Gêmea da Namorada

Autor

Sou Miguel, tenho 20 anos, moreno alto e magro, o q vou contar aconteceu quando eu tinha 18. Comecei a sair com uma garota muito linda, uma perfeição, baixinha bunduda, cintura fina, peitos pequenos, cabelos lisos na altura dos seios. Ela me deixava louco só pelo seu jeito de andar e rebolar, ela tinha a minha idade e trabalhava como vendedora em uma loja de modas.
Saímos algumas vezes e depois finalmente fomos pra cama, eu já estava louco, pois sempre dávamos alguns amassos, mas eu chegava em casa e tinha q me acabar na punheta por nunca rolar nada. Mas no dia q a levei num motel, eu estava com tanto tesão q pude ver a decepção dela quando gozei rapidamente, era um olhar q me dizia q eu havia deixado ela na mão. Porém, era obvio q eu não deixaria pq eu tbm queria aproveitar a noite tanto quanto ela. Meu tesão era tanto, q em mais 5 minutos de amassos eu já estava duro dnv, e nesse momento pude ver um olhar de satisfação dela. Essa noite foi longa eu cheguei a gozar mais 3 vezes durante toda a noite, com algumas pausas, e ela obviamente adorou, acabou gozando mais q eu, e mal conseguimos dormir, ela estava toda descabelada, e eu achava aquilo ainda mais sexy nela, parecia algo selvagem, parecia q tínhamos agido como animais.
Pouco tempo passou e começamos a namorar serio, primeiro eu fui conhecer sua família, e depois Elaine (minha namorada) foi conhecer a minha família. Mas o quando eu fui à casa dela tive uma surpresa. Seriam apenas ela, os pais e a irmã. Ao chegar à casa, toquei a campainha e lá estava uma mulher linda, shortinho curto e colado ao corpo, camisa regata q mostrava um pouco do sutiã rosa pelas laterais, uma delicia da cabeça aos pés. Dei um abraço bem apertado seguido de um selinho e já fui dar o costumeiro beijo de língua, mas após o selinho ela já me empurrou: “vc esta maluco, o q pensa q esta fazendo?”.
– Beijando a namorada mais linda e gostosa! Não pode não? – nisso percebi ela morder os lábios de vontade, mas repetiu dizendo q eu não poderia beija-la. – Pq não quer q eu te beije?
– E pq vc quer beijar minha irmã? – veio a voz do fundo da casa e vi Elaine parada ao final do corredor, me olhando brava pelo fato de tentar beijar a irmã dela.
Fiquei perplexo, pois não sabia q ela tinha uma irmã gêmea, e aos poucos com muitas desculpas durante o dia, ela foi ficando mais calma, e pude perceber q ela só chegou no final e não viu a parte q beijei Diana (sua irmã). Diana, por outro lado, permaneceu distante e falou pouco cmg, acredito q por vergonha. Mesmo assim eu mal acreditava no quanto elas eram parecidas, já conheci 3 gêmeos em minha vida, e apenas 1 deles eram bem parecidos, mas era fácil distinguir por um detalhe no queixo. Porem em minha namorada, não vi diferença alguma, ate mesmo a voz era bem parecida.
O tempo passou e td foi ficando normal dnv, Diana conversava normalmente cmg, e pude finalmente perceber a diferença entre elas, o modo de se vestir. Minha namorada gostava de se produzir e era mais recatada, já a minha cunhada gostava de roupas curtas e principalmente shortinhos q destacavam sua bunda carnuda e coxas grossas. Pouco depois Elaine foi dispensada da loja q trabalhava e com um pouco de ajuda da Diana, começou a trabalhar na mesma loja q a irmã. Q era bem maior e pagava melhor tbm. Já fazia alguns meses q elas estavam trabalhando juntas, quando o fato aconteceu, eu recebi uma msg dizendo q ela iria trabalhar um pouco mais tarde aquele dia e q não daria tempo para pegar um cineminha q tínhamos programado. Então continuei a trabalhar e não me preocupei em sair às pressas do trabalho.
Acabei passando em uma loja de eletrônicos e depois fui pra casa, mas no caminho vi aquela moreninha linda caminhando na calçada, rapidamente encostei o carro e ofereci uma carona. “Oi amor”, disse Elaine ao entrar no carro e eu cumprimentar com um selinho.
