Comi a Empregada da Minha Casa e a Filha dela de 9 Aninhos

Autor

Olá, pessoal. No último conto relatei como havia conhecido a Sheila (nome fictício), uma mulata gostosa de 32 anos que havia vindo do Rio de Janeiro para Recife por causa do ex-marido problemático e passou a trabalhar no Ap onde moro com meus pais, e como passei a fudê-la de tudo quanto é jeito, tanto em ksa quanto em motéis. Lembram que eu disse que a Sheila tinha uma filha de 9 anos de idade chamada Kamila (nome também fictício)? Pois bem, agora vou contar aqui como conheci também a filhinha da Sheila, que apesar de ser ainda uma criança, é puta toda igual a mãe, uma puta mirim!

A Sheila já havia me falado da Kamila, sua filha única, mas o que eu não disse na primeira parte desse conto é que, segundo ela (Sheila), a Kamila, que perdeu seu pai biológico num acidente de moto no Rio quando ainda era bem pequena, era abusada sexualmente desde os sete anos de idade pelo padrasto, de quem mãe e filha haviam fugido para Recife. A história é longa e um tanto triste para ser relatada aqui, mas em resumo, o ex da Sheila passou a se envolver com o tráfico de drogas na comunidade onde moravam no Rio, e era, por vezes, violento com a Sheila, agredindo tanto ela quanto a filha (inclusive ameaçava a Sheila de morte se ela o denunciasse quanto aos abusos sofridos pela filha). Isto fez a Sheila desejar voltar para Recife, de onde havia saído ainda muito nova, e vir morar com a irmã mais velha (que é amiga da minha mãe e conseguiu este trampo informal para a Sheila em nossa ksa). Sheila abandonou o emprego e as coisas que possuía no Rio e veio para cá com a Kamila, auxiliada pela irmã que pagou a passagem das duas.

Sheila, puta que é, me contava como se vingava dos maus tratos do marido. Ela o corneava com o gerente da loja onde trabalhava no Rio, mamava o urso, engolia a porra e ia pra ksa sem lavar a boca pra fazer com que o corno beijasse sua boca gozada.

Após este resumo, passo agora a relatar como conheci a Kamila pessoalmente. Certo dia do mês de fevereiro deste ano, após ter trabalhado durante a madrugada, acordei por volta das 13h para comer. Após tomar banho, passei pela sala e vi uma mulatinha linda, vestida com uma farda das escolas estaduais daqui de PE, sentada no sofá assistindo TV. Eu sabia que era a Kamila, pois já a tinha visto nas fotos do celular da Sheila. Kamila tem um corpinho lindo, apesar da pouca idade, perninhas grossas e uma bundinha redondinha, pele lisinha, sem pêlos. Ela parece uma mulher em miniatura, exceto por causa dos seios, que ainda não haviam começado a crescer. Com certeza, daqui a alguns anos, Kamila será um mulherão.

Sheila me disse que a Kamila precisaria passar as tardes conosco após a escola, pois a sua irmã não poderia mais tomar conta dela por causa do trabalho. Juro que comi a Kamila com os olhos quando a vi pela primeira vez. Mas me contive e disfarcei, pois não sabia qual seria a reação da Sheila se percebesse isso, visto que a Kamila já havia sido abusada pelo ex-padrasto.

Sheila me apresentou Kamila que logo veio me dar um abraço de forma muito carinhosa. Após isso, fui à cozinha onde Sheila estava terminando de preparar o almoço para nós três. Sheila, como sempre, estava usando uma uma calça leg, daquelas que mostram o tamanho do rabo e da buceta. Comecei a roçar meu pau que já tava ficando duro no rabo dela, dei um acocho por trás e comecei a beijar seu pescoço. A puta da Sheila não resistiu e quis trepar ali mesmo na cozinha, eu sugeri que fôssemos pro quarto, para que a Kamila não nos visse, mas ela disse que não precisava. Sheila fala alto da cozinha para Kamila que estava na sala: "Kamila, não vem pra cozinha, não. Fica aí sala, hein?". Sheila, então, se abaixa, puxa meu pau pra fora e começa a me chupar. Logo em seguida, eu, da típica forma bruta como a Sheila gostava de ser tratada no sexo, ponho essa puta de costas pra mim encostada no balcão da cozinha, puxo a leg e a calcinha da Sheila pra baixo e começo a empurrar minha pica naquele bucetão carnudo até gozar. Com certeza a Kamila estava ouvindo os gemidos e putarias que vinham da cozinha.

