Juninho, meu irmão emprestado 2

18-02-17 1 ★ 3.00

Como relatei no conto anterior( Juninho, meu irmão emprestado ) meu irmão postiço fodia com meus amigos quase diariamente, depois de uma pescaria que fui descobrir tudo, tive um misto de ciúmes, inveja, raiva etc. pq eu já estava com 14 anos e ainda era virgem, as única vezes que fodi foi quando comia as cabras e ovelhas do nosso sítio, mas foram poucas vezes, queria sentir o gosto de uma buceta ou um cu de verdade.
Mas enfim depois da pescaria, chegamos em casa, arrumamos nossas coisas, no caso eu arrumei né ,pq o Junior como sempre não ajudava em nada. Depois de tudo guardado fui tomar e assistir e dormir, pois no outro dia tinha aula cedo, nossos pais foram deitar e só ficou eu e Juninho na sala, foi então que resolvi falar pra ele que sabia de tudo, que ele dava pros meus colegas, que havia visto ele fudendo com o Fernando e depois tinha visto eles fudendo no colchão, ele riu e disse que não era pra contar pro seu Gustavo, e seu eu não contasse daria pra mim também. Eu concordei e ele me disse que o dia que os guris não o comesse ele daria pra mim.
Já na segunda-feira a tarde eu estava no trabalho e o Juninho me chamou, eu fui e ele pediu pra eu cuidar a nossa casa pois ele ia dar pro Fer, eu aceitei, mas disse que depois eu o comeria, ele meio que não quis, então eu disse não cuidaria, o Fer chegou e me convenceu a vigiar, eles entraram e depois de uns 5 minutos, já começou os gemidos deles, então fui espiar, e olhei pelo buraco da porta e vejo o Juninho peladinho de quatro e o Fer com a bermuda nos joelhos e mandando vara no meu “irmãozinho” eles gemiam alto e o Fer, metia sem dó, com toda a força e o Juninho rebolava e gemia, meu pau ficou duraço e eu queria bater uma punheta, mas resolvi esperar e cuidar a casa. Depois de uns 20 minutos de muita meteção e gemidos eu ouço o urro do Fer anunciando que ia gozar, e logo saíram suados, o Fer foi pra casa dele, o Juninho me disse que a noite me pagaria o favor e eu voltei a trabalhar.
Quando chegou a noite eu chamei o Juninho e o intimei pra me dar, ele disse que não estava bem , pra deixarmos pra outro dia, fiquei furioso, mas ele fingiu pro pai dele que não estava bem, fui pro quarto, bati uma punheta e dormi. A semana foi passando e Juninho fudeu com o Fer e com o Wagner todos os dias, e sempre dava um jeito de desviar de mim a noite, estava ficando bravo com a situação, até que no sábado eu intimei o Juninho, e ele me disse que só foderia comigo se meu pau fosse igual ou maior que o dos guri. Eu fui até o banheiro iniciei uma punheta e chamei o Juninho pra ver minha rola, que na época tinha uns 17 cm, ele ficou admirado com o tamanho, pois a dos outros guris eram menores, então disse que se ele não desse o cuzinho pra mim eu daria um jeito do seu Gustavo pegar ele dando pros meus colegas, ele disse que daria sim, só deu antes pq achava que eu tinha um pau pequeno.
Esperamos anoitecer, nossos pais foram ao baile no salão da cooperativa como de costume, eu e o Junior fomos também, mas por volta das 23 horas eu o chamei pra irmos pra casa que ficava há uns 2 quilômetros da cooperativa, peguei minha bicicleta e o Junior subiu na garupa e partimos, chegamos em casa tomamos banho e fomos pro quarto, eu confesso que estava sem jeito, pois ali seria a minha primeira transa, e seria com um outro homem e meu irmão emprestado, realmente estava muito nervoso, mas ele estava de boa, já se banhou, ficou peladinho andando pela casa e logo foi pro quarto e me chamou, eu fui tremendo, ele me tranqüilizou e começamos a conversar,
Juninho me contou que na cidade ele sempre fudido, dava para alguns colegas da escola, sem falar que as vezes dava para alguns adultos, foi contando as suas aventuras e eu ficando excitado, eu estava apenas de cueca. Juninho foi passando a mão nas minhas coxas e chegou no meu pau, ficou massageando ele até chegar ao ponto de bala.
Ele tirou sua roupa e minha cueca e caiu de boca na minha rola, confesso que fui ao céu, era a primeira vez que recebia um boquete, ele mamou por uns 5 minutos, eu me segurei pra não gozar, pedi pra ele parar um pouco, então foi eu que parti pra cima dele, comecei a chupar os mamilos dele, seu pescoço, mordia suas orelhas, ele gemia, alto, nos beijamos na boca, ele retribuiu minhas caricias e me chupou todo, ficamos nessas preliminares por uns 30 minutos, até que chegou o grande momento, Juninho ficou de quatro e eu fui enfiando minha vara, comecei desajeitado, pois até aquele momento só havia comido umas cabras, e com elas metia com força, ele foi me instruindo de como deveria ser.
Comecei a meter direitinho, primeiro lento e depois fui acelerando, socava e gemia, ele também gemia e mandava eu socar com força, mudamos várias vezes de posição, comi ele por uns 30 minutos, até que anunciei que ia gozar e ele me pediu pra gozar na boca dele, assim o fiz, enchi a boca dele de porra, Juninho engoliu tudinho, não deixou uma gota sequer. Depois da gozada eu caí de lado na cama todo mole, pois a foda tinha sido muito boa, era a primeira vez que eu comia um cuzinho e que eu trepava com um ser humano, e foi muito bom mesmo, após alguns minutos começamos a conversar e Juninho me confessou que não tinha dado pra mim antes pq pensava que por eu ter apenas 14 anos não tinha rola suficiente para satisfazê-lo, mas depois desse dia daria pra mim sempre. Ficamos conversando um bom tempo, ele me contou como era sua vida na cidade, suas aventuras até que ouvimos nossos pais chegando e fomos cada um pra sua cama, pelados mesmo, apenas nos cobrimos, minha chegou e foi nos olhar no quarto, acendeu a luz e da porta mesmo nos olhou e foi pro quarto dela, eu e Juninho continuamos deitados e partir desse dia eu comia ele quase toda noite, aprendi muitas coisas relacionadas a sexo com ele. Nossa relação durou quase um ano até que fomos descobertos e tivemos que nos separar.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,00 de 2 votos)

1 comentário

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos

  1. Gostoso João

    Que conto Perfeito, não aguentei de tanto Tesão que gozei bastante! Uma pena que sou filho caçula, por que se eu tivesse um Irmão caçula ou um meio Irmão não pensaria duas vezes de ter uma aventura sexual com ele. Parabéns mesmo, eu AMEI seu conto!