– Sabia q esse seu uniforme te deixa ainda mais gostosa?
– Deixa é?
– Muito, tenho q me segurar pra não te agarrar aqui mesmo! – eu disse, a olhando de cima embaixo.
– então pra q se segurar? – respondeu ela já passando a mão em meu pau! – acho q deveríamos ir pra um lugar onde vc possa se soltar a vontade, não acha?
Não pensei duas vezes e guiei o carro ate o motel, ela foi me alisando o caminho todo com a mão em meu pau. No motel, eu já estava louco e fui agarrando ela no estacionamento mesmo, mal fechei a garagem e já fui tirando a roupa dela e a peguei por trás em cima do carro, eu segurava suas mãos, e puxava seu cabelo, ela estava muito molhada, deveria estar com tanta vontade quanto eu. Elaine gritava, nunca tinha a visto fazer tanto barulho na cama, mas ali no carro ela gritava como nunca. Ela não demorou para gozar, era uma delicia ver aquela bundinha redonda balançar a cada estocada q eu dava, e suas pernas tremerem enquanto ela gozava e gemia gostoso. Quando terminou de gozar, se abaixou e veio me chupar ate eu gozar em sua boca, foi a primeira vez q a vi engolir minha porra e ainda limpar meu pau o chupando todo. Ela já ia se arrumando pra entrar no carro, quando eu perguntei: “onde pensa q vai? Do jeito q eu estou não vou te liberar tao cedo!”.
Assim ela deu um sorriso bem safado, e eu a puxei pro quarto dnv, dessa vez eu tranquei a porta (sempre faço isso), e fui beijando ela e apertando firme sua bunda redondinha. Estávamos ofegantes so com o beijo e talvez pelo fato de estar um pouco cansado do sexo a pouco tempo. Mas dessa vez eu estava mais calmo, e ela foi se abaixando e voltou a tirar minha calça, eu já estava tirando tudo tbm. Então ela começou a me chupar, e eu já estava duro dnv: “nossa eu estava morrendo de vontade de chupar seu pau” dizia ela, e eu apenas falando: “não passe vontade, aproveite q ele é todo seu”. Ela chupava com uma vontade q eu não via a muito tempo, parecia q ela realmente estava desejando aquilo como se não chupasse a anos e agora queria recuperar o tempo perdido. Ela continua me chupando e eu segurando seu cabelo atrás da cabeça, aquela visão era maravilhosa, tinha uma boquinha muito gostosa, então ela se levanta e segura meu pau e começa a me puxar, caminhando ate a cama, e eu apenas seguindo ela q me puxava pelo pau. Percebo q ela é quem esta comandando a transa agora, em nossa relação isso era raro, pois sempre era eu quem tomava as iniciativas, e a vendo assim estava me excitando ainda mais. Ela me empurra pra cama, e monta em cima de mim, começa a cavalgar. Quando ela me beija, eu passo a língua de seu pescoço ate o começo de sua orelha e sussurro:
– Achei q você gostasse de 4. O q aconteceu com vc hj gata?
– o q eu gosto é desse pau aqui dentro! – respondeu ela, e aumentou o ritmo ao falar de q gosta.
Ela ficou cavalgando ate gozar, e depois cair desfalecida sobre o meu peito recuperando o folego, ela tirou meu pau de dentro e ficamos nos beijando, o q acho bom, por precisar me recompor, pois já estava pra gozar tbm. Fiquei chupando seus seios, passando a mão em sua bundinha, ate q a peguei ela pela cintura e me virei, fiquei por cima dela. Foi então q tive a surpresa, pois ela me pediu pra comer seu cuzinho, como eu já tinha tentado antes, mas não deu certo pois ela disse q doía muito então a gente parou, fiquei preocupado e perguntei se ela tinha certeza, pois ela já disse q doía demais. “Tenho sim, coloca esse pau bem gostoso na minha bundinha, come meu cu vai”, como ela estava pedindo não me contive afinal eu sempre quis comer o rabinho dela. E foi na posição de frango assado mesmo, ela deitada e eu fui encaixando a cabeça de meu pau com um pouco de lubrificante q tinha num sache do motel, e a cabeça passou e eu vendo ela virar os olhos, perguntei se ela estava bem, e só ouvi ela responder: “Q delicia”. A ideia de comer o cuzinho dela me deixava doido de tesão, então fui enfiando e aos poucos já estava bombando no cuzinho da minha namorada, fui notando q ela estava adorando, então fui acelerando, e ela cada vez gemendo mais alto, ia comendo o rabinho dela e tocando em sua bucetinha.
