# #

Subindo o Monte Roraima

1497 palavras | 3 |3.57

Sou casada, tenho 30 anos e sou de São Paulo, me chamo Luciana e desde adolescente que eu tinha o sonho de subir o Monte Roraima, o meu marido não é muito de caminhar e por diversas vezes eu pedi para ele me levar, mas e ele nunca aceitou, o meu aniversário de 28 anos estava se aproximando então nem uma sexta feira o meu marido chegou do trabalho com uns panfletos de uma agência de turismo que faz o passeio ao Monte Roraima, falou que não iria, mas me daria á viagem, desde que eu conseguisse converse a minha mãe, minha irmã ou minha sobrinha para ir comigo.
Eu fiquei louca de felicidade, mal cabia dentro de mim.
Minha mãe dona Márcia tem 55 anos e é uma coroa em forma, e é separada do meu pai há muito tempo, minha irmã Luana é casada e tem 33 anos e a filha dela, minha sobrinha tem 16 anos, liguei para todas e contei a novidade e falei que no domingo conversaríamos pessoalmente, temos o habito de todos os domingos almoçarmos na casa dos meus pais.
No domingo todos reunidos eu falei que não aceitaria desculpas, apenas queria saber qual das três iria me acompanhar, minha sobrinha de cara descartou, pois não poderia passar 12 dias sem ir ao colégio, 12 dias seria o tempo da viajem, pra ser sincera achamos bom essa atitude dela, pois como ela ainda é menor de idade poderia complicar na viajem.
O marido da minha irmã falou que caso ela quisesse ela poderia me acompanhar sem problemas, minha mãe por sua vez falou que se á Luana no fosse ela iria, foi então que o meu cunhado perguntou por que não ir ás três? Então o meu marido falou que se fosse ás três, ele pagaria duas passagens e o meu cunhado a outra, então assim ficou acertado.
Pegamos um voo de São Paulo, á Boa Vista no AC, e de lá seguimos de carro até a fronteira com a Venezuela, e nos hospedamos em uma pousada “3 Nações”, onde encontramos aqueles que seria os nossos guias durante a subida e mais sete pessoas que subiria o Monte, para nossa surpresa só havia nós três de mulher, três mulheres e sete homens.
Uma caminhoneta nos levou até o ponto de partida da nossa caminhada que seria de 50 km até o topo, isso faríamos em 3 dias, fizemos logo amizade com o grupo, caminhamos até a nossa primeira parada, onde os guias armaram ás barracas aonde passaríamos a noite e foram preparar a nossa janta.
Após o jantar “Totalmente improvisado” fizemos uma fogueira e ficamos ali conversando e cantando, nesse momento os guias avisaram que armaram 05 barracas e que era para dormir duas pessoas por barraca, então eu perguntei; E agora? Carlos um moreno malhado e que passou boa parte da caminhada conversando com minha irmã perguntou para a Luana se ela aceitaria dividir a barraca com ele, para minha surpresa ela respondeu que “Tudo bem”!
A Luana foi pegar a bolsa dela para ir dormir em uma das barracas com o Carlos, e eu e minha mãe acompanhamos então eu falei:
– Luana você acha certo ir dormir com esse cara e logo no primeiro dia?
Luana olhou para mim e para minha mãe e falou:
– Nós vamos ter que fazer um acordo entre nós três, tudo que acontecer nessa viagem vai ficar apenas para nós três, e vamos aproveitar desde o primeiro dia sim, ou vocês acham que vamos passar 04 dias com esses caras e eles não vão tentar nada? Estamos no meio do nada e quando voltarmos, cada um vai para o seu lado, então vamos aproveitar.
Ela pegou a bolsa e foi á uma das barracas com o Carlos, eu olhei para minha mãe e perguntei:
– O que a senhora acha sobre o a Luana falou?
Minha mãe olhou para mim e falou de uma forma como se naquele momento não fosse a nossa mãe:
– Á Luana é casada e hoje com certeza ela vai transar com outro homem, ela vai realmente aproveitar o passeio, o que realmente devemos fazer é aproveitar e quando pisarmos em São Paulo, esquecermos esse detalhe.
