Lucas, meu enteado (parte 10) (José e Theo)

Autor

Olá a todos.
Meses corridos, não consegui escrever algo. Mas aqui está mais um capítulo de Lucas, meu enteado.
Esse será o capítulo 10 e terminarei de contar a história de José e Theo.

Depois que jantamos fomos ver TV na sala. Theo e José sempre juntos realmente como dois namoradinhos apaixonados. Vimos um filme e depois fomos para nossos quartos. Eu estava um tanto inquieto, ansioso. Deixei a porta do meu quarto aberta. Eu sabia o que estava querendo, ouvir eles transando. Fiquei deitado a espreita de algum barulho, mas nada. Talvez Theo estivesse cansado por ser criança e agora só queria dormir. Mas tinha certeza de algo, José estava afim de mais uma gozada e fazia questão que eu ouvisse. Digo isso, pois ele também não fechou a porta. Mas já se passara mais de vinte minutos e nada. Não ouvia nenhum movimento. Resolvi ir até a cozinha e assim passaria pelo quarto deles. A porta estava aberta e a luz acessa e ambos nus deitados na cama. Theo estava de bruços e José ao seu lado e fazia carinho em seu corpo. José estava excitado, mas não se masturbava. Ele me viu e sorriu tranquilo, ao que eu correspondi.
– Ele dormiu? – perguntei.
– Não, ainda não – José respondeu. – Só estou fazendo um carinho nele pra relaxar.
– Eu só levantei pra ir na cozinha beber água – disse. – Não quero atrapalhar vocês, não.
– Imagina – José disse sorrindo. – Jamais. Não atrapalha em nada. Fique a vontade. Não se limite por nossa causa.
– Pode ser que vocês fiquem sem jeito em me verem passando por aqui.
– Não, claro que não. Pode passar a hora que quiser – nisso ele perguntou a Theo. – Você fica com vergonha se seu pai ver a gente namorando?
– Não – Theo respondeu sem levantar a cabeça.
– Está vendo? – José disse sorrindo – meu namorado tem uma cabeça ótima, sem tabús, sem amarras. Uma alma livre e feliz!
Ao dizer isso ele se posicionou sentado com as pernas abertas sobre a bundinha de Theo e massageou suas costas. Seu pau estava teso apontando pra cima.
Apreciei a cena. Os dois nus. Um homem e uma criança. 32 versus 8 anos, mas se encaixavam e se encontravam com perfeição. E o carinho, a paixão e o amor que exalavam deles eram imensos, nítidos e contagiantes.
– Ele adora massagem – José ainda comentou.
Eu continuei olhando os dois e não pude deixar de sentir tesão pela cena. Meu pau endureceu e se mostrou sob o tecido fino do short sem cueca. E eu não importei que José me visse mais uma vez excitado, e de novo ele sorriu cúmplice constatando o meu prazer. Eu também sabia que a minha excitação provocava nele mais tesão. Via isso em seu rosto, seu olhar, seus gestos e no seu pau que pulsava incontrolável até babar nas costas de Theo. Ele passou o dedo e espalhou a baba, olhando nos meus olhos e demonstrando todo seu prazer. E nisso senti o meu cacete também estremecer e babar.
– Vou beber água – disse.
Fui pra cozinha com a imagem de José sobre meu filho o acariciando. Pensei na trepada deles que estava prestes a acontecer. Imaginei o pau de José dessa vez entrando inteiro no cuzinho de Theo, imaginei os gemidos animalescos de José quando sentisse a pica toda enterrada no cu de sua criança. Nesse momento pensei em quantas crianças já passaram pela pica dele, em quantos garotinhos como meu filho ou até mais novo ele já arrombou o cuzinho, botou pra mamar na sua vara tesa e cheia de leite. Esse pensamento me causou mais tesão e imaginei eu metendo em uma criança, meu pau sumindo dentro do cuzinho de um garotinho como Theo. Desejei sentir esse prazer. Bebi água e na volta quando chguei ao quarto deles me surpreendi com o que vi. José estava sentado na cama e Theo ajoelhado no chão entre suas pernas chupando seu pau. Sua cara era de extremo prazer e ele não esboçou reação ao me ver. Apenas soltou um gemido mostrando que a minha presença era muito bem vinda.
