Minha enteada me seduziu

Autor

Olá me chamo Pedro, tenho 32 anos e atualmente moro em Curitiba, trabalho como analista fiscal em uma empresa multicional, minha vida sempre foi tranquila, nunca tive um relacionamento sério duradouro, tive as minhas namoradas mas nunca me envolvi com uma mulher verdadeiramente, até conhecer Julia, na época eu tinha 25 anos e ela 39 anos, ela era linda, branca malhada, cabelos negros até a cintura, trabalhadora, nos conhecemos em uma festa de amigos em comum, logo de cara me apaixonei por ela , pela a sua história de vida, pelas as suas conquistas, mãe solteira quando tinha 19 anos, criou a sua filha sozinha, conversamos e marcamos para nos encontrarmos, foram vários encontros, beijos e amassos, até que enfim transamos, e para ser sincero ela foi a melhor transa na minha vida, depois de tantos encontros ela decidiu me apresentar a sua filha, Gabi que na época estava com 18 anos, gabi era linda demais, cabelos castanhos claros, olhos esverdeados, vivia na academia, fazia faculdade de direito estava no terceiro período, tinha um corpo de menina de 16 anos, muito educada quando nos apresentamos, mas depois de alguns dias de convívio percebi que ela e a sua mãe viviam nas brigas, discutiam por qual quer coisa, nunca me envolvi e ou julguei as vezes concordava com a Gabi outra com a Júlia, a menina culpava a mãe por não lhe contar quem era o seu pai, no fundo eu também gostaria de saber, tinha a desconfiança que era algum homem casado, mas nunca perguntei, toda as vezes que chegava das minhas viagem do trabalho sempre ia direto para a casa delas, e foi nessa minha chegada que começa o início da minha aventura e a minha perdição, quando cheguei toquei a campainha quem abriu foi Gabi, loco de cara percebi os seus olhos cheios de lágrimas, fui perguntando o que havia acontecido e com muito custo ela foi me falando, que brigara com a mãe e descobriu que era o seu pai, na hora não perguntei quem era, mas ao olhar aquela mocinha triste, me comoveu, e nem percebi como ela estava vestida, trajava um babydoor rosinha bem curtinho, com certeza não usava nada por baixo, pude ver o entorno dos seu seios, um bico minúsculo que quase furava, na parte de baixo era também bem curto que quando sentamos subiu e mesmo sem querer não puder olhar o estufado da sua bucetinha, que dividia a sua xaninha, tentei me controlar para não ficar de pau duro, a abracei dei os conselhos que achava que devia dar, mas ao sentir os seus seios duros junto ao meu corpo, não consegui me conter pensei várias coisas, ficamos alguns minutos abraçados, eu acariciando os seus cabelo, com a sua cabeça encostada no meu peito, um certo momento ao abraçar la meu braço encostou nos seus seios, ela não falou nada nesse momento meu pau já estava igual uma rocha, falei algumas palavras bonitas, ela agradeceu levantou na minha frente, e não percebeu que o babydoor estava gravadinho na bunda, tava uma banda toda dela, ela andou meio metro e puxou tirando o que estava dentro da bunda deu uma olhada para mim, que não conseguia mudar a direção da minha visão, e o volume que se formava na minha calça, não sei se ela percebeu, mas a minha consciência já havia sido perdido, e o desejo insano dominou os meus instintos, sabia que dentro de mim estava um conflito de desejos e emoções, e o remorso de poder esta cometendo uma traição, depois de longos minutos de concentração pude me acalmar, depois quando chegou Julia, fiquei mais tranquilo, ela nem comentou o fato ocorrido com a filha, mas também não perguntei, mas o clima entre as duas estava evidente, e para piorar Julia foi viajar a trabalho, por dois dias, e ela me pediu para ficar na casa dela junto com a Gabi, me senti desconfortável com a situação, mas ela conseguiu me convencer, a levei para o aeroporto e nada dela me contar a briga que teve com a Gabi, na volta quando cheguei em casa Gabi estava acabando de preparar o almoço, almoçamos depois ela me pediu para levar lá ao shopping e depois deixar lá na faculdade, fiz