Comi os seis – 1

28-10-17 Por 2 ★ 4.67

Estava tirando uns dias de descanso no meu sitio, e meu pai que mora lá aproveitou para ir visitar o meu irmão que mora numa cidade um pouco distante dali, assim fiquei sózinho.
Um dia recebo a visita da professora da escola do local, veio me pedir se podia levar os alunos ela para acamparem perto do rio que passava no fundo das minhas terras, iam passar o fim de semana, é claro que deixei, e ela me convidou para ir junto e ficar responsável pelos meninos, aceitei. Eram 7 meninas e 5 meninos todos na faixa de 11 a 12 anos, combinamos que iriamos de carroça de bois, um peão nos levaria lá, voltaria com a carroça e domingo á tarde nos buscaria. No sábado de manhã colocamos todas as coisas na carroça e se fomos, a gurizada ia feliz, um pouco na carroça, um pouco iam a pé. Chegando, fomos montar as barracas, montamos uma maior para a professora e as meninas, montei uma outra para os meninos, e uma pequena para mim. Fizemos almôço, demos um tempo e uns foram pescar e outro tomar banho no rio, eu fui tomar banho com os guris, e notei que o maiorzinho deles, um moreninho magrinho, com uma carinha linda de danado, seguido se aproximava de mim, e fazia que se desequilibrava e batia sempre no meu pau, e eu vi que os outros riam, e eu comecei a desconfiar. A noite jantamos, conversamos um pouco, contamos estórias, fomos dormir, a professora foi para a barraca com as meninas, eu ajeitei os meninos na barraca deles e fui para a minha, passou um tempo e eu vi um vulto tentando abrir mina barraca, abri e era o menino lá do rio, deixa eu entrar tio, não consigo dormir naquela barraca, entrou, mandei deitar junto comigo, ele deitou de costas para mim, dali um tempo levou a mãozinha para tras e fez caricia no meu pau que reagiu, eu fiquei quieto, aí ele encostou a bundinha no pau e ficou esfregando, e eu quieto queria ver até onde ele ia, mas tirei o pau para fora do calção, ele pegou meu pau e começou esfregar no reguinho, no cuzinho, ai eu me ajeitei e perguntei para ele tem certeza que é isto que tu queres, ele disse é, tirei o calção, virei ele de bruço, cuspi bem no cuzinho, me firmei em cima dele e fui empurrando o pau, teve uma pequena dificuldade mas aos poucos foi entrando, soquei tudo, ele levou a mãozinha para trás e fez carinho nas minhas bolas e gemeu, que delicia tá tudo dentro, fodi com carinho, com gosto, com prazer gozei delicioso, ficamos um pouquinho grudados, tirei o pau, ele se ajeitou e se foi, fechei a porta to querendo me deitar, vejo alguem tentando abrir a barraca, era outro guri, um loiinho, corpinho lindo, agora é minha vez disse ele, entrou e já foi deitando de bundinha para cima, olhei aquela bundinha e o pau começou a se assanhar de novo, comecei a beijar ele todinho, arretei bem, cuspi naquele cuzinho, encaixei o pau no cuzinho e fui metendo, deu uma gemidinha mas aguentou tudo, dei uma foda demorada, gostosa, bem cadenciada, metia e beijava o guri, mordia a orelhinha, dizia coisas obscenas no ouvidinho dele e quando gozei foi uma loucura, ficamos agarradinhos um pouco, e quando ele ia saindo, eu disse se tiver mais alguém para vir pede para dar um tempo, pois estas duas ja me esgotaram. Fechei a barraca e dormi, de madrugada vi barulho de novo, olhei no relógio 3h da manhã, era o Arizinho, menor da turma, baixinho, bundudinho, gostoso, tio esperei até agora, agora é minha vez, deitou de bundinha para cima, eu mostrei o pau e perguntei tem certeza que aguenta, ele disse aguento tio, cuspi, me ajeitei em cima e fui metendo, ele gemia, se torcia mas não pediu para parar, fodi com se estivesse com raiva, olhava aquele corpinho sumido em baixo de mim, e me dava ma loucura e eu fodia, quando gozei chegou me frouxar as pernas, fiquei um tempo parado, tirei e ele se foi, nem fechei a porta, faltava mais dois, não deu outra, dali a pouco tinha outro entrando na barraca e deitando, eu disse para lá, tem que dar uma ajuda, uma chupadinha, uns carinhos para levantar o animal, ele prontamente, pegou meu pau e começou a chupar deliciosamente, quando o mastro subiu, ele prontamente deitou de bundinha para cima, e foi outra foda gostosa, demorada, quando ele foi não fechei a barraca, pois faltava um, mas o outro não veio, dormi esgotado, perdi a hora, acordei com o pessoal chamando para tomar café, levantei e lavei e fui tomar o café, o pessoal tava alegre, parecia que nada tinha acontecido, só o que não foi que me olhava de vez em quando e sorria meio timido. Passamos a manhã brincando, tomando banho no rio, até a hora do almoço.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,67 de 3 votos)
Loading...

Por

2 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos

  1. juniorquinto

    que sonho comer uns novinhos

  2. passivo discreto de Recife

    quero acampar no seu sitio