Meu priminho me quer (Parte 1)

Olá,
Aqui é o Pedro Juliano e tenho 34 anos.
Recentemente escrevi o relato “Meu sobrinho me deseja“, sobre o meu sobrinho Brian, e agora vou escrever sobre meu primo-sobrinho Kevin.
Kevin é filho do primo da minha esposa. Ele tem quase 10 anos e é uma criança muito amorosa. Fazia muitos anos que eu não o via, até que o reencontrei no churrasco de Ano Novo, na casa do meu cunhado.
Como ele gosta muito de games, ele logo grudou em mim. Conversando com o pai dele, descobri que ele é um menino muito sozinho, pois a mãe não quer saber dele e largou o pai, e o pai fica fora o dia todo, trabalhando. Resumindo, ele fica sozinho na maior parte do dia, de segunda a sexta.
Depois daquele dia eu resolvi dar uma atenção especial pro Kevin, e consegui pegar o Whatsapp dele através do pai dele.
Começamos a trocar mensagens todos os dias, sobre jogos e coisas nerds. Ele já tinha ouvido falar muito de mim, pelo seu pai e seus tios. Ele adorou a ideia de conversar comigo, e agora eu havia virado seu amigão.
Como eu estava de férias, e eu tinha que ir fazer um servicinho na casa da minha mãe, eu resolvi convidar ele pra passar o dia comigo na casa da minha mãe. Ele ficaria jogando videogame com meu sobrinho enquanto eu fazia o servicinho, depois ele tomaria um banho e eu o levaria embora.
Ele adorou a ideia, pois ia jogar videogame comigo e ia sair de casa.
Fiz o serviço de manhã, enquanto ele ficou jogando com meu sobrinho. Paramos pra almoçar, e depois do almoço eu estava acabado e precisava curtir uma preguiça. Deitamos num colchão que tinha na sala da casa da minha mãe, e ele ficou me mostrando uns jogos no seu celular. Nisso ele foi se aproximando de mim, até que encostou a cabeça no meu ombro. Eu o abracei e senti que ele estava se ajeitando mais pra perto de mim. Continuei vendo o que ele estava me mostrando, e por algum motivo tive vontade de descer um pouco minha mão, que estava em suas costas. Desci com a mão até a sua bundinha, pequena e redondinha. Ele não se incomodou com isso e continuou me mostrando o celular. Passei a outra mão no seu rostinho pra tirar uma sujeirinha da sua testa, e percebi que ele empinou um pouco a bundinha na minha mão. Aquilo me deu tesão. Estava com a mão aberta em sua bundinha, encaixando completamente. Peguei o dedo do meio e comecei a passar bem devagar no meio da bundinha, tentando achar a abertura. Ele continuou empinando a bundinha, e eu ficando cada vez mais melado.
Subi a mão e coloquei em sua barriguinha, fiquei a acariciando, e ele gostando, depois desci um pouco a mão de modo que a ponta de um dos dedos chegasse no shorts, perto do pau, e ele continuou gostando.
Depois ele quis ver uma coisa no meu celular, que estava na minha mão, então eu comecei a pulsar meu pau, muito duro, bem na hora que ele tava olhando pra minha mão mexendo no celular. Com certeza ele viu meu pau, e era exatamente essa a intenção.
Estava calor e ele queria entrar um pouco na piscina. Tinha uma piscina bem pequena na minha mãe, de menos de 1000 litros, e nós entramos. Ele não tinha sunga, então falei pra ele ficar só de cueca. E ele entrou na piscina, só de cuequinha. Eu entrei com o meu shorts, sem cueca (pra quem leu meu outro conto, era o mesmo shorts). Como a piscina era pequena, eu conseguia apenas ficar deitado nela, sem me mexer direito. O Kevin ficou nadando de um lado pro outro em cima de mim, e a cada vez que ele chegava em um canto eu o abraçava e pegava em sua bundinha.
Ao sair da piscina, ele disse que estava com muito frio. Ele podia muito bem se secar, mas ele queria que eu o secasse. Peguei a toalha e comecei a secar aquele corpinho lindo, passando pelos braços, barriga, costa, pernas, bunda e por último o pau. Que tesão passar a mão em tudo aquilo, mesmo que com a toalha, e mesmo ele com cueca.
Na hora de trocar de roupa ele viu que tinha esquecido de trazer outra cueca. Logo falei pra ele ficar sem cueca mesmo, só de shorts. Ele tirou a cueca na minha frente, sem um pingo de vergonha, como se quisesse que eu visse. E eu vi aquele pauzinho, começando a tomar formato de rola, meio gordinho, mas nem tanto. Acho que ele ereto deve ficar grandinho já. Aquilo me melou todo.
Então eu me enxugando resolvi enxugar a virilha, pois eu não tinha outro shorts, então abaixei a parte da frente do shorts pra enxurar por dentro e fiz questão de expor minha rola na frente dele por alguns momentos, assim como ele fez comigo. Esse foi o sinal de que ele queria fazer algo comigo.
A minha ideia era tomar banho com ele naquele dia, mas minha irmã me pediu que a levasse em um lugar e tivemos que ir embora logo.
Voltei das férias, mas continuei falando com ele diariamente.
Vira e mexe ele liga pra mim, e faz video chamada. É muito excitante.
As conversas via Whatsapp começaram a ficar mais carinhosas, até que um dia ele me manda, do nada, o link do clip da música “MEU PAU TE AMA”.
Fiz cara de espanto e perguntei o que era aquilo. Ele disse que era uma música que ele queria que eu visse.
Aquilo foi mais um sinal que ele tava querendo fazer algo comigo.
Agora só vou voltar a vê-lo no carnaval, e ele já está me pedindo de novo pra passar o dia comigo na casa da minha mãe. Disse que quer jogar videogame comigo, quer nadar comigo, quer tomar banho comigo, quer me abraçar e quer me beijar.
Está difícil segurar a ansiedade, mas quando de fato eu o reencontrar, eu escrevo novamente.

Att,
Pedro Juliano

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 1,00 de 1 votos)
Loading...