A enteada e o namorado

Há muito tempo pensava se deveria ou não contar a minha história. Lamento aqueles que buscam um conto erótico, não sei se é erótico, mas é a minha vida então decidam por si.
Tudo começou no final dos anos 90, quando me casei com uma mulher maravilhosa, linda e muito gulosa, eu tinha então 20 anos e ela 25, seu único problema é que gostava de uma pica, gostava muito, e de pau em pau ficou grávida na adolescência, mãe solteira, nem sabia quem era o pai, ou se sabia nunca disse. Eu acho que não sabia mesmo porque a cabeça não batia bem. O fato é que entre os 16 e os 23 anos, quando me conheceu, passou uma seca de piroca porque os pais marcavam em cima, horário regrado e o fato de ter uma filha trouxe um pouco de juizo a sua cabeça, mas estava desesperada por uma piroca que a consolasse,dei sorte.

Aquela mulher era exuberante, pra dizer a verdade eu nem merecia aquele monumento, cabelos negros, pele clara, boquinha de chupa-pau, uma cinturinha que ampliava um bundão perfeito, pernas compridas e seios muito bem desenhados, ainda que a gravidez tenha deixado algumas marquinhas de estrias na barriga, nada demais porem esse é o único detalhe que a diferenciava de uma deusa grega e a trazia para o mundo dos mortais, bom, a sorte fez com que os pais dela gostassem de mim, o bom moço, e permitiram que ela saisse comigo antevendo algo mais sério. Essa relação com os pais era algo estranho pois ela já tinha independência financeira. Eu já devia ter percebido que a mente dessa mulher era doente, vou chamá-la pelo apelido Lica.

Vamos à filha, quando eu a conheci, a filha que vou chamar por Jú, já tinha 8 anos, uma menina muito esperta e muito lindinha, cabelos longos lembrava a mãe, e nos dávamos muito bem principalmente porque sendo a única criança da casa era alvo de constantes críticas e assim, quando me via ficava toda feliz pois sabia que seria bajulada. Nunca tive outro sentimento que não o de padrasto.

Bom, após o casamento nos mudamos para a capital onde havia uma bela proposta de emprego como vendedor industrial. Era um bom trabalho, visitava os clientes pela manha, tirava os pedidos e passava as tardes em casa, fazendo os relatorios, enviando fax, essas coisas. O sexo com Lica era maravilhoso no começo, quando éramos namorados mas com o casamento alguma coisa mudou, ela começou a engordar, a relaxar, já não se arrumava, penso agora que a separação dos pais foi o que iniciou o processo de depressão. Apesar disso ela gostava do trabalho como contadora e sempre pontual entrava as 8 horas, saia as 18h00 e almoçava no emprego, de segunda a sexta. Quanto a mim, meio que largado de lado, pegava umas putas ou arriscava uma guerra implorando por sexo, uma guerra que invariavelmente eu perdia pois a munição dela variava desde chute no saco até berros e quebra-quebra, não queria sexo de modo algum.

Certo dia eu volto do trabalho mais cedo, uma reunião a tarde que foi inesperadamente cancelada, e antes de abrir a porta do apartamento ouço um barulho estranho, logo percebo que é garulho de sacanagem… abro a porta devagarinho e vou andando até a fonte do ruido que é o meu quarto e vejo a Ju, minha enteada, minha princesinha agora com 12 anos chupando com gosto a vara fina de um garoto, na época com 14 anos. Fico besta! Não acreditava naquilo, ao mesmo tempo que sentia inveja daquele menino sendo chupado com a mesma vontade e com o mesmo gosto que a Lica tinha para comigo e que o passado deixou pra trás. Não sabia como reagir, me segurei para não cair.. gritei: QUE PORRA É ESSA? QUE PUTARIA É ESSA? .. os dois não sabiam o que fazer,.. o moleque pega as roupas e sai correndo.., eu aviso : OLHA AQUI MOLEQUE, SE VOLTAR AQUI EU TE MATO.. me lembro bem.. o moleque corrreu aproveitando a porta que eu tinha deixado aberta e sumiu..

