pau. Levantou-se e foi ao banheiro.
Logo, recomeçou. Cobria e descobria a cabeça do meu pau sujo com uma espuma quase incolor, num gesto mecânico, não erótico.
-Tina,
-Hum
-Posso perguntar uma coisa?
– Não…( hahaha)
– Você já tinha feito essas coisas?
– Silêncio….
-Fala…..
– Não…
-Não acredito…
– Tá bom, não acredite….
– Diz vai…
– Prometi não dizer….
– Pensei que a gente não tivesse segredos
– Esse não posso contar…
-Por que?
– prometi
– Então só me diz a primeira letra do nome
– Silêncio….
– Diz, só uma letra…
– Ok, P
– P?
-Fui falando todos os nomes com P que faziam parte do nosso cotidiano…… Nada
– Ah, não sei. acho que você está mentindo…..Não é com P.
– É sim, com cara de safada….
– O porteiro?
– Não….
Ah, então não sei…..
Meu pau voltou a ficar duro…. Sem se importar que estivesse sujo, começou a chupar e lamber….
Desta vez não cheguei a gozar. Ele foi amolecendo pois já estava como na primeira vez bastante sensível.

– Pai……( falou )
– O que?
– Não queria saber com que fazia? O pai….

Continua…….( Se está gostando e quiser saber a continuação deixe um comentário. Obrigado )

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,00 de 1 votos)
Loading...