Minha atenção voltou para Theo que chupava com carinho e tesão o pau de seu homem. Theo saboreava cada pedacinho daquela pica, passava a língua com vontade, com amor e tesão. Lambia a baba que formava na cabeça da pica, lambia da cabeça até os ovos, segurava o cacete com as duas mãozinhas e punhetava cariosamente.
Theo notou minha presença e senti que ele ficou envergonhado, então eu disse:
– Pode continuar. Não fique com vergonha, não.
Ele ainda sorriu com vergonha e José alisou seus cabelos e disse:
– Não fique com vergonha, não. Seu pai não se importa. Isso é normal. Ele sabe que você gosta de chupar minha pica. Você não gosta?
– Gosto – Theo disse meio emcabulado.
– Então, meu amor, continue – José disse pegando o pau e passando no rostinho de Theo. – Continue chupando como você tava. Mostre pro seu pai como você gosta de chupar minha pica. Chupe bem gostoso pra ele ver e depois a gente deixa também ele ver eu metendo no seu bumbum. Você quer de novo no bumbum?
– Quero.
– Então, chupe. Chupe bem gostoso. Deixe bem melada pra eu enfiar toda em você.
José posicionou a pica na boquinha de Theo e logo o garoto começou a lamber e babar no pau. Ele fazia a maior festa em cima da pica. Tanto ele quanto José se soltaram completamente. Eu assistia da porta já com a mão dentro do short punhetando devaga, até que me enchi de tesão e botei o pau pra fora e continuei punhetando enquanto José fodia a boquinha de meu filhinho.
Ele segurava a cabeça de Theo e enfiava a pica até o garoto engasgar e com isso Theo babava muito em cima do cacete. Ele esfregava a rola na cara do garoto e gemia enlouquecido de tesão. Ele empurrou a cabeça de Theo pra dentro de suas pernas e ordenou:
– Chupe meus ovos.
Theo fazia tudo como José mandava e queria. Ele se empenhava em dar prazer ao seu macho. Eu achei muito lindo isso, como ele obedecia e queria.
José me convidou pra sentar ao seu lado e eu recusei. Tive medo do que poderia acontecer, pois sei o que a gente queria. Mas tirei o short e fiquei nu.
Theo chupou por mais algum tempo fazendo tudo que José mandava. Então José o deitou de bruços na cama e ajoelhou-se entre suas pernas e meteu a boca no seu cuzinho. Vi a cara de prazer de meu filho ao sentir a língua tocar seu buraquinho. Ele empinava a bunda e se contorcia e gemia. Fiquei admirado com o prazer que Theo sentia no rabinho. José caprichava no cuzinho de Theo, abria sua bunda e metia a língua fundo naquele buraquinho quente e úmido. Ele estava aprontando, deixando no ponto de levar rola.
José levantou a cabeça e ficou brincando com os dedos no cuzinho melado de Theo e se punhetando. Acariciando, forçando a entrada com um ou dois dedos, e tudo dava muito prazer a Theo.
José me disse:
– É muito gostoso. É a melhor coisa do mundo.
Eu punhetava com muito tesão. Parecia que meu pau ia estourar de tão duro.
– Por favor, pegue o KY na minha mochila – José pediu.
A mochila estava em cima da escrivaninha e eu entrei no quarto. Procurei pelo KY e pnsei: é agora que ele vai meter essa pica no cu do meu filhinho. Vou ver um homem de 32 anos fudendo uma criança de 8 anos.
Entreguei o gel a ele, que passou bastante na pica e no cu de Theo. Eu fiquei perto, muito perto. Vi ele posicionar a cabeça do pau no cuzinho minúsculo de meu filho. Pensei ser algo impossível, dado as dimensões extremamente diferentes. O pau de José perto da bundinha de Theo parecia ter ficado imenso e muito grosso. Ele colocou um travesseiro sob a barriga do menino pra ajustar a altura e com isso Theo ficou com a bunda bem empinada esperando o pau entrar. Duvidei que ele fosse aguentar aquela tora pulsante no rabo.
