A vingança de Noemia

Autor

Joel olha extasiado e já quase gozando para o belo rosto de Noemia que o olha candidamente com os belos olhos azuis enquanto seus lábios sensuais faz uma tremenda sucção com metade de sua grossa rolona dentro da boca. Ela tem bastante semelhança com a celebridade Bruny Leizemeir.
Com uma das mãos entre as próprias coxas, ela alisa freneticamente o clitóris. Com a outra, destramente acaricia ora os bagos ora a metade da rola que está fora de sua boca.
– Meu… meu anjo, estou quase… quase gozando! O que… voce quer… quer fazer!?

Noemia fecha os olhos por alguns minutos e suas bochechas se contraem com a forte sucção que faz diretamente na glande tentando empurrar a ponta da língua na uretra.
Em sua cabeça lhe passa as imagens dos dias passados na Europa e principalmente quando ela foi duplamente penetrada pela primeira vez, sendo que antes o companheiro de Joel ejaculara em sua boca enquanto ele a sodomizava.

Agora, ela sentia falta de mais dois machos a lhe penetrarem para que ela se sentisse realmente satisfeita. Saciada. Quando daquela vez em que ela se submeteu a ser triplamente penetrada.

Noemia pausa o boquete, mas deixando os lábios roçarem a glande, olha sensualmente pra Joel e diz.
– Quero que voce goze enquanto fazemos um sessenta e nove… Depois veremos!

A juíza Amanda está gozando ensandecida com o minete que Diogo lhe faz na depilada e rosada xoxota.
Todas suas roupas são de grife e estão um pouco amassadas devido sua saia estar levantada até a cintura e a blusa aberta, o sutiã abaixado expondo os seios que, poucos minutos atrás, serviram pra Diogo fazer uma “espanhola” e gozar neles.

Os dedos de uma das mãos da juíza, melados de esperma, apertam e acariciam os inchados mamilos. Com a outra mão no topo da cabeça do jovem amante, ela dá ritmo as lambidas e chupões que Diogo lhe dá na xaninha. Ele tem dezoito anos e Amanda é vinte e cinco anos mais velha.
Eles estão no gabinete dela do Forum da cidade. Diogo foi levado a ela por intermédio de Téo, de vinte e dois anos, que já algum tempo era amante de Amanda.

Diga-se de passagem, que recentemente ele seduziu Ruth, a mãe de Diogo e talvez por isso ele deu essa canja pra Diogo, para afastá-lo um pouco de casa.
O pai de Diogo, estava se recuperando de um grave acidente de carro e Téo e Ruth se aproveitam da imobilidade do marido pra treparem praticamente alguns metros de onde ele fica sentado na cadeira de rodas vendo TV.

Diogo namorava Noemia. Ele pensava que ela era apaixonada por ele. Noemia só recusava em ser sodomizada, mas tudo que Diogo exigia sexualmente dela, era atendido.

Certa vez, quando os pais de Noemia e o irmão estavam fazendo um cruzeiro marítimo, ela se esforçava pra fazer Diogo gozar em sua boca, uma das exigências dele.
Então o telefone tocou e depois de certa hesitação ela o atendeu.

Era sua mãe Angelina. Resumindo, Noemia tinha que se aprontar imediatamente porque teria que pegar o primeiro avião pra Paris.
Em meia hora um advogado ía chegar lá e explicar tudo e o que ela teria que fazer quando se encontrasse com um senhor chamado Joel.

Noemia, sem saber, foi envolvida numa lavagem de dinheiro arquitetada entre seu pai e o sr. Joel.
Nos dias que sucederam, Noemia teve seu libido aumentado com toda aquela atmosfera parisiense e o charme sedutor de Joel.
Dois dias depois da chegada, ela já tinha se acostumado a levar a rola de Joel no cuzinho, coisa que Diogo vinha batalhando há dois anos e nunca conseguiu.

E então, Joel teve que vir ao Brasil pra acertar os detalhes com o pai de Noemia e, lógico, ela veio junto.
Como era dinheiro ilícito, Joel foi fazer uma visita e consulta a sua amiga, a juíza Amanda.
– Voce continua cada vez mais deslumbrante, Amanda! Obrigado por aceitar meu convite.
– E voce sempre um bajulador… mas simpático! Ah, este aqui é o Diogo, um futuro estagiário e filho de uma amiga.
– Oh! Que grosseria a minha! Esta rainha da beleza é Noemia, filha do senhor em questão.

Diogo e Noemia se entreolham surpresos e numa atitude jovial se abraçam rindo. Amanda e Joel
ficam surpresos se entender o que se passa com os dois jovens.
– Nós já nos conhecemos. Eu peço desculpas a voce, Diogo, por não ter me despedido corretamente, mas era uma coisa urgente… Bah! É muito complicado! Deixa pra lá!

Eles estão em um refinado restaurante e o almoço transcorre normalmente. Amanda marca com Joel para ele ir a sua casa e lá, com o marido, eles resolverem o problema do pai de Noemia, por volta das 20:00 hs.

Diogo, está apalermado com a mudança física e comportamental de sua namorada. Ou ex. Ele está confuso também quanto a isso. Noemia pouco fala e mais escuta ele falar. Dá a impressão que ela está sendo só gentil com ele e que não dá a mínima para o que ele está falando.