como o pedido por volta das 19 horas ela me liga pedindo para buscar lá, peguei o carro da sua mãe e fui, no caminho ela me agradece pelo o papo e o carinho que tive com ela sobre o assunto, e que a sua tinha sorte de me ter como companheiro, apenas ri e agradeci por ela me considerar, falamos um poucos sobre outros assuntos, ela me contou que estava namorando um cara safado que a traiu, e que eles terminaram alguns dias, que ele só queria saber de sexo, ela me contando essas coisas, fui percebendo como ela era carente de conversas, descobri que ela gostava de sexo, sempre respeitoso fui orientando a, sempre aconselhando, ela ria e brincava me dizendo se eu fosse mais novo que roubaria da mãe, rimos bastante nesses momentos eu sempre a elogiava, ela gostava de ser elogiada, numa dessas eu brinquei falando que devia ter um monte de um babando por ela, pois tinha um corpo bem bonito, foi quando ela me surpreendeu e me disse:
– Eu sei que os homens ficam babando por mim, igual ao dia que conversamos na sala e você ficou olhando para a minha bunda né? Nunca imaginei que ela falaria aquelas coisas. então respondi sem pudor algum:
– Como eu não ficaria? Você é toda assim… Ela riu, não se importando com o caminho que aquele papo estava seguindo, nessa hora o meu pau estava duro feito uma arvore, rimos bastante, mas o assunto acabou porque chegamos em casa, ela guardou as coisas dela, preparou um lanche, conversamos depois de algumas horas eu estava na sala assistindo o futebol ela chega com o mesmo babydoor, e senta ao meu lado, me assustei com a sua presença e brinquei:
– Desse jeito não vou prestar atenção no jogo! Ela riu, ela se ajeitou no sofá, do meu lado, colocando uma perna em cima do poltrona e pintava as unhas dos pés, dessa forma podia ver o estufadinho da sua bucetinha, ela ali pintando sem se importar e eu admirando aquela paisagem de pau duro, alguns momentos eu apertava por cima da minha bermuda claro sem ela perceber, depois ela trocou de perna e ali nem prestava atenção no jogo, eu sabia de uma coisa, ia me acabar na punheta, depois de alguns minutos ela acabou, se arrumou e me olhou com uma cara de safada rindo mostrando as unhas perguntando se havia ficado bonito, apenas disse que estava perfeito tudo e nem pude perceber que deixava amostra o volume na bermuda e ela tinha visto, ela je arrumou e deitou com a cabeça no colo, eu fazendo cafuné, podia ver quase todo o contorno dos seus seios, ela ali assistindo o jogo e eu olhando os peitos delas, deve um momento que eu fazia carinho na nuca ela arrepiada, fazia uma massagem nos ombros com as duas mãos ela se ajeitava para que as minhas mãos pudessem tocar a extensão do seu pescoço, até que ela levantou e ficou na minha frente, ai comecei a massagear os ombros, as costas, até a cintura, sem nos falarmos nenhuma palavra, apertava em alguns pontes fortes, ela se contraía, pensei comigo, já que estou aqui vou ter que aproveitar, nessa massagem aproveitava para me aproxima do corpo dela, chegando encostar o meu corpo nas costas dela, minhas mãos se aproximava dos seus seios, ela em silêncio, nessa hora não me importava com mais nada, meu pau duro na bermuda, meus pensamentos doido naquele corpo, a cada movimento me aproximava dos seus peitos, até que finalmente alcancei e pude sentir a firmeza, apalpava com força, aproveitando toda a dimensão que podia, apertava o biquinho e girava, ela apenas se contorcia, já havia nos dominado aquele sentimento incestuoso, era delicioso sentir los, ela se mexia mais rápido a cada apertada, nessa hora com umas das mãos fui em direção a sua buceta, fui enviando por dentro do seu babydoor sentindo os pelinhos, quando finalmente cheguei na xana ela prendeu com as pernas a minha mão pois o meu dedo já se encontrava no meio do seu grelinho,continua mexendo ele, até que ela abriu as pernas deixando que a mão pudesse finalmente massagear toda aquela delicia, fiquei siriricando ela por alguns minutos, com uma mão nos peitos e outro na buceta ela já