José posicionou de novo e forçou.
– Devagar – Theo pediu com medo da pica intrusa lhe rasgar inteiro.
– Eu sei, meu amor – José disse lhe acariciando. – Se doer você fala.
Ele passou mais gel e deu mais uma forçada. Eu vi o cuzinho abrindo e a cabeça da pica foi entrando lentamente até sumir.
– Tá doendo? – ele perguntou.
– Só um pouquinho – Theo respondeu dengoso.
– Você aguenta? – José quis saber.
– Hum hum – Theo consentiu que o macho continuasse a meter a pica em seu cu.
A cabeça já estava dentro e o pau pulsava querendo entrar mais. José era só tesão, e eu também. Ele olhou nos meus olhos e disse:
– Eu amo vocês. Muito!
– Também te amo – disse.
José empurrou mais pica pra dentro. Theo empinou mais procurando uma posiçao pro pau entrar mais confortável. Eu parei um pouco de punhetar pra não gozar. José parou na metade do cacete pra Theo acostumar. Olhou pro meu pau teso e sem que eu esperasse ele pegou em minha pica e apertou, punhetou devagar. Eu fiquei sem reaçao. Ele me olhava e pediu:
– Dê pra ele chupar.
Eu fiquei estático. Não soube o que dizer, ou como agir. Ele continuou alisando minha pica e disse:
– Deixe ele chupar seu pau. Ele quer. Faça isso pra ele. Você vai adorar. Deixe ele provar da sua pica.
Senti a mão de José percorrer meu pau, afagar meus ovos. Isso me deu muito prazer. Foi delicioso aquele momento e então eu me permitir. Fui pra frente de Theo e deixei meu pau na direção de sua boca. Ele olhou encantado e colocou a mãozinha e apertou. Eu não disse nada, apenas gemi de tesão e curti aquele momento. Theo me punhetou um pouco e logo passou a língua na cabeça da pica que babava e ficou com a boca aberta esperando que eu metesse. Acariciei seu rosto e passei o pau em seus lábios e enfiei a cabeça em sua boquinha quente e úmida, sedenta de pica. Enfiei mais até onde conseguia entrar e deixei que ele fizesse o resto. Ele fechou a boquinha e começou a sugar. Chupava muito bem, um expert, com vontade, desejo e prazer. Como um garotinho de 8 anos já podia gostar tanto de pica e sabia esufluir de uma, ou no caso, de duas, pois José ainda estava engatado no seu rabinho fudendo com carinho. Tirando e botando a pica bem lentamente até a metade. O cuzinho fechava e abria pra acomodar a rola grande, grossa e tesa que lhe fodia o cu infantil. Me deliciei com tudo e comecei a fuder em sua boquinha. Fiz igual José estava fazendo antes, segurei sua cabeça e enfiava até sentir ele engasgar na minha pica. Tirava pra ele respirar e metia novamente até sentir sua garganta estreita apertar meu pau.
Que tesão foi aquilo, ver dois homens adultos fudendo o corpinho de uma criança. Um fudendo no cuzinho e outro na boca. Fazendo da criança uma putinha, um viadinho pronto pra satisfazer seus machos. José puxou Theo para que ele ficasse de quatro pra gente, e as picas entravam em seu corpo com muito prazer.
José tirou o pau e passou mais gel, disse:
– Vou meter toda.
– Meta – incentivei.
Queria ver aquele cacete todo cravado no cuzinho, entrando e saindo inteiro e nosso viadinho choramingando de dor, mas o macho agora estava preocupado apenas com o seu prazer e só tiraria de dentro depois de despejar toda a porra acumulada.
José meteu até a metade e continuou forçando e nesse momento Theo começou choramingar com meu pau dentro de sua boca. José continuou a empurrar sem importar se Theo estava sentindo dores. Confesso que também não importei, apenas queria ver aquela pica entrar inteira.
Entrou tudo. Vi a cara de satisfação de José quando sentiu o pau todo dentro. Ele me olhava tomado de tesão e sorriu. Disse:
– Tá toda dentro.
– Inteira? – perguntei.
– Toda.