Sheila saiu primeiro pra ir se levar no banheiro e eu dei um tempo na cozinha. Em seguida, eu levantei o calção que estava usando, coloquei meu pau pra dentro e fui me lavar no banheiro do quarto da minha mãe. Ao passar pela sala, estava a Kamila me olhando com a cara de safadinha. Após isso, almoçamos Sheila, Kamila e eu na mesa, sem cerimônia alguma pelo fato de a Sheila está trabalhando em nossa ksa.

Foi assim durante algumas tardes. Sheila e eu transávamos no quarto, enquanto a Kamila ficava na sala. Às vezes eu tinha a impressão que ela ficava por atrás da porta ouvindo o barulho da foda. Quando a Sheila me falou que a Kamila via a mãe trepando a noite com o padrasto, fiquei mais desejoso ainda daquela menina. Só me imaginava comendo aquela bucetinha infantil!

Certa vez a Sheila saiu e eu fiquei só com a Kamila. Estava eu no sofá assistindo a netflix e a Kamila na mesa da sala vendo as coisas da escola. De repente a Kamila vem em minha direção, senta do meu lado — meu coração começa a bater muito forte — e pergunta: "Thiago, tu tá namorando com a minha mãe?" Eu respondo que não e questiono o porquê de ela está fazendo essa pergunta. E ela diz que ouviu a própria mãe falar pra tia que ela transava comigo. Nessa hora meu coração acelera mais ainda! Eu respondo como quem não quer nada: "Kamila, vc não deveria ouvir conversas de adultos". E ela responde: "Mas minha mãe fala isso na minha frente! Ela disse que tu tem o pau grosso e que fode gostoso". Nossa!, ouvir uma menina de apenas 9 anos de idade falar dessa forma fez meu coração quase saltar pela boca e minha piroca ficar tão dura como nunca! Eu disse: "Menina, vc só tem 9 anos!" (como se eu não quisesse fuder aquela negrinha gostosa). Ela de pronto responde: "Mas eu já transei muito com meu ex-padrasto e já vi muito filme de sexo". "Mas vc gostava do que ele fazia com vc?" Questionei. E ela respondeu que não gostava no começo porque quando ela tinha sete anos ele tirou a virgindade dela e doeu muito. Mas depois começou a gostar pq parou de doer e era gostoso. Ela disse que chupava o padrasto e ele comia o cuzinho dela tbm.

Eu nem acreditava que tava ouvindo tudo aquilo de uma carioquinha de 9 aninhos. Meu pau latejava e já tinha molhado toda a cueca. Ela reparou o volume dentro do minha bermuda e pediu pra eu mostrar minha piroca pra ela. Eu respondi que não ia fazer isso pq ela era uma criança ainda. Eu falei pra ela que, se descobrissem, eu poderia ser preso. Ela disse: "Mas eu num vou contar nada pra ninguém, eu juro. Deixa eu ver tua piroca, só um pouquinho, por favor!". Eu fiquei com muito medo de a Sheila saber e me denunciar ou mesmo querer me chantagear com isso. Eu respondi que não e que ia falar com a mãe dela sobre isso quando ela chegasse. Ela disse, com jeitinho infantil: "fala, ela nem vai fazer nada mesmo". Ainda disse que já tinha visto meu cacete no vídeo que eu fiz comendo a mãe dela. Eu me levantei do sofá, deixei ela na sala e fui pra o banheiro bater uma punheta pensando naquela putinha de 9 aninhos que parecia ser mais safada que a própria mãe. Nunca gozei tão rápido na vida. Mas o medo de ser denunciado e ser preso, inclusive com o desprezo dos meus pais, ainda era maior que o tesão.

Na próxima parte deste conto, irei relatar a reação da Sheila ao saber de nossa conversa e como comi a bucetinha e o cuzinho da Kamila.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,75 de 4 votos)
Loading...