Garotinha da Praça Part4 (INÉDITO)

Autor

Ola caros leitores perdoem a demora essa é a continuação do conto inédita reeditei as anteriores, quem não leu sugiro que leiam parte 1, parte 2 e parte 3
Continuei chupando aquela bucetinha linda e passando a mão pelo corpinho daquela garota.
O gosto daquela buceta virgem, a pele lisa e jovem daquela garotinha, a sensação do proibido de esta com uma garota, uma criança na cama como uma mulher. Tudo isso me excitava cada vez mais e mais deixando meu pau cada vez mais duro, mais ereto e meu desejo de penetra-la cada vez maior.
As minhas mãos passando por todo o corpinho dela e minha boca já não queria mais sair de sua pequena buceta que já estava toda babada com minha saliva. Eu sugava cada pedacinho, virilha, buceta e um grelinho perfeito. Ela estava se contorcendo mexendo as perninhas e segurando o lençol, parei… Parei de chupar e olhei para ela deitada na cama com o corpinho tortinho os olhinhos fechados, se abrindo olhando para mim e me dando um sorrisinho.
Pedi ela para virar de costas e deitar queria ver todo o corpinho dela. Ela foi se virando e ficou de bruços na cama. Ela era linda tanto de frente como de costas, não uma beleza descomunal, mas quem gosta de novinhas sabe, as crianças tem uma beleza que nenhuma mulher consegue ter. Aquela bundinha linda redondinha pequena segurei cada uma das bandas e cada uma delas cabiam na palma da minha mão certinha segurei apertei e vi … Vi aquele cuzinho lindo pequeno, redondinho parecendo que foi desenhado. Virei ela de frente e beijei aquela boquinha linda, enfiava a minha língua na boca dela tocando a língua dela, levantei tirei minha roupa rapidamente de um jeito que só um homem com um tesão imenso sabe como é. Dei a mão para ela levantando à e deixando ela de pé na cama. Abracei à e falei no seu ouvido você é a garotinha mais linda do mundo. Ela se arrepiou quando disse isso em seu ouvido e deu um sorriso. Abraçado com ela tirei ela da cama e fui descendo coladinha no meu corpo. Meu pau foi passando encostando em suas pernas, coxas e chegando até a sua bucetinha. Assim que meu pau encostou em sua buceta eu a deitei na cama me deitando sobre ela. Posso usar todas as palavras do mundo que não vou conseguir descrever a sensação de ter uma buceta de uma garotinha de 11 aninhos encostada no meu pau, uma buceta pequena quente e molhada pela minha saliva, uma pela lisa suave. Sentir meu corpo no corpo dela o corpo dela no meu comecei a me esfregar nela ne um movimento como se estivesse transando segurando sua bunda com as duas mãos e puxando o corpo dela contra o meu. Ela suspirava fundo não era um gemido era um miado fininho que dava para ver o quanto ela estava gostando. Comecei a falar no ouvido dela… -você é muito gostosa, sua bucetinha e muito boa minha princesinha.
quando disse sua bucetinha é muito boa minha princesinha ela me abraçou mais forte o meu tesão aumentou.
foi quando disse em seu ouvido – eu quero transar com você, posso? Ela não balançou a cabeça dizendo que sim nem que não, pelo contrário muito melhor, mil vezes melhor do que eu imaginava e queria. Ela disse baixinho em meu ouvido – eu também quero ta gostoso. Continuei e disse – se doer um pouquinho eu paro e agente continua… ela balançou a cabeça. Ainda abraçado a ela peguei o meu pau e fui colocando na entrada da bucetinha dela que já estava babada com a minha saliva pincelei meu pau pela buceta pequena daquela garota ao chegar na entradinha percebi na hora a pele o local mais quentinho fui pressionando meu pau enfiando um pouquinho e tirando voltando a enfiar e tirar, aos pouquinhos ela ia se abrindo com dificuldade. Vi no rosto dela um pouquinho de dor na expressão, não tinha nem começado. Diferente do que muitos falam aqui a primeira vez de uma uma criança não é chegar e meter e arrancar sangue e algo difícil, mas gostoso que quem gosta tem que aproveitar cada segundo e assim eu fiz. Fui tentando, relando meu pau naquela bucetinha, tentando abri la e aproveitando cada momento senti aquela bucetinha se abrindo aos poucos começando a abraçar a cabeça do meu pau … um pau normal, nada de um pau grande. Como já disse tenho um pau na média, eu acho até pequeno… Mas não importa essa sensação de comer uma garotinha, uma criancinha é uma sensação que muitos bem dotados nunca tiveram ou vão ter, a maioria dos homens não tem em uma vida toda e eu estava prestes a ter. Estava difícil eu estava