Meu médico me enrabou… de novo

Autor

Amados leitores, depois de um merecido descanso, volto para publicar mais um texto para vocês.
Estou amando ler todos os comentários e e-mails. Peço mais uma vez, que votem no conto, pois isso me estimula a escrever muito mais contos para vocês.
Mas se quiserem, mande um comentário sobre o conto..
Então, vamos ao que interessa…:-)
Era uma manhã comum do escritório, relatórios, pesquisas e burocracia em geral. Na minha sala, a mesa estava cheia de papéis, ou seja, seria mais um dia de trabalho comum.
Eis que volta das 10h da manhã, a secretária me liga e avisa que havia um entregador com uma encomenda na portaria e que eu precisaria assinar para recebê-lo.
Como não havia comprado nada recentemente, imaginei que devia ser um engano. Me dirigi a portaria, conferi a nota e percebi que realmente estava no meu nome e endereço.
Não era de nenhuma loja virtual, apenas um pacote comum com o endereço escrito a mão. Assinei e levei para minha sala.
Ao abrir, havia um par de botas de couro lindas dentro e em uma pequena caixa um vibrador anal que na ponta havia uma cauda de gatinha todo peludo.
Imaginei na hora que meu marido havia me mandado o presente, mas no fundo da caixa, encontrei um bilhete com as seguintes palavras.
-Faz muito tempo que minha paciente favorita não faz um retorno para eu examiná-la. Está na hora do check-up. Beijos André.
André para quem não sabe foi citado no conto ‘ Meu médico receitou Sexo Anal’. se não leram, leiam é excitante.
Imediatamente, peguei e o celular e liguei para André para agradecer pelo presente. Ele atendeu e perguntou se tinha gostado da surpresa. Falei que tinha amado, mas não era nenhuma data especial e não tinha entendido porque do presente.
André respondeu
– Você não precisa de data especial para se presenteada, aliás, nenhum presente é maior que você. Por que não nos encontramos hoje? Estou louco de tesão de ver você com estas botas. Adoro ver mulher usando botas… imagina sendo você.
Falei para ele que não podia ser no seu consultório, afinal, da última vez, apesar de excitante, fiquei um pouco constrangida com secretária dele na outra sala e nós trancados na sala dele.
André me disse que por volta das 20h, eu deveria ir a um endereço passado por ele. Ele me falou que a casa era de um conhecido e que ela estava a venda e ele tinha ficado com as chaves, uma vez que seu amigo havia se mudado de cidade.
Por volta das 20h, dirijo meu carro até o tal endereço. Quando estou quase em frente a casa, que na verdade era um grande sobrado, meu celular toca. Era André, dizendo para eu estacionar dentro da casa. O portão eletrônico se abre e entro na casa.
Vejo um enorme jardim na frente e o sobrado aos fundos, com uyma das janelas semi-aberta.
Assim que paro o carro, André me pede ao celular.
– Tira a roupa gostosa…. fica peladinha e coloca as botas que te dei. Vem até a porta de casa, usando apenas as botas e traz o vibrador também.
Excitada, tiro minhas roupas e calço as botas. Desço do carro e vou caminhando nua até a porta da casa. Antes de chegar a porta, ela se abre e André aparece já totalmente nú, com seu membro ereto e pulsando.
Ele me segura pela cintura e me dá um gostoso beijo na boca. Se afasta de mim e me olha de cima a baixo.
– Nossa… você está um tesão usando estas botas. Vou te comer todinha, disse excitado.
– Quer ver mais uma coisa excitante? Perguntei a ele.
– Claro, que surpresa mais você me preparou? , respondeu.
Virei de costas para ele, para ele perceber que tinha introduzido o vibrador anal no meu cuzinho. Estava nua, vestida apenas com uma bota de couro e uma cauda de gatinha vibrando dentro do minha bundinha;
A visão o deixou com mais tesão, ele imediatamente me agarrou por trás, apertou meus seios, e começou a me beijar.
Rosto, nuca, ombros, orelhas… André passava sua boca até onde ela alcançasse. Ficamos no amasso na porta de entrada por longos minutos, até que André, me levou para dentro da casa.
A casa estava vazia, sem nenhum móvel. Ele me pede para subir as escadas. Quando piso no primeiro degrau, André me dá um tapa bem na ‘polpa’ da bunda. Solto um gemido de tesão, que o excita mais a ponto de ele bater de novo.
Seguro seu pau ereto e subo a escada conduzindo-o segurando pelo pênis, que nesta hora estava com a glande toda melada de excitação. Ele dá umas leves puxadas na minha ‘cauda’ de gatinha apenas para ver meu cuzinho preenchido.
Chegamos ao quarto de casal e vejo uma cama pré-moldada com um colchão de casal sobre ela. Antes de chegarmos a cama, me viro de frente para André, me ajoelho e engulo seu pênis todo. Vou engolindo toda a extensão do seu cacete, fazendo-o gemer de tesão. Ele então, se segura pelos cabelos e mantém minha cabeça firme, e começa e estocar seu pau dentro da minha boca.
Minha saliva lambuza todo se pênis… então ele me joga sobre a cama e começa a chupar a minha xaninha. Uma das coisas que tenho que admitir é que André faz um sexo oral maravilhoso. Sua língua passa por toda extensão da minha vagina e massageia maravilhosamente meu clitóris, enquanto seus dedos penetram levemente dentro de mim.
Eu gozo na sua boca e o puxo para cima de mim, meu tesão exigia que seu cacete me invadisse. Numa estocada, André, me invade toda. Solto um gemido de tesão e ele começa a ‘foder’ intensamente. Ele chupa e dá leve mordidas no bico dos meus seios que me deixam ainda mais excitada.
Seu pau entra e sai de mim com ferocidade.
André me puxa da cama e me vira de bruços, para que ficasse de quatro para ele. Ele puxa o vibrador pela ‘cauda’ e de uma só vez arranca ele de dentro do meu cuzinho que me faz soltar um grito de dor.
Antes de me recompor, ele me segura pela cintura e sinto a cabeça do seu pênis alargando meu cuzinho e seu membro invade ele todo de uma vez. Solto um urro de dor e prazer com a situação. André abraça minha cintura com os dois braços e começa a ‘foder’ meu cuzinho com força.
Ele geme e urra de tesão como a muito não via. Eu reviro os olhos de dor e tesão, sentindo todo seu membro, entrando e saindo dentro de mim. Ele solta um urro de prazer intenso assim que goza e sinto os espasmos do seu corpo junto ao meu.
Ele cai sobre mim, ainda com o pênis introduzido no meu ânus e permanece deitado imóvel. Ele me pede desculpas pela ‘euforia’ dele, mas confessa que me ver de nua e vestindo as botas o deixaram ‘louco’ de tesão.
Ficamos deitados ali conversando por um tempo e fodemos um pouco mais ao longo da noite deitados na espreguiçadeira do jardim. Por volta das 23h, deixo meu médico favorito, prometendo não demorar para o próximo check-up.
E lógico, usando as botas favoritas dele.
Mandem um e-mail e comentem (cris-safadinha@zipmail.com.br)
Beijos.
Cris

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,00 de 1 votos)
Loading...