No caminhão do meu vizinho

Autor

Meu nome é Rafael, quando tinha 14 anos e um vizinho meu, seu Aldo, de uns 50 anos que tinha um caminhão onde ele escondia revistinhas de sexo na cabine, para sua mulher e sua filha não achar. Um dia vi ele escondendo as revistinhas, e ele pediu segredo, que depois ele me mostraria. Ficava cobrando ele para deixar eu ver. A única vaga para estacionar seu caminhão era mais afastado de baixo de umas arvores e bem escuro. Por acaso ele chegou quando eu estava passando e ele me chamou para ver as revistinhas. Subi e sentei, seu Aldo então pegou duas revista para eu ver. Enquanto eu folhava, seu Aldo ficava me explicando as senas. Eu com meu pau dando pulinhos no meu short e tentando esconder dele. Seu Aldo começava a ficar excitado também e passava a mão em seu pau. Seu Aldo disse para eu não ter vergonha dele, e disse que também estava de pau duro. Quando saímos do caminhão, seu Aldo tirou o pau pra fora e iniciou uma punheta, para chegar em casa aliviado. Eu fiquei só olhando ele derramar todo seu leite nos arbustos próximos. Ele pegou um paninho que carregava dentro do caminhão e se limpou e fomos em bora. Ele disse que outro dia me mostraria umas outras. Cheguei em casa e bati uma no pátio mesmo. Fiquei com a imagem dele se masturbando na minha frente sem entender direito. Passou mais uns dias e seu Aldo me chama para ver revistinhas com ele. Encoberto pelas arvores e pela altura da cabine, seu Aldo sugeriu que nós dois tirássemos o pau pra fora, para ver as revistinhas. Eu não tive coragem, mas ele tirou o pau já duro pra fora. Deu uma revistinha pra mim e ficou com outra. Já na capa da minha haviam dois homens nus, olhei para a dele e era também de homens. Ficamos folhando e seu Aldo passando a mão no seu pau ereto. Seu Aldo mostra uma página que um recebe todo o leite do outro na boca e comenta que isto é muito bom e que faz tempo que ninguém chupava ele. Comento com ele que na minha revista um homem esta sendo feito de mulher por dois homens, e no fim tomava leite dos dois. Seu Aldo com toda a malícia do mundo diz pra eu ver que ele toma leitinho com uma cara de felicidade. Parecia que era verdade mesmo, ele sugava com vontade. Seu Aldo pergunta se eu já tinha feito isso alguma vez. Respondi que nunca tinha sido chupado. Seu Aldo logo vem com outra pergunta, e já chupou então. Disse que também não. Seu Aldo percebe meu olhar fixo no seu pau balançado pra mim, pega na minha mão e coloca no seu pau e pede para eu apertar um pouco, ele força minha mão a massagear seu pau, sinto vontade de fazer ele gozar seu leite como na revista. Ele pega uma revista e pede para eu fazer igualzinho, onde o homem esta lambendo e chupando. Tenho vontade de colocar seu pau na boca, mas preciso de um incentivo de seu Aldo, que segura minha nuca e leva minha boca em direção do seu pau, sinto o calor do seu pau na minha boca, aos poucos vou fazendo como seu Aldo gosta, ouço ele me dizendo que sou novinho e aprendo fácil. Logo sinto o gosto do seu leitinho na minha boca. Seu Aldo pedindo para eu engolir tudinho, mesmo não gostando muito, bebi tudo. Ele diz que deste jeito ele vai deixar eu ver todas as revistas da cabine. Aguardava todas as tardes seu Aldo chegar, mas ele chegou a semana toda muito tarde. Domingo a tarde encontrei ele limpando o caminhão pra fazer uma viagem na segunda bem cedo. Fiquei pedindo pra ver umas revistinha, ele mandou eu subir e pegar. Escolhi com uma bela gozada na boca e mostrei pra ele, que subiu também e já foi tirando o pau pra eu chupar, mesmo com o dia ensolarado, seu Aldo fechou as cortinas da cabine e deixou eu ficar mamando nele. Ele pediu para eu aparecer as 19h que ele queria que eu chupasse ele de novo, pra lembrar de mim na viagem. Voltei e fiz como ele gostava. Assim aprendi a gostar de chupar e dar prazer a qualquer homem. Contarei outras aventuras minhas de belos boquetes.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,00 de 1 votos)
Loading...