#

pecados da carne 2

425 palavras | 0 |5.00
Por

O choro misturado com risos , dos olhos esverdeados escorriam lagrimas insanas. Suplicante ela de joelhos implorava pela verga do velho urso. Jabur torceu os bicos dos volumosos seios um gemido de dor e de tesao escapou dos lábios dela , com uma das mãos ele envolveu a vasta cabeleira dela fazendo ela fitar os olhos dele cuspiu em sua boca entroduziu dois dedos dentro da boca e ficou entrando e saindo entre seus lábios, afoita ela rebuscou seu pau abrindo a bargilha dele . punhetou aquela enormidade lambeu a enorme cabeça arroxeada cheirou aquela vara num frenesi abocanhou primeiro so a grande cabeçolha mamou com deleite aquela rola engulindo aos poucos ele estocava com metidas lentas cada vez mais profundas e quando sentiu que ela enguliu tudo ficou estático ela segurou por longos segundos tudo aquilo na sua garganta ate lhe faltar o fôlego deixou a pica escapar entre seus lábios ate retornar e começou a engolir tudo de novo .com o pe ele acariciou sua vulva aveludada pela enormidade de pentelhos cque cobriam sua cona um rio de seiva escorreu de suas entranhas sua buceta espumava formando borbulhas que umedeciam o PE dele. Urrou como um posesso despejando esguichos de porra que inundaram seu estomago escorrendo goela abaixo. Desferiu vários tapas no rosto dela e so então gritou
PUTA VADIA IGUALA MAE .
Ergueu ela com facilidade encaixou o mastro em sua buceta e fudeu ela em pe que agarrada ao seu pescoço chupava a língua dele gemendo como uma cadela no cio. Ele segurava com as duas mãos as coxas dela e trazendo e levando ela na pica. Ela gosava insandecida os seus orgasmos eram incontaveis um atrás do outro seguidos profundos como se ela recebesse descargas elétricas pelo corpo que se arrepiava a todo momento num misto de luxuria e prazer indescretivel. Ele praticamente a jogou sobre a rústica mesa continuou em pe fudendo ela que toda arreganhada rebolava alucinada no cassete que entrava e saia da sua buceta gemendo e suplicando
ME FODE ME FODE FODE FODEEEE
Ele urrou como um animal ferido desferiou vários tapas na cara dela e gozou copiosamente dentro dela que sentiu os eguichos de porra tocarem seu útero, insana ela gosava junto ate desfalecer e ficar molemente jogada sobre aquela mesa as vistas estavam turvas pois quase perdera os sentidos
Mas com um riso nos lábios ela docilmente murmurou
COME O MEU CU VEM METE NO MEU CU VELHO SAFADO

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 5,00 de 2 votos)

Por #

Nenhum comentário

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos