#

Afilhada do Interior I

904 palavras | 12 |4.53
Por

Este fato é real, portanto vou omitir nomes de lugares. Sou Roberto, tenho 46 anos moro em uma cidade do Pará, casado há 16 anos com Beatriz 36 anos não temos filhos. Temos um compadre no Interior, que tem um monte de filhos e somos padrinho de uma menina de 11 anos. Eu sou aposentado devido um acidente e minha mulher trabalha em um hospital. Compadre Francisco adoeceu e mandou me chamar, minha mulher não pode ir, então fiz umas compras e peguei estrada uma viajem 215 km ate o lugar que compare morava, Já cheguei lá a noitinha, entreguei as coisas a comadre ela ficou alegre e disse que ia fazer o feijão pois estava a dias se alimentando mal, que com a doença do marido. Quando foi par dormir faltou lugar, minha afilhada Clara e a irmã mais nova Eunice de dormiam em um quatro, cada uma numa cama de solteiro, a comadre atou uma rede e mandou a minha afilhada dormir, pra mim a cama dela, a cama era pequena e dura e eu ficava me mexendo o tempo todo, minha afilhada também não conseguia dormir, então eu perguntei tá sem sono, ela disse é que eu não consigo dormir na rede, ai eu disse então dorme aqui que eu durmo na rede, ela disse a rede não lhe aguenta e é muito pequena, ai eu brincando disse então dorme aqui comigo, ela mais de pressa POSSO, levantou eu me afastei para a beiradinha da cama e ela deitou na outra beira só que cama de solteiro não teve como não encostar nela, encostei a costa na parede e coloquei a mão por cima da cintura dela, ela pegou o lençol e jogou por cima de nos me cobrindo da cintura pra baixo, ai fiquei alisando a cintura dela, ela disse sua mão é macia e se encostou de vez em mim, como eu estava com um short de seda o contato com a bundinha dela parecia que estava na pele, o pau subiu e fiquei esfregando bem devagar, ai fui passando a mão em todo o corpo dela sempre devagar como estivesse fazendo carinho, ai coloquei o braço por debaixo da cabeça dela e ficamos de conchinha, e a outra mão continuava percorrendo o corpo dela, passei a mão pela bundinha dela e na virilha e ela se ajeitava par facilitar as minha investidas, como ela usava com um camisão feito de pano que mais parecia uma mortalha, levei a mão ate as pernas e fui subindo já trazendo o camisão junto e ela suspendeu o quadril para que o camisão subisse totalmente ao fazer isso a porta do quarto abriu e a comadre entrou levei um susto do caceta mais não me mexi, a comadre falou, Clara vai pra tua rede deixa o compadre dormir, ai eu disse ela não conseguiu dormir na rede comadre, deixa ela dormir ai, a comadre disse o sr. Da muito dengo pra ela compadre, pois é comadre eu não tenho filho e ela é como minha filha. A comadre saiu e eu respirei aliviado, eu disse Clara vai pra tua rede, ela disse o Sr. Não que mais que eu fique aqui com o Sr. Eu disse tá bom então e já fui com a mão direto na calcinha dela, ela tornou suspender o quadril e deixou a calcinha sair, coloquei o pau pra fora e comecei a passar na regada da bunda dela e ela se ajeitava toda para o meu pau passar por cima da buceta dela, que tava toda meladinha, me levantei a porta não tinha chave encostei uma cadeira para dificultar se alguém quisesse entrar, deitei de novo e tirei o short por completo, e suspendi a perna dela e encachei o pau na bucetinha dela, percebi que ela não era mais virgem pois apesar de ter alguma dificuldade o pau ia entrando, e fui socando e socando e ela gemendo baixinho, eu controlava pra não gozar, me ajeitei e passei pra cima dela num papai e mamãe, ai soquei com vontade e ela gozando começando a fazer uma alarido, eu com medo comecei a beijar a boca dela e gozei como um cavalo inundando a bucetinha dela de porra. Perguntei pra ela quem tinha tirado o cabaço dela me disse que foi o irmão, mais que foi só uma vez doeu muito e ela não quis mais dar pra ele. Dormi e acordei 5 horas da manha com um sono do caralho a irmã continuava dormindo, passamos amanha e depois do almoço o compadre Francisco mandou me chamar dizendo que a situação dele era muito difícil e que me chamou para me entregar minha afilhada, pois sabia que comigo ia ter um futuro melhor. Então e marquei que voltaria para minha Cidade no outro dia de manhã, a menor Eunice de 9 anos começou a chorar dizendo que também queria ir. Nessa noite a menor não deu folga depois que o compadre e a comadre deixaram ela ir com a irmã foi um agarrado comigo que não deu folga de foder a outra, No outro deixei dinheiro com o compadre e fui embora levando as duas, continua
Se Gostaram deixa seu comentario

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,53 de 36 votos)

Por #

12 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Ana Júlia

    Muito bom

  • Responder MAX

    Tem que gozar dentro mesmo. …se já perdeu o cabaço com o irmão tem que fuder mesmo… buceta serve pra isso mesmo

  • Responder Caçador de pedofilo

    Bando de pedofilos!! Eu vou fazer de tudo para hackear vcs! Vcs merecem o pênis arrancado a força! Joga vcs numa cadeia onde vao estourar o cu de vcs e depois matar!

    • MAX

      oq vc faz aki então. ..pedófilo encubado do caralho …se
      já bateu a sua punheta , então foda se

  • Responder Alexandre

    Maravilha!Adoraria transar com mãe e filha,meu e-mail é:[email protected]

  • Responder Anderson

    Pena que nunca encontrei um compadre, amigo ou familiar que me entregasse uma delicia assim. Adoro incesto.

  • Responder clovis ilmar barros da silva

    Maravilhoso, queria ter um comprade assim, nota 1000.

  • Responder Caio

    Queria ter a sua sorte, tenho 18 anos e sou louco pra transar com uma novinha assim

  • Responder Lunocu

    Bom gostei quase gozei, mande outro

  • Responder Nando

    Que sorte hein? Duas delicinhas, a de 11 já foi, não será difícil iniciar a de 9. Conta logo.

  • Responder Tarado por noivinhas

    Que conto mais delicioso não demore pra continuar

  • Responder Rico

    Foi ilario, mas vou aguardar as demais, mas sem demora hein Paulo