# #

Eu e o meu professor – Parte 2

1335 palavras | 2 |3.80
Por

Vejam o capítulo anterior (Eu e meu professor – Parte 1)

Depois daquele dia conversamos só pelo Whatsapp, algumas vezes ele me ligava e ficavamos falando até tarde. Eu realmente estava gostando dele, mas eu ficava com um peso na consciência pois ele era mais velho. Eu fiquei com medo dele ter se aproveitado de mim e não querer mais saber de mim. Alguns dias antes da excursão de final de ano marquei um lugar pra ir com ele no cinema novamente, queria falar com ele sobre nós. Então vejo ele me procurando e vou andando até ele e falo: – Oi, sumido (risos) – ele me olha com uma cara séria e fala: – Preciso conversar com você, e rápido – fomos até a entrada e ele me puxou na fileira onde sentamos da outra vez. Ele estava muito tenso e eu fiquei muito preocupado, imaginei milhares de coisas. Então sentamos e ele falou: – Meu filho sabe de tudo, Edu. Ele viu as chamadas e as nossas conversas – confesso que me senti muito mal, e fiquei com medo, daquela idade já estava destruindo casamentos. Fiquei muito triste, tentei consolar ele: – Como ele viu? O que você falou? E sua mulher? – olhei pra ele e passei a mão no seu rosto e ele falou: – Minha mulher não vive mais comigo, fui corno, eu vivo com meu filho de 15 e ela com minha filha de 4 – falou ele com muita tristesa. Eu não comentei nada, estava pensando na provável surra que ia tomar do filho dele, já que ele estudava na mesma escola que eu. Então falei pra ele: – Tenta conversar com seu filho, deixa ele mais calmo.
Ele segurou minha mão e me beijou do nada, foi um beijo rápido pois tinha mais gente ali perto. Ele falou que me amava e que não queria me perder por nada, quase chorou, eu fiquei com uma angústia de tudo aquilo, e com medo. Meu pai já havia feito amizade com ele, ele já foi até em minha casa. Isso poderia estragar a amizade deles.
Depois do cinema, fui com ele até sua casa que era do outro lado da rua da minha. Ainda no carro beijei ele e dei um abraço. Ele revidou e eu fui embora pra casa. Fiquei preocupado com ele, o que poderia acontecer com ele e como o filho dele ia reagir.
Alguns dias se passaram e chegou o dia da excursão da escola e o professor responsável por minha turma foi quem? Elton! Fiquei feliz, mas foi muita sorte de eu ter que ficar sob os cuidados dele. Enfim, nossa viagem foi para Recife, a cidade vizinha. Ficamos num hotel de luxo, já que a escola bancava tudo. Assim que chegamos (às 18:40 mais ou menos) vimos a sala do 9° C, da professora Elizabete, o professor acenou para ele e ela também acenou. O professor Elton dividiu a sala em duplas para que ficassem nos quartos já que cada um tinha 2 camas, cada quarto ficaria 2 meninas e outro com 2 meninos e assim sucessivamente. E como sempre, fiquei de lado pois ninguém me escolheu, e o único quarto do corredor que eu poderia dormir era o do professor Elton. Meu cu piscou naquela hora fiquei duro automaticamente.
Íamos passar apenas 3 dias por lá, ele me falou.
Já estava escurecendo e eu fui para o quarto, o Elton abriu a porta e entrei, fui recebido com um tapão na bunda e dei um gritinho e ele me pegou no colo, ignorou a porta ainda aberta e me jogou na cama me deixando de bruços, deitou por cima de mim e me deu vários beijos no pescoço e na minha nuca. Me virei e fiquei sentado, tirei a camisa dele, fechei a porta do quarto e pulei em cima das pernas dele, e ele disse: – Eu amo esse seu jeitinho de menina! – no meu ouvido. Me arrepiei com aquilo, e gostei.