Minha filhinha JU, meu anjo, era uma chupeteira igual a mãe. FILHA VEM CÁ !! SUA MÃE NÃO VAI GOSTAR NEM UM POUCO DE SABER DISSO, PODE SE PREPARAR… Ju começou a chorar.. ela sabia que a mãe era uma barraqueira e provavelmente iria fazer acontecer a eterna ameça de mandar ela morar no interior com os avós, como prometia diante de pequenas bobagens, provavelmente lhe daria uma surra, provavelmente iria na escola fazer um barraco pois o menino tambem estudava lá, ia acabar com a vida social da garota…. implorou: Não conta pra mamãe… não conta… ela vai me matar !! .. Eu sabia que havia esse risco de verdade, se contasse, teria que ficar de olho pra mãe não matar a filha pois seria mesmo capaz.

Nessas horas, parece que um capeta traz aquela ideia filha da puta razão de estar relatando aqui e certamente ja sabe o que vem adiante: Ju, eu posso contar e eu posso não contar. Se eu não contar, eu deixo ele vir pra cá todo dia, as 13 horas, a gente revisa as matérias da escola, e as 14 horas até as 16 voces podem namorar a vontate, só não deixa sua mãe saber.., eu não estou nem ai com o que fizerem, mas vai ter um preço pra voce, eu vou querer igual voce faz pra ele. Pensa! Eu vou tomar um banho e daqui a meia hora voce me fala o que decidiu.

Tomei meu banho, relaxei, eu já sabia que ela preferiria ir até o inferno a ter que enfrentar a mãe..não deu outra: Jú, e então, conto ou não conto? Ela estava sentada na sala sentada com a mão no rosto, tive pena, mas logo não tive mais: Tá, eu topo! .. Então vem aqui e chupa meu pau! Tirei o pau pra fora, já duro , ela arregalou os olhos, nunca tinha visto um pau adulto.. me sentei e ela veio agachada na minha frente entre minhas pernas e começou o boquete, e chupava ainda que um pouco desordenada e as vezes raspava o dente na pele do meu caralho, e percebia-se que não tinha experiência.. eu avisei, daqui a pouco eu vou gozar, e quando gozar vai sair minha porra e voce engole! Entendeu? Ela balançou a cabeça e logo estava enchendo a boca da menina de porra.

Ela engoliu, mandei abrir a boca, correu pra lavar e escovou os dentes.. chamei ela aqui. Vamos conversar: Voce ja ficou com esse menino outras vezes? Sim, mas só beijinhos, ela respondeu. Olha só, vamos fazer como o combinado, conversa com ele e diz que ele pode vir até em casa as 13, não conta de nós pra ninguem nem pra ele, e mande ele trazer os livros pois vamos revisar os estudos.

Os dois estudavam na mesma classe, e sempre fiz questao de revisar a matéria com Ju e o resultado sempre foi boas notas.

No dia seguinte, Ju chega da escola e como sempre toma seu banho, almoça, e daqui a pouco chega o garoto……. vamos revisar as matérias.. o clima estava tenso mas fingi que não estava percebendo..1 hora depois, chamo o garoto, Nando, É o seguinte: Eu vou deixar voces dois namorarem até as 16, depois voce some e volta amanha. Olha só, a mãe dela não pode saber e ninguem pode saber. Voce é um felizardo! Voce pode ir lá pro quarto da Ju, pode beijar, chupar, meter no cuzinho… PAIÊEEE … pode meter a rola no cu da Ju, só não pode uma coisa, meter na buceta porque ela só tem 12 anos, ENTENDEU? Entendi sim Sr. .. Tem outra coisa (vou sacanear esse garoto, pensei) tudo isso não é de graça,.. vai ter que dar o cu pra mim…MAS, MAS… voce quer ou não quer? .. tá, eu dou (kkk não acreditei. o que um moleque é capaz de fazer por uma mulher, eu nem queria isso, falei so pra zoar e o moleque concordou em dar o cu.. pensei, quer saber? foda-se. assim é bom que ele aprende quem é que manda aqui) fomos todos para o quarto da Ju.