se delirava nos meus dedos, nesse momento ela já gemia abaixo, ouvindo aquilo só me fez aumentar a velocidade dos movimentos, quando ela tomou a iniciativa e levou a sua mão para atrás e segurou no meu pau por cima da bermuda, aquilo me deixou maluco, acabei virando de frente para ela e comecei a beijar, um beijo delicioso peguei a pela a cintura e coloquei no meu colo de frente para mim, ela jogou as suas pernas para atrás fazendo o encaixe perfeito, pude sentir a sua buceta no meu pau, que mesmo por cima da bermuda me deixava louco, nos beijamos calorosamente, só deu tempo para baixar um pouco a bermuda e ela nem tirou o babydoor, jogou um pouco para o lado, segurou a minha pica com a mão encaminhou até a sua xaninha que estava estava molhada, meu pau entrou com uma facilidade naquela buceta, ela subia e descia bem devagar, podia perceber nos seus olhos que ela estava adorando a minha pica, depois começou a rebola subir descer com força, segurava na minha cabeça e puxava de encontro com os seus seios, que estavam todos de fora, chupava gostoso, me dividia entre eles, e ela metendo gostoso, rebolando com um dedo fui até a sua bunda e comecei a enfiar, parecia que ela adorava pois a cada centímetro dentro ela aumentava as estocadas, em um movimento rápido tirei ela de cima coloquei ela de quatro acabei de tirar toda a roupa, melequei o mau pau com o liquido que saia da sua buceta e enfiei com força, segurava a sua cintura e metia com força, puxava os seus cabelos, aproveitava cada momento, em um certo momento encaixei o meu pau na portinha da sua bunda e fui enfiando devagar ela apenas se contorcia e gemia, fui metendo bem devagar ela sussurrava, reclamava, mas não parava de se mexer, quando finalmente o pau entrou todo, me senti realizado, estoquei vária vezes na bunda dela, não importava mais com nada, metia com força e sem piedade, a chamava de puta, de gostosa e ela apenas gemia e acompanhava com os movimentos as minhas metidas, ela até que começou a gritar e me dizer que estava gozando, pedindo para aumentar as minhas estocadas aquilo foi me deixando louco, nesse momento não me aguentava de tesão, já não consegui me controlar de desejo, quando ela começou a se contorcer toda e gemer com força, aquilo me deixou maluco quando falava que tava gozando gostoso, não aguentei e gozei feito um animal puxando o seu cabelo, nem me importei com nada, jorrava de porra naquela bunda deliciosa, depois de tantos esparmos fui ficando cansado com as pernas bambas, deixei o meu pau amolecer, fui me recompondo, deitamos no chão, sem nos falarmos uma palavra, ficamos em silêncio aquela sensação deliciosa que é depois de uma boa metida, se nos olhamos duas vezes foi muito, podia ver nos seus olhos a satisfação e prazer, depois me levantei fui a cozinha quando voltei ela já não estava, fui para o meu quarto pensativo, avaliando tudo que havia acontecido, me culpado pelo o erro que cometi, sabia que a minha consciência me julgava me sentia uma pessoa suja, mas não podia negar que o desejo carnal foi o que me levou a agir daquela forma, adormeci e acordei no outro dia cedo, desci e fui na cozinha lá estava Gabi preparando o café, me aproximei dei apenas um beijo no seu rosto, olhei para ela que agia como se não tivesse nada acontecido, quando fui falar com ela, ela colocou um dedo na minha boca, balançou a cabeça negativamente e me disse para não comentar nada, fiquei em silêncio por alguns minutos, e sai, agimos como se não tivesse acontecido nada, mas sabíamos que cedo ou tarde não controlaríamos os nossos desejos, durante dois anos vivemos com essa angústia, até que me separei de Júlia por causa de uma traição dela com o seu chefe, se ela ficou sabendo do ocorrido com a Gabi não sei, mas tivemos mais alguns encontros depois da minha separação, até que ela encontrou um namorado e casou, e eu me envolvi com outras pessoas mais nunca esqueci da Gabi. Espero que tenham gostado.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 2,00 de 1 votos)
Loading...