Ele nota que ela acompanha o tal de Joel nas taças de vinho mais do que ele e a juíza Amanda.
O modo como Noemia fala respondendo as perguntas de Amanda e seus gestos, mostra a transformação requintada que ela passou.

Pela primeira vez Diogo realmente se apaixonou por ela. Só de imaginar que até um tempo atrás ele a via nua a hora que quisesse e do jeito que ela estava sempre a disposição pra lhe fazer um boquete.
De repente, ele se entusiasma a mostrar confidencialmente o quanto ele é bom sexualmente. Ele chega bem perto do ouvido de Noemia que inclina a cabeça graciosamente.
– Sabe desde que voce foi embora não namorei ninguém. Em compensação sou o amante da juíza!

Noemia, se vira com olhar incrédulo. Realmente ela duvida dele. Ainda mais da experiência que ela teve com homens como o Joel que sabia como deixar uma mulher excitada e saciada.

Diogo se decepciona por que Noemia, apenas balança a cabeça e volta a prestar atenção a conversa entre a juíza e Joel.
– Posso ir na tua casa hoje a noite? Estou morrendo de saudades e faria tudo que voce quisesse.

Noemia faz cara de paisagem por alguns segundos e então um leve sorriso lhe aflora no rosto.
– Por que não!? Meu pai não vai estar lá…

Diogo se enche de confiança e acredita que ainda tem o poder de submissão dela. Dessa vez ele a convencerá de sodomizá-la, devido a todo know-how que ele adquiriu com Amanda.

A língua tenta ir mais fundo no anus de Noemia. Ela geme guturalmente e pede que ele enfie mais fundo. As mãos dela estão separando os robustos glúteos de sua magnifica bunda e, tanto o solzinho do cu como a racha da xaninha estão a mercê da boca voraz do homem que está agachado atrás dela.
– Me dá… me dá teu páu! Me dá!

O sofá facilita o sessenta nove para o macho de Noemia, pois ele está com a cabeça apoiada no braço do sofá, tendo assim mais facilidade de boquetear tanto a xaninha quanto o cuzinho dela.

Ela volta a se lembrar quando do último dia em Paris ela fez um sessenta e nove com Joel e ele ejaculou profusamente em sua boquinha. Mas dessa vessa vez ela quer sentir os trancos do macho em sua bunda, lhe possuindo, lhe sodomizando.

A posição favorece pra que ela consiga engolir todo a rolona até roçar seu nariz nos bagos dele. Ela permanece assim alguns segundos sentindo a rolona palpitar na sua língua e no fundo de sua garganta.
Ela só tem as vias nasais para respirar e o odor do saco do macho e língua dele lhe acariciando a xana e o cuzinho a deixam tonta de prazer.
Lentamente, Noemia vai deixando a esplendida rolona de seu macho ir escapulido de sua sucção bocal.
– Eu, eu… eu eu quero no meu cuzinho… agora!

O macho se ajeita sentado no sofá. Noemia de costas pra ele se inclina pra um lado e segurando a imensa jeba, fica roçando com ela o próprio cuzinho por um momento.
Ela tem a expressão meia enlouquecida de tesão, a boca aberta e respirando descompassadamente.

Em seguida, ela força a boquinha de seu anus a engolir metade da glande enquanto solta um rouco urro.
Noemia está ereta agora quase que sentada na virilha do macho que olhava embevecido o belo corpo da jovem ir se empalando com sua rola.

Com metade da torona em seu cuzinho, Noemia se deixa cair pra trás, se encostando no peito do seu macho enquanto rebola sensualmente no colo dele.

Ela vira a cabeça procurando ser beijada. As bocas dos dois se juntam e os sussurros e urros um do outro ecoam em suas respectivas cavidades bocais.
– Que porra é essa!? O que voce está fazendo com esse cara, Noemia!?

Noemia e Joel se assustam com a intromissão de Diogo na sala do apartamento da família dela.
Os dois permanecem na mesma posição, encarando Diogo e tentando entender o que está acontecendo.
– E então, Noemia! O que está acontecendo aqui!?
– Voce não está vendo?

Noemia graciosamente levanta bem as coxas deixando ver claramente a lustrosa torona lhe arrolhando o cuzinho.
– Que… que qu´isso que voce tá fazendo!??
– Dando meu cuzinho.
– Oh, não! Isso não é possível! Voce nunca quis que eu te fizesse isso!
– E continua impossível pra voce! A não ser que… venha aqui e chupar minha xaninha!
– O quê!? Nada disso! Vá se fuder!!

Diogo lhes vira as costas e logo depois Joel e Noemia ouvem o bater da porta.
– Espera aqui, amor.

Noemia se levanta, deixando o atônito Joel com o páu jogando baba pros lados. Ela tranca a porta dessa vez, já que tinha deixado aberta de propósito e em seguida liga pra portaria.
– Boa noite. Olha, não deixem o Diogo subir. Avise pros outros porteiros, ok!? Obrigada.

Convido meus leitores a visitar meu blog http://eternahelga.blogspot.com.br/ onde encontrarão esses contos devidamente ilustrados. Obrigada

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(0 Votos)
Loading...