Fui desmoralizado pela minha mulher, mais adorei

Bem o que vou contar para vocês aconteceu comigo agora neste começo de ano, sou casado, maduro, sou bi sexual passivo enrustido, sou muito discreto, nem minha mulher sabe de nada desconfia mais nunca viu, isso pelo fato que eu falo alguma coisa na hora do sexo, chamo ela de puta, vagabunda, que ela adora dar a boceta, em fim, ela na verdade não entendia nada, mais eu sentia um tesão enorme só em pensar vendo ela foder com outro, ela adora sexo, anal, e oral, eu dizia chupa sua puta a rola do seu macho, ela curtia, a gente gozava gostoso.
Ela uma lora bonita gostosa, uma bunda carnuda saliente, pernas grossas, um pouquinho acima do peso mais gostosa, chama bem a atenção, madura, adora roupas chamativas, mostrando a bunda e as pernas, eu percebia os olhares dos homens para ela, moramos sozinhos os filhos já casados, gosta de beber, mais e fraquinha na bebida.

Um final de semana fomos a uma churrascada no clube, aniversário de um amigo, ´piscina muito sol, ela bronzeada, colocou um biquine e ficou na piscina, o biquine era bem comportado, mais a bunda chamava a atenção, ela tomou algumas caipirinhas, teve um jogo de futebol, assim que terminou o jogo sabe como é a sede de um chopps bem gelado era uma aglomeração só homem, ela veio pegar chopps nossa eu percebi que alguns ate encostava nela, aquele bundão, na brincadeira eles estavam sarrando ela e ela adorando aquilo tudo, só que abertamente, eu fazia que não estava vendo, notei que o Flavio um negrão boa pinta, sarado bem mais novo, ficou atrás dela, encostado na bunda dela, quando ela saiu dali percebi a risadinha dela para ele e notei que ele saiu rapidinho da aglomeração e deu para ver o vergalhão formado na sunga, nossa parecia ter uma caçeta grossa, fiquei na hora de rola dura , depois o Adalberto um mulato também chegou a encochar ela, pelo sembrante dela ela adorou, eu estava preocupado porque ela já tinha bebido e passado um pouco da conta, o Adalberto foi para a piscina, e lá eu vi que ele também abraçou ela pelas costas, sabe como é clube as outras mulheres poderiam ficar constrangida e reclamar para a administração, chamei ela e tive uma conversa com ela, ela me respondeu e dai, você não me chama de puta, eu então disse a ela seja puta numa cama, não aqui na presença de outras pessoas, se comporta , passou algum tempo a coisa estava ficando mais complicada, eu chamei ela para irmos embora também já era umas 17 horas, ela já de fogo, subiu no carro só de biquine no banco de trás eu forrei com uma toalha pois ela estava com o biquine molhado, ainda escutei uma gracinha, ela disse quer que eu tire o biquine vou pelada, na verdade quasse que eu disse então tira, mais se eu falasse era capaz de ela tirar mesmo, eu disse vou me despedir dos amigos, ela falou trás uma caipirinha para mim.

