Gosei com a menina no meu colo

Logo que mudei pra uma vila de kitnetes, minha vizinha da casa ao lado e suas filhas me ajudaram a limpar e arrumar a casa. Eram 3 meninas lindas, uma escadinha de 6, 9 e 11 anos. No dia seguinte eu retribui a gentileza dando uma caixa de bombons pras meninas. Claro que elas ficaram muito felizes e a Gaby de 11 anos pos duas cadeiras na porta da casa dela pra ficar conversando comigo. Ela perguntava de tudo, muito curiosa, em pouco tempo ja sabia de tudo da minha vida, eu fiquei espantado com a esperteza dela. Todas as noites agente conversava um pouco na porta antes delas entrarem pra durmir, a mãe não se incomodava até gostava de ficar sossegada por uns minutos. Em poucos dias a menorzinha, também se tornou minha companheira de conversas, a Helo de 6 anos gostava de ficar no meu colo enquanto eu conversava com a Gaby, mas a do meio, a Paulinha de nove anos não me dava bola. Um dia a Helo, ja com muita intimidade se sentou de pernas abertas na miha coxa direira e ficou abraçada com a minha barriga, eu sou fofinho.
Eu coloquei a minha mão boba por sobre a sua bundinha, que estava só de calcinha e fiquei alizando e dando palmadinhas enquanto conversava com a irmã dela. Nossa, que delicia de bundinha, morena chocolate redondinha, durinha, pele macia, uma tipica bundinha de bebezinha bem cuidada. Fiquei de pica dura e um pouco ofegante, a irmã dela não viu nada demais naqueles carinhos, continuamos conversando normalmente. Passado uns minutos, eu senti a Helo fazendo suaves movimentos de vai e vem esfregando a bucetinha na minha coxa, isso fez o meu pau ficar mais duro ainda, forçando contra a sua barriguinha, ela se empolgou e começou a se esfregar com mais força e mais rapido, nem se importando com a presença da irmã mais velha, eu me espantei e parei de alizar a bunda dela, receiando que a mais velha brigasse comigo, mas não tirei a mão de sima, só fiquei estatico, a Gaby deu uma paumadinha na coxa da Helo dizendo: para de saliência menina. E puxou a irmã de cima da minha coxa, eu a segurei e a defendi dizendo: tadinha ela é só uma belezinha, nem sabe o que é saliência. Fiz carinho no local da palmada, e a sentei no meu colo, desta vez fechei minhas pernas e a sentei de costas pra mim, bem na minha pica durissima e disse pra ela: fique quietinha se não a tua maninha te da outra palmada. Depois disse baixinho no seu ouvidinho: Pode fazer quando ela não estiver olhando, tá. Fiquei com uma mão boba na coxa dela e outra na barriguinha, só alisando, de vez em quando dava uma puxadinha mais pra cima do meu cacete que estava pulsando na quela bundinha deliciosa. Ela também se mexia mas não saia de cima da rola. Passado alguns minutos eu estava quase gozando com aquela arrumação, dai tive a ideia de pedir uma água pra Gaby, enquanto ela foi a cozinha eu aproveitei pra pegar a Helo pela cintura e fazer ela cavalgar no meu pau, beijava seu pescoço bombava com força, gozei em poucos segundos, foi bom demais. Com certeza alguém ja tinha brincado deste geito com ela, pois ela também ficou ofegante e empinava bem a bundinha pra sentir o meu pau, que não amoleceu com a gozada. Eu tomei a água e a Helo também quis, mas a Gaby disse a ela: Deixa de ser fougada e va tomar la na cozinha, e leve este copo. Quando ela se levantou eu me vi em apuros pra esconder meu pau duro, coloquei as mãos cruzadas por cima e senti que tinha melado o meu chorte, fiquei todo sem graça com a Gabi olhando na direção do meu pau. Quando a Helo voltou a Gaby puxou ela pela mão dizendo: fique aqui no colo da maninha. O resto eu conto depois.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,00 de 2 votos)
Loading...