forçando e meu pra dentro e a bucetinha dela não deixava e eu forçando até que senti aquela bucetinha aceitando meu pau e se abrindo a cabeça estava dentro. Eu que estava abraçado a ela segurei a sua bunda com as duas mãos e forcei com mais força vi a carinha de dor dela queria acabar com aquela dor e chegar na parte do prazer segurei e forcei mais que antes o meu pau foi deslizando para dentro daquela buceta que abraçava ele apertava engolia como se ela que me comesse. Quando senti tudo dentro a minha virilha encostada nela parei um pouco e como estávamos abraçados de rostinho colado senti o molhado de sua lagrima, o lacrimejar dos seus olhos e nesse momento eu disse em seu ouvido – eu te amo. Comecei a movimentar a aos poucos e cada vez mais rápido não muito rápido cada vez que puxava o meu pau para fora ele entrava com certa dificuldade, mas entrava. E nesse momento eu cai na realidade. Eu realmente estava comendo, metendo, fodendo a bucetinha de uma criança ela não era mais virgem eu estava alucinado quando ela diz para mim – eu também te amo. Eu que estava na lua de tanto prazer voltei a perguntei a ela – está ruim ela balançou a cabeça negativamente e me disse – doeu já mas agora ta gostoso beijei ela e aumentei o ritmo agora estava fudendo de verdade fazendo com aquela criança o que a maioria dos homens fazem com mulher. Eu estava trepando com ela segurando sua bunda beijando sua boca sentindo seu cheiro seus cabelos. Quando tirei o meu pau de dentro dela senti como quando se tira um rolha de um garrafa, ele estava molhado com um pouco de sangue beijei sua boca e fui descendo chupei os seu peitos e beijei sua barriguinha até a sua bucetinha que chupei, chupei a bucetinha o pouquinho de sangue que estava nela, chupei suguei e engoli tudinho.
Eu tinha parado porque queria ela de outra forma deitei na cama e pedi pra ela ficar em cima de mim. Ela ficou, abriu aquelas perninhas e encostou a bucetinha no meu pau. Peguei meu pau e fui colocando na bucetinha dela engana quem pensa que entrou fácil ela parecia ainda ser virgem e eu forçava o meu pau naquela buceta a cabeça estava entrando eu a segurei pela cintura puxei o seu corpo deixando ela deita no meu peito, segurei na sua bunda e empurrei meu pau contra a bucetinha dela fazendo ele entrar novamente. Fui metendo enfiando meu pau nela e falando no seu ouvido – gostosinha você me deixa louco segurei a bunda dela e levantei com ela no meu colo e meu pau estocado na sua bucetinha. Chupei o seu pescoço e deitei ela na cama ficando por cima sem tirar o meu pau de dentro dela comecei a fuder como se fode uma puta. Senti o prazer vindo e gozei, gozei feito louco, gozei muito, um gozo que estava preso desde de o dia em que vi aquela garotinha na praça todo liberado naquele momento. Não parei continuei metendo, fodendo e comendo aquela garotinha meu pau entrava e saia daquela bucetinha uma mistura de sangue porra saliva continuei metendo senti que ela esticou as perninha pra cima fazendo um v e eu no meio metendo com mais força com vontade nem parecia que eu tinha gozado quando de repente sinto… Ela que até então estava com as perninhas abertas, foi fechando como se quisesse me expulsar de dentro dela, suas mãos apertando meu pescoço e quando olhei seus olhinhos estavam revirando aquela garotinha tinha gozando. Eu tentei continuar metendo, mas vi que estava incomodo pra ela beijei sua boca e tirei meu pau de dentro da sua bucetinha saindo de cima dela. Fiquei olhando aquele corpinho na cama. Linda como nunca, passei a mão no seu corpo e quando cheguei em sua bucetinha pude ver a minha porra escorrendo.
Abracei ela e disse – foi muito bom você é tudo que eu quero. Ela sorriu e disse – gostei também, desculpa porque eu parei. Eu disse – não tem problema, depois a gente faz mais né? Ela riu e balanço a cabeça. Perguntei – o que você mais gostou? Ela ficou sem graça, olhou pra baixo eu disse – fala vai não tem problema. Ela disse – ah… você chupando e quando eu parei foi muito bom e riu eu também ri e disse – você é perfeita, quer sorvete? Ela sorriu e disse claro que quero. Levantei e fui atender o pedido dela. Ela já estava à vontade no quarto do motel andando peladinha para lá e para cá. E agente estava só começando em breve continuo.

PS. comentários sempre são bem vindos leio todos e entro em contato com alguns

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 5,00 de 12 votos)
Loading...