Theo reclamou que estava doendo muito, o que José disse:
– Relaxe. Vai ficar gostoso. O pau tá todo dentro. Sinta minha pica pulsando dentro de você. Rebole um pouquinho pra ir acostumando.
Theo começou a mexer a bunda lentamente pra ir acomodando com satisfação o cacete no rabo, e procurou novamente minha pica pra chupar. E logo estava rebolando com prazer no pau de José e chupando deliciosamente o pau do papai.
Pensei, como minha criança é uma putinha gostosa. Me arrependi de não ter aproveitado disso a mais tempo.
José voltou a foder. Tirava e metia deliciosamente. Theo empinava a bundinha pra receber a vara. Suspirava e gemia no meu cacete que não lhe saía da boca. Mandei que chupasse meus ovos. Que delícia sentir ele sugando minhas bolas. Que perfeição!
Eu e José gemiamos como dois animais. Nossos olhos se encontravam cúmplices, nosso prazer era imenso.
– Fode ele! – eu disse.
José meteu, fodeu com maestria pra eu ver. Tirava o pau inteiro e me mostrava.
– Mete toda! – eu pedia.
José atendia meus pedidos com imenso prazer e fodia meu filhinho.
– Venha – José disse.
– Oi? – perguntei.
– Venha provar – ele disse. – Venha meter nele.
José tirou o pau e me puxou pra trás de Theo. Ele fez todo o trabalho, passou gel em meu pau e mais no cuzinho de Theo. Segurou minha pica no buraquinho de meu filho e foi empurrando. A cabeça entrou e eu gemi. Foi delicioso. Segurei na bundinha dele e enfiei toda, senti toda dentro.
– Isso – José disse. – Fode gostoso. Mete toda. Enrraba seu garotinho. Sinta o quanto esse cu gosta de pica.
Eu meti, meti, meti com tesão. Fodi o cu de meu filhinho de 8 anos. José me incentivava, dizia coisas em meu ouvido e meu tesão aumentava, explodia. Senti José atrás de mim, encostando em meu corpo. Senti seu pau tocar em mim, em minha bunda. Ele botou as mãos em minha cintura e foi subindo até me abraçar e colar seu corpo no meu. Seu pau encaixou no meu rego e sua boca me beijou o pecoço. Ouvi seus gemidos em meu ouvido e ele disse:
– Eu te amo!
– Eu também te amo – respondi.
Ele procurou por minha boca e nos beijamos. Foi um beijo maravilhoso, cheio de paixão, carinho, amor e muito tesão. E ele roçava seu pau em minha bunda.
Que tesão aquilo. Eu enfiado em Theo e José atrás de mim fudendo meu rego. Sentia seu pau quente, melado e teso passando na minha bunda. Empinei e senti tocar meu cu. Sensação deliciosa. Gemi e empinei mais a espera de sentir o cacete entrar. E logo senti os dedos de José me lubrificar e a cabeça da pica procurando meu buraco. Fiquei parado sentindo o pau entar, enchendo cada espaço de meu rabo, me preenchendo. Que sensação maravilhosa. Entrou tudo no meu cu e eu gemi de prazer. Que delícia fuder e ser fudido. Meti toda em Theo e José engatou em mim. Me segurou com força e me fudeu com vontade. Senti cada estocada de sua vara no fundo do meu cu. Já estávamos trepando, urrando. Parei de fuder Theo pra sentir o cacete em mim. Fiquei empinado, o cu arreganhado e sentindo o pau entrando e saindo, entrando e saindo, me fudendo, me rasgando, me dando prazer, me enchendo de tesão.
– José tá metendo no seu bumbum, é papai? – Theo perguntou.
– Tá – respondi. – Ele tá me comendo, fudendo meu cu.
– Eu quero ver – Theo pediu.
– Venha ver – eu disse.
Desengatei de Theo e ele levantou pra ver José me fuder. Tomei o lugar de Theo e agora eu estava de quatro com José me comendo o cu.
– Você tá gostando, papai? – Theo quis saber.
– Estou, meu filho. É muito bom.