O moleque abaixa as calças, eu pego o gel, passo no cu do Nando, preparo o pau e começo a socar.. Aiiiiii… um grito ele deu, mas foi relaxando e a vara entrando.. Ju, chupa o pau dele, eu só vou parar de socar quando ele gozar. .. e a Ju chupou com gosto até encher a boca de porra e ela engoliu. Dei um tampinha na bunda do garoto e fui pra sala, agora voces podem namorar.

Pelos barulhos vindos do quarto, imaginei que o Nando estivesse descontando no cu da Ju o que eu tinha feito no dele, fui lá dar uma espiada e não deu outra. Esse foi o primeiro dia de sacanagem entre os dois, mas pra Ju ainda não tinha terminado. Nando foi embora, chamei a menina, mandei deitar-se na cama e totalmente nua pude apreciar aquele corpinho que se moldava em mulher, ainda com os peitos pequenos chupei, e chupei aquela bucetinha magra e virgem, chupei com gosto, lambia e me deleitava.. Ju não parava de gemer, e gemia a cada chupada naquele grelinho úmido .. e com o pau lubrificado enterrei até o talo só parando quando enchi o cu de uma menina de 12 anos com porra. Meu pau maduro era no minimo duas vezes o pau do namorado, ela chorou. Entenda bem, leitor, nessa época não se falava em pedofilia.. ninguem sabia disso, para mim era só uma menina com vontade de dar. Quem saia com meninas dessa idade era chamado de papa-anjo e não era bem visto pois seria um sexo muito fácil, diferente de conquistar uma mulher madura. Os tempos mudam

Essa rotina continuou por muito tempo. Comia o cu do Nando, comia o cu da Ju, ela me chupava e me dava todo o prazer que eu queria e não tinha. Depois de dois ou tres meses eu tirei o cabaço da Ju, ela queria, ela pediu, ela implorou. Ela gozava muito. Era igual a mae.. estava gostando de receber pica todo dia, duas picas por dia, tive que levar ela ao ginecologista para receitar um anticoncepcional, pois nada é melhor que uma bucetinha apertada esfolando o pau.

Depois de um tempo comecei a incluir o Nando nos passeios de família juntamente com a Ju e a Lica minha esposa que vendo os dois com frequencia juntos, foi aceitando que eles dessem uns beijinhos, no máximo ! kkkkk Enfim, depois de dois anos namorando já não precisariam se submeter a mim, mas mesmo assim o Nando me dava o cu e eu tinha a Ju como minha mulher.. os dois eram muito apegados.. quando Ju fez 18 anos, a mãe não suportou o câncer que sofria, juntamente com a depressão além de algumas paranóias e veio a falecer, confesso que me senti aliviado.. já não suportava aquela mulher perto de mim. Com a morte Nando de pouco em pouco veio morar conosco e passaram a viver ele e Ju como casal. Ele já sabia que eu e Ju nos relacionavamos e não se importava, na verdade eu acho, não tenho certeza, que ele gostava muito de dar o cu, talvez até mais que o sexo com a mulher pois no dia em que eu não tinha tempo para sexo ele tambem nada fazia com a Ju que me confessava que ele nunca comia a buceta, acho ficou com algum trauma..

Paguei a faculdade dos dois e em 2012, com 24 anos o Nando e a Ju com 22 se formaram em arquitetura. Os estudos que eu fazia questão de reforçar em casa deram resultados, formaram-se muito bem e os dois conseguiram bons empregos para trabalhar em outro estado. De verdade eu não queria ir, mas como ameaçaram não irem sem mim e orgulhoso pelos dois jovens que tanto considero aceitei e fomos. Hoje Ju tem um menino de 3 anos e uma menina de 1 ano. Os dois são meus filhos, minha querida enteada e meu genro. Todos nos amamos muito.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 5,00 de 1 votos)
Loading...