Fiquei um tempo a penetrando desse jeito ate q ela gozou, foi excitante, ela gritava como eu nunca tinha visto, parecia uma puta e aquilo me deu um tesão enorme, então abracei as pernas dela e passei a dar estocadas mais firmes, eu estava com muita vontade de gozar, e ao ouvir ela me pedir pra encher o rabinho dela de porra, foi o q eu precisava pra explodir de vez, ela dizia: “enche meu cuzinho, me da leitinho da, seu safado! Atola esse pau na minha bundinha e goza gostoso, vai”. Era ela falando e gemendo, e eu gozando e urrando de prazer. Sua bundinha era muito apertada, muito mais gostosa do q eu imaginava, gozei muito gostoso e fiquei um tempo recuperando o folego. Ficamos alguns minutos trocando caricias e fomos tomar um banho, como fiquei duro a peguei debaixo do chuveiro dnv, depois nos arrumamos e fomos embora. Falei varias vezes pra ela, q adorei a noite e esse jeito mais solto, mais liberal dela, inclusive aquele rabinho gostoso q ela tem, q era uma delicia.
Ela so dizia q eu era safado demais e tava dizendo aquilo so pq queria seu cuzinho dnv, falei q era verdade, mas ela tbm era muito safada por dar o cuzinho bem gostoso. Aquela conversa já estava me excitando dnv, quando chegamos na frente da casa dela, já estava tarde e eu tbm precisava ir pra casa, então ela se despediu e me deu um beijo no rosto, o q reclamei por querer dar mais uns amassos. Porem ela apenas disse q eu já tinha aproveitado demais dela e o beijo no rosto era td q eu teria, e saiu do carro com um sorriso safado na cara.
Em casa so mandei uma msg pra Elaine dizendo q eu estava exauto, e já estava indo dormir, disse q a amava e no dia seguinte a veria, pois já estava com sdd. Ela me respondeu e fui dormir. No dia seguinte (domingo), fui a casa dela e ficamos conversando, trocando caricias, quando ela me pede desculpas por não ter podido sair cmg no dia anterior, fiquei sem entender e fiquei calado, pensando q ela estava brincando, ate q Diana q estava num canto da sala em seu laptop interrompe a nossa conversa.
– Ah, já ia esquecendo, obrigado pela carona ontem Miguel! – ela olhou seria pra mim, eu fiquei em pânico, sem reação alguma, minha mente estava em conflito tentando relacionar o fato q eu provavelmente tinha transado com minha cunhada Diana, pensando q era com minha namorada o tempo todo, e não tinha percebido por causa das duas usarem o mesmo uniforme, e ela ter entrado no carro agindo como se fosse a Elaine, ela tinha me enganado direitinho. E se abrisse a boca agora, meu namoro estava acabado – Elaine, eu tinha saído, e ia chegar tarde, mas o Miguel me viu na rua e me deu carona, vlw mesmo Miguel adorei vc ter me dado carona!
Nisso percebi q ela não ia falar nada, mas não mudava o fato q ela tinha me confundido, e q na noite anterior eu tinha comido o cuzinho dela e gozado dentro, tentei responder sem parecer suspeito, mas ao mesmo tempo começou a passar todas as coisas q fizemos em minha mente, e sem perceber eu já estava secando a bundinha de minha cunhada e ficando excitado, tive q disfarçar, mas ela percebeu. Arrumei uma desculpa e sai com Elaine, a levei a um motel, e peguei forte por varias horas pensando no que Diana fez cmg, fiquei muito exitado e isso me fez querer mais. Passei a tentar algo dnv com minha cunhada, ficava louco observando ela, mas nunca mais me deu bola, então aos poucos fui deixando isso apenas na memoria, as vezes penso q ela pode ter me enganado alguma outra vez e eu nem desconfiei, as vezes me pego pensando nisso, outras vezes naquela noite q a peguei, sempre sonho em comer seu cuzinho dnv, e sempre q penso nisso, minha namorada mal consegue dormir, pois não deixo ela descansar ate me satisfazer, e logico q ela adora.

Se gostarem comentem, deixem opnioes e criticas a vontade..

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,17 de 6 votos)
Loading...