, ,

Minha sobrinha safada II

15-12-16 1 ★ 4.00

Já tinha passado quase dois meses, depois daquele fim de semana gostoso na chácara; Eu não tinha visto mais a Vicky; Trocamos algumas mensagens pelo watts, relembrando das loucuras, e não víamos a hora de nos reencontrar.
Eu estava de folga numa segunda-feira, sozinho em casa; Esposa e o enteado trabalhando, e a enteada na escola; Estava vendo alguns e-mails, quando minha esposa me liga, e pra minha surpresa, ela me fala que a Vicky está chegando lá em casa; Eu levei um susto e perguntei:
– O que ela vem fazer aqui?
– Calma amor, ela me ligou hoje de manhã, perguntando se podia ir no final de semana, pra você ajudar ela fazer um currículo; Eu falei pra ela ir hoje, porque você estava de folga, e vocês podiam fazer mais tranquilo!
Eu respirei fundo pra disfarçar, porque meu pau já começou a latejar dentro da minha bermuda, e disfarcei:
– Não é isso amor, é que eu preciso descansar, queria dormir o dia todo;
– Tadinha amor, a Vicky é tão esforçada, e ela precisa trabalhar, temos que ajudá-la; E ela gosta muito de você, vê se cuida dela direitinho, se ela quiser dormir aí hoje, não tem problema.
– Está bem amor, não se preocupe, depois a gente se fala, beijos!
– Beijo meu gostoso, a noite eu quero te dar gostoso! Tchau!
– Tchau amor!