– Seu paizinho também gosta de tomar no cu – José disse. – Agora vou comer vocês dois todo dia. Venha ver de perto meu pau entrando no rabo de seu pai.
Theo chegou bem perto e ficou olhando o pau entrando e saindo no meu cu. José tirou e mandou ele chupar e ele caiu de boca no pau que acabara de me fuder.
– Seu pai quer chupar sua pica – José disse. – Bote a pica na boca dele.
Theo veio e me ofereceu o pauzinho pra eu chupar. Agora era eu a putinha, o viadinho que levava uma rola no cu e outra na boca. José meteu com força e gemeu. Fudeu, fudeu como quis. Meteu com força, devagar, toda, só a cabeça e me fazia gemer, suspirar, urrar de prazer sentindo o cu ser fudido. Me punhetava com muito tesão. Estava dando o cu, chupando uma pica e me punhetando.
José segurou forte na minha cintura e meteu fundo. Senti que ele ia gozar. Seu pau estremeceu dentro de mim e ele disse:
– Eu vou gozar, eu vou gozar.
– Goza. Goza gostoso – incentivei.
– Vou gozar dentro do seu cu.
– Me enche de porra.
– Eu tô gozando. Tô gozando. Que delícia! Ai ai ai que delícia.
Senti a porra de José escorrendo dentro do meu cu, me enchendo, me esquentando. E gozei também, gemendo e rebolando no pau ainda duro enterrado no meu rabo.
Pena que Theo ainda não gozava pra eu sentir sua porra escorrendo pela minha garganta.
Desabei na cama e José em cima de mim. Puxei Theo e ele se deitou também. Ficamos em silêncio sentindo o momento, sentindo nossas pulsações voltando ao normal, nossos corpos se acalmando. Senti o pau de José ir amolecendo e saindo de mim.
Theo olhava a tudo com encanto, então puxei ele pra mim e o abracei com muito amor, e José fez o mesmo. Também abracei José e nos beijamos mais uma vez.

Nos tornamos amantes os três. Transamos juntos, transamos só eu e José, as vezes só eu e theo, mas a maioria das vezes éramos nós três, onde experimentamos tudo.

Nos mudamos para o apartamento de José, pois era mais espaçoso e nos tornamos uma família. Dormíamos os três na mesma cama e nos amávamos cada vez mais.
José tinha uma governanta que trabalhava com ele há muito tempo e que era sua grande amiga, e ela sabia de nós três. Também soube que ela tinha um neto que agora estava com dezesseis anos, mas que foi uma das crianças que José manteve um relacionamento por muito tempo, com o consentimento da avó, e terminaram o namoro por decisão do garoto quando começou a ficar adolescente e declarou que queria experimentar outras coisas, garotos de sua idade. José me explicou que isso sempre acontece, que os garotos crescem e saem da relação em busca de outras coisas, mas que as pessoas pensam que o adulto que abandona o adolescente por não ser mais criança. José ainda me disse que ele amou muito aquele garoto e o amaria por toda a vida e que sempre sentiria muito tesão por ele mesmo sendo adulto, mas que a desiçao da criança tem que estar em primeiro lugar.
E assim aconteceu também com Theo que começou a sentir interesse por outros garotos e um dia chegamos em casa e ele havia trazido um colega pra casa e quando chegamos no quarto dele ele estava chupando esse amiguinho que tinha 15 anos. E com novas descobertas ele foi se afastando sexualmente de nós, mas continuamos a ser uma familia, porém a cama era agora apenas minha e de José.
Eu e José procuramos orfanatos e nos tornamos padrinhos de algumas crianças, e podíamos nos finais de semana levar esses garotos pra nossa casa. E muita coisa aconteceu.
Já se passaram mais de 20 anos e eu e José ainda continuamos juntos e nos amando muito. Theo mora na Itália com seu namorado e sempre vamos visitá-lo.

Então aqui termino essa história. Agradeço a todos que acompanharam, incentivaram e gostaram. Não vou pedir desculpas aos que não gostaram, que criticaram.
Um grande abraço a todos e até mais quando contarei novamente sobre Lucas e Isabel.

ATT: Daniel Coimbra.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,43 de 7 votos)
Loading...