Fui tirando o cinto dele, os sapatos, deixei ele só de meias e cueca. Ele falou: – Calma aí, calma aí… Tenho uma surpresa pra você! – ele foi até sua mala e tirou uma coisa embrulhada com uma sacolinha rosa e me entregou, falando: – Abre aí! – então eu abri, era uma jockstrap que parecia ser ideal para meu corpo, fiquei surpreso, fui tirando a roupa com a ajuda dele, e vesti. Ele disse com uma cara chocada: – Ficou maravilhoso… S-sua bunda me dá tesão. – percebi que ele estava duro pra caralho e abocanhei aquela rola, chupei até as bolas, não deu tempo de chupar direito, ele segurou me forte e me virou de bruços novamente. Lubrificou com KY aquela rola e meu cu. Ele sabia que aquela ela minha primeira vez, eu estava meio nervoso, e ouvi ele sussurrar: – Não faço isso se você não quiser – pensei por uns segundos e falei: – Eu quero, meu amor, mas… – ele interrompeu minha fala, me deu um beijo no pescoço e sussurrou novamente: – Eu não vou te machucar, eu te amo. Confiei nele, e ele começou a meter devagar, segurou em minha cintura com uma mão e o pau com outra, meu cu estava relaxado e entrou com facilidade a cabeça. Segurei forte a almofada com a duas mãos e ele meteu toda duma vez só, e ardeu muito, mas ignorei a dor gemendo. Ele deitou em cima de mim e começou a sussurrar safadezas no meu ouvido, eu amava aquilo. Ele começou a acelerar e meter com mais força e mais fundo, ele me abraçava e eu segurava eu seu braços. Derrepente senti uma dor muito grande e gritei, ele parou de meter e disse: – O que aconteceu meu bebê? Desculpe – mandei ele tirar o pau devagar, achei que tinha rasgado e que estava sangrando, mas ele disse que não.
Então esperei alguns minutinhos e mandei ele enfiar novamente, e me pôs de quatro na cama, ele ficou ajoelhado, começou a meter mais rápido e mais rápido, estava muito bom, gemia bem baixinho como uma garota, como ele gostava.
– Tá gostoso, tá? Vou meter mais rápido – ele falou com um tom safado. Ele batia na minha bunda com força e metia mais rápido cada vez mais. Ele me virou de frango assado e eu disse: – Que gostoso… Aiii… Fode meu cuzinho!! – ele gostou daquilo e riu com cara de mal, e eu gozei na minha barriga, estava tão bom que nem bati punheta direito naquela hora. Ele tava metendo muito forte, percebi que ele tava prestes à gozar, ele deita na cama e manda eu cavalgar segurando e apertando minhas nádegas com as mãos, dei uma 5 sentadas e ele gozou dentro do meu cu.
Quando senti aquilo quente dentro de mim ele me abraçou forte e beijou meus peitos e deu uma chupadinha, depois me beijou. Eu achei aquilo tudo ótimo, foi maravilhoso. Ele perguntou ainda com o pau duro dentro de mim: – Meu menininho gostou? – e eu respondi sorrindo: – Sim, meu amor, você me faz feliz – ele me beijou e tirou o pau, e caiu toda a porra dele em cima de seu pau, ele limpou seu pau e me limpou e fomos tomar banho para ir jantar.
Durante o banho nos beijamos e trocamos carícias o tempo todo. Me apaixonei mais ainda por ele.
Quando terminamos, jantamos e voltamos pro quarto. Eram quase 10 horas da noite, ele verificou se todos estavam em seus quartos e pediu pra que todos ficassem somente ali. Logo obedeceram, pois ele era bravo e grosso com os alunos, eu amava aquilo. Enfim, ele me chamou para a varanda e ficamos deitados num sofá, eu em seus peitos e ele me abraçava.
Por volta da meia-noite transamos mais uma vez e fomos dormir, abraçadinhos e de conchinha.

Continua…

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,80 de 5 votos)

Por # #

2 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Carlos Trancoso.

    Adorei pena não ser eu nos braços de um professor desse, estou de pau duro saindo leitinho só de ler

  • Responder Olly76

    Ótimo continua…