Assim que desliguei, minha mente voltou pra chácara, e relembrei de tudo que eu e a Vicky fizemos; Meu pau, de tão duro, estava quase saindo pelo lado da bermuda, já que estava sem cueca.
Destranquei a porta, voltei pro computador, continuei vendo alguns e-mails, mas o tesão era muito forte; Então resolvi ver uns vídeos pornô na internet; Fiquei massageando meu pau por cima da bermuda, no momento em que passava uma novinha parecida com a Vicky, fazendo uma gulosa num cara mais velho; Aquela boquinha gostosa descendo e subindo naquela pica enorme; Fechei os olhos e fiquei imaginando a boca da minha sobrinha safada, engolindo meu pau, enquanto com a mão por dentro da bermuda me punhetava. Não sei quanto tempo passou, até senti uma mão tocando meus ombros, tomei um susto e sem tirar a mão virei e vi a Vicky, parada me olhando; Ela estava com um vestidinho de alcinha no meio das coxas, sem sutiã, e pela transparência, deu pra notar um calcinha minúscula; Depois de olha-la de cima abaixo, fiquei parado olhando nos olhos dela; Ela olha em direção ao meu pau e fala:
– Que coisa feia tio, brincando sozinho, nem me esperou!
Dei um sorriso, tirei a mão de dentro da bermuda:
– Não aguentei de tanto tesão, quando sua tia me avisou que você estava vindo pra cá, achei que vc ia demorar. Mas já que chegou, bem que você podia aliviar esse tesão todo!
Ela sorriu e se aproximou, ajoelhando entre minhas pernas:
– Você é muito safado, Tio!
Ela pegou no meu pau por cima da bermuda, apertando com força; Peguei ela pelo cabelo e puxei, dei um beijo gostoso naquela boquinha molhada, enfiando minha língua todinha dentro dela! Ainda segurando seus cabelos, esfreguei seu rosto na minha bermuda, que já estava molhada; Ela passava a língua, sentindo o volume que pulsava querendo se libertar; E foi o que ela fez, com o rosto ainda próximo, tirou minha bermuda, minha pica saltou pra fora, batendo no seu rosto; Ela começou a beijar e lamber devagar, apreciando, aumentando o ritmo aos poucos; Que delicia de boca; Lambia lentamente, do saco até a ponta; Cuspia na cabeça; Enfiava na boca de uma vez até a metade; Parava e deslizava bem devagar, engolindo ele todo, encostando seus lábios no meu saco; Depois subia, tirava da boca, e começava o processo tudo de novo!
Delícia; Ficamos assim por uns 10 minutos; Levantei ela e dei mais um beijo naquela boquinha toda melada; Pedi pra ela tirar a roupa bem devagar, que eu queria apreciar aquele corpinho lindo que ela tinha; Ela soltou as alças do vestido que caiu aos seus pés, ficando só com a calcinha que mal cobria sua bucetinha; Me olhou com uma carinha de putinha safada e virou de costas, mostrando aquele rabinho com um tirinha atolada; Ela estava mais linda do que na chácara; Se afastou um pouco e começou a rebolar passando a mão na bunda; Ela se abaixou colocando uma mão no chão, empinando toda pra mim; Com a outra mão começou a alisar sua bucetinha, enfiando os dedinhos e gemendo:
– O senhor tá vendo como eu to molhadinha? Estou doidinha de tesão!
– Você está cada vez mais putinha! Não aguentava mais de saudade!
Fui até ela e fiquei de joelhos e comecei a lamber aquele rabinho; Coloquei a calcinha de lado, meti a língua no seu cuzinho, enquanto enfiava o dedo na sua buceta! A Vicky rebolava na minha boca, gemendo, e falando
-Vai tio, Mete essa língua, Me chupa gostoso, Lambe sua sobrinha safada, Bebe o caldinho da sua putinha!
Cada coisa que ela falava, aumentava mais o meu tesão, enfiava a língua e o dedo com mais vontade.
Ela se levantou, tirou a calcinha e virou de frente pra mim, quase enlouqueci; Ela estava muito mais linda e gostosa, com uma bucetinha raspadinha, os biquinhos duro feito pedra; Seus cabelos soltos, caindo pelos ombros completando a visão que fazia qualquer um delirar de tesão. Ela disse:
– Tio, deita no tapete, quero sentar nesse pau gostoso! Vou fazer vc gozar muito!
Eu não falei nada, apenas me deitei de costas e fiquei olhando ela vir em minha direção, enquanto meu pau pulsava, apontando pra cima; Ela se abaixou, segurou minha pica, encostou na bucetinha, e foi descendo bem devagar, com os olhos fechado, os lábios cerrados, gemendo bem baixinho; Eu fui vendo minha pica desaparecer aos poucos dentro daquela bucetinha gulosa; Depois que ela sentiu ele todo dentro, se deitou sobre mim e falou bem gostoso no meu ouvido:
– Me come gostoso, Tio!
Abracei ela, e comecei a socar com força; Ela gritava e gemia:
– Aaahhhhh! Ai Tio! Não via a hora do seu pau me rasgar todinha de novo!
– Oooohhhhh! Meu tio safado e gostoso! Me fode!
Eu abocanhei seus peitinhos, comecei a sugar forte.
– Chupa os peitinhos da sua sobrinha! Usssshhhhhh! Come gostoso a minha bucetinha!
Eu estava louco de tanto tesão, batia em sua bunda e socava forte, quando vi que ia gozar, virei meu corpo ficando por cima, e soquei meu pau com mais força naquela bucetinha; Vicky enlaçou minhas costas com suas pernas, e tremia sob meu corpo:
– Ahhhhh! Eu to gozandoooo! Oooohhhhh!
Ela delirava e gemia gostoso dizendo que não parava de gozar.
Não conseguindo segurar mais o gozo, tirei meu pau da sua bucetinha e falei:
– Abre a boca minha sobrinha gostosa; Deixa o tio te dá leitinho!
– Enche a minha boquinha de porra, Tio!
Ela ficou com a boca aberta; Fiquei de joelhos ao lado do seu rosto e encostei meu nos seus lábios; Ela segurou meu saco e abocanhou minha pica, no momento em que jatos de porra invadiram sua boca; Ela mamou até a última gota; Tirei meu pau e olhei minha putinha, com o rosto todo melado e a boca lotada de porra que até escorria pelo canto dos lábios.
– Me mostra como você é safada; Engole todo esse leitinho!
Ela me olhou com uma cara de safada, mexendo a língua naquela piscina de porra, fechou a boca com um sorriso nos lábios e engoliu tudinho; Abriu a boca e me mostrou que estava limpinha.
– Assim que o senhor queria, titio?
– Assim mesmo, minha sobrinha putinha! Respondi, enquanto a Vicky voltava a chupar meu pau, deixando limpinho.
Ficamos o restante da manhã juntos, tomamos banho, comemos alguma coisa, e nos beijamos muito até a minha enteada chegar.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,00 de 1 votos)

, ,

1 comentário

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos

  1. luciano

    K sobrinha k trata bem o tio ai e consideração muito bem