Me despedi de alguns amigos o Flavio disse tu vai embora, eu disse sim, ele disse me da uma carona, tudo bem, eu então já imaginando alguma coisa disse a ele aproveita e pega uma caipirinha para minha mulher ela esta lá no carro, nisso o Adalberto também pediu carona, e fomos embora, chegando no carro o Flavio estava conversando com minha mulher, eu só escutei ela dizer não tem problema, eu cheguei e disse vai Flavio vai ai atrás que o Adalberto vai aqui na frente , e fomos embora, do clube ate o centro da Cidade demora mais ou menos uma meia hora, mais eu ia devagar devido ter bebido, minha mulher bebendo a caipirinha, notei pelo retrovisor que ela estava segurando na rola dele, nossa fiquei com medo do Adalberto ver, e com medo pois eu estava prestando a atenção nos dois e me desligando do volante, regulei o retrovisor para poder ver melhor, vi quando ela jogou caipirinha na cabeça da rola dele, uma chapeleta, e logo começou a chupar aquela rola, nossa eu estava ficando louco, de tesão, não prestava atenção na conversa do Adalberto, ele se virou para olhar atrás e viu o ela chupando o Flavio, nossa ficou vidrado, tirou a rola para fora e ficou punhetando, eu então segurei na rola dele, que por sinal uma bela rola também, uns 18 cm grossa, o Flavio tirou o biquine dela virou ela de lado e começou a penetrar nela, ela gemia pedia devagar ele meteu tudo nela, ela então disse olha corno agora sim eu vou ser uma puta mesmo, veja o que ele esta fazendo com a minha boceta, me arrombando todinha, eu já estava quasse perto de casa, disse a ela e melhor irmos para casa e foder na cama, ela disse isso mesmo, hoje quero ser arrombada, na boceta e no cu, e fomos, ainda bem que meu portão e totalmente fechado e com controle, entrei na garagem ela ainda estava fodendo o Flavio pegou ela no colo tipo cavalinho com a rola todinha lá dentro e levou ela para o quarto, ficaram metendo, o Adalberto acabou gozando na minha boca tomei todinho o seu leitinho, se lavou e foi para o quarto, ela estava cavalgando na rola do Flavio, deu um lubrificante para o Adalberto ele foi e começou a meter no cu dela, nossa ela gritava de tesão e dor a primeira vez que fazia uma dupla penetração os três gozaram, o Adalberto tomou um banho e foi embora era casado, eu pedi sigilo, ele disse pode ficar sossegado enquanto eu fui no portão levar o Adalberto o Flávio estava tentando foder o cu dela, só que a rola dele era muito grossa mesmo, muito cabeçuda e grande 23 cm, ela reclamou chorou mais aguentou tudo ate o saco, nossa que delicia, escutei quando ela disse não goza rápido não demora bastante tira tudo e colocava de novo, ele colocou ela de quatro e fodia o cu dela, nossa demorou bastante ela gritava, e dizia esta vendo seu corno agora sim pode me chamar de puta, vagabunda, pois de hoje em diante vou ser mesmo, vou dar meu cu bastante, para este negrão ele sabe arrombar um cu, ela gritava, mete negrão , mete, arromba o meu cuzinho, goza lá dentro, eu fiquei ate preocupado dos vizinhos escutarem, dizia a ela grita mais baixo os vizinhos pode escutar, ela respondeu que se foda que escute, nossa fiquei com mais tesão ainda , o que fiz abri a janela fiquei observando se tinha algum vizinho escutando, nossa fiquei louco de tesão no vizinho tem um rapaz filho do vizinho caminhoneiro que é muito gostoso, eu sei que eles foderam bastante, foram tomar um banho eu servi mais uma bebida misturei Wisqui , com guarana, o dela bem forte, queria que nesta noite ela fosse mesmo arrombada, voltaram para a cama ficaram se beijando como dois namorados, o Flavio ficou de rola dura de novo, nossa de perto que se via que a coisa era grossa mesmo, ela pediu para ele meter no cu dela, ela adora dar o cu, mais que na boceta, nisso escutei barulho de caminhão , era o vizinho chegando, a janela meio a berta, eu disse a ela não faz muito barulho o caminhoneiro esta chegando, a janela dá para o quintal dele, eu moro num sobrado, nossa foi a mesma coisa eu pedir para ela gritar, ela dizia isso negrão fode este cu fode, ela deitada com a bunda para cima ele ajoelhado sobre suas pernas e metendo a rola no cu dela, nossa ela gritava isso me arromba, gostoso, me arromba, fode meu cuzinho, nossa eu já tinha gozado umas três vezes, o Flavio judiando do cu dela, ela dizia não goza rápido não, e ela fazendo escândalo, eu fui olhar na janela o vizinho estava olhando para a minha janela, e me viu deu uma risadinha, eu imaginei o que ele possa ter pensado se ela esta gritando tem alguém fodendo com ela, eles gozaram, ela desmaiou o Flavio tomou um banho e foi embora , eu fui com ela ate o portão, estava me despedindo dele o caminhoneiro vizinho aparece no portão, e fez questão de me cumprimentar e deu uma risadinha, nossa, voltei minha mulher desmaiou eu aproveitei e comecei a chupar o cu dela cheio de porra e gozei de novo nossa que domingo maravilhoso.

Numa outra oportunidade eu conto como terminou a historia com o caminhoneiro.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,50 de 2 votos)
Loading...