Então voltamos até onde os homens estavam, um rapaz de 22 anos sentou perto da minha mãe e ficaram conversando, eu logo imaginei o que viria, então pensei: “Se minha mãe não vai dormir comigo, um desses caras vai ter que dormir comigo na barraca”, então puxei assunto com um cara que tinha uma aliança de casado, o nome dele era João e perguntei por que a esposa dele não estava no passeio, ele falou que ela não gosta e dai fomos conversando.
Minha mãe me chama e diz que vai dormir com o Alexandre o rapaz de 22 anos, eu então falo:
– Mãe, ele é muito novinho!
Confesso que a minha mãe jamais flou comigo assim, e simplesmente respondeu:
– Ele gosta de coroa, Será que eu vou dá conta?
E saiu sorrindo, então eu pensei: “Meu Deus, está tudo perdido”. Nesse momento o João e perguntou se eu iria dividir a barraca com ele ou com outro, então eu falei que poderíamos dividir sim, então fomos a uma barraca.
Deitamos e eu virei de costas para o João e não conseguia dormir, foi quando o João me abraçou e eu senti que o pau dele estava duro, então tentei me afastar e ele me segurou com mais força e começou a beijar o meu pescoço, quando eu dei o primeiro suspiro ele me virou e começamos a nos beijar, tiramos ás nossas roupas e ele ficou em pé e eu comecei a chupar o pau dele então ele me deitou e chupou a minha buceta, transamos muito.
No outro dia levantamos e eu fui encontrar minha mãe e minha irmã e fomos tomar café da manhã para seguir a caminhada, minha irmã rindo perguntou como foi a nossa noite, eu então falei que ela perdeu o melhor, pois não viu com quem mamãe havia dormido, então quando eu falei, Luana começou a rir e com a cara sínica perguntou se ela havia dado conta, minha mãe então falou:
– Hoje eu vou pegar um mais velho, pois o novinho não me deixou dormir, me comeu a noite toda! Risss
Eu fiquei boba com a resposta da minha mãe, então a Luana completou:
– Então Mamãe a senhora fica com o meu e eu pego o novinho! Kkkkkkkk
Então eu perguntei:
– Vocês não vão ficar com os mesmos?
Luana respondeu:
– Luciana, de fixo já basta os nossos maridos! Kkkkk
Na segunda noite a minha mãe acabou indo dormir com o João e a Luana foi com o Alexandre, e eu fui com o Rinaldo um moreno quase negro, no outro dia já estávamos todos íntimos então no café da manhã o Alberes falou:
– Isso aqui está errado, o Alexandre já comeu a Luana e já comeu a Marcia, o Carlos Já comeu a Luana, o João já comeu a Luciana e a Mãe dela e o Rinaldo já meteu com a Luciana, e os outros? Então vamos dividir direitinho e hoje a noite tem Eu, o Plinio e o Davi que não comeu ninguém.
Todos caíram na risada e na nossa última noite da caminhada eu trepei com o Plinio, minha mãe com o Davi e a Luana com o Alberes.
Então chegamos ao topo do Monte e a noite fizemos uma fogueira e foi uma putaria, estava muito frio então o Alexandre falou para eu, minha mãe e a Luana jogasse porrinha e a que perdesse pagaria uma prenda, então aceitamos e a minha mãe perdeu, então o Alexandre propôs que todos os outros homens jogassem porrinha e o ganhador seria chupado pela minha mãe na frente de todos.
O Davi foi o vencedor, minha mãe então levantou e começou chupando o pau do Davi, então o Alexandre colocou a rola pra foro e foi esfregar na cara da Luana, ela começou a chupar, então começou a putaria, eu, minha mãe e a Luana, sendo comidas pelos 7 homens.
Quando voltamos para São Paulo, a Luana nos lembrou para esquecermos o que havia acontecido, pois ela e eu éramos duas senhoras casadas então olhou para minha mãe e perguntou:
– Mãe agora falando sério, com qual dos seus dois genros a senhora treparia?
Todas caíram na gargalhada…

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,57 de 7 votos)

# #

3 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Cabloco

    Tudo isso aconteceu aqui do Meu lado em Boa vista jkkk

  • Responder Paulo

    Me mande um email qro te conhecer. [email protected]

  • Responder Cafajeste

    eu gostei bicha trepona kkkkkkk