A esposinha do meu sobrinho

Sou casado, 54 anos.
Eu tinha uma loja de rua, pequena e fechada a alguns anos, pois nunca gostei muito de comércio. Meu sobrinho quis abrir uma lanchonete e fiz um preço de locação bem camarada, no início, pra ele poder deslanchar no negócio. Eis que com muita dificuldade, ele nem conseguia arcar com o mínimo das despesas e sempre atrasava o aluguel da loja. Dispensou o ajudante e trouxe a sua esposa para ajuda-lo e assim, economizar mais um pouco.
Ele com apenas 21 anos e a esposa com 18 aninhos, uma delícia de ninfeta. Pernas grossas, peitos durinhos e uma bundinha muito empinada. Me deixava louco quando ia lá na lanchonete.
Certa ocasião eu e ela conversando sobre as dificuldades do negócio e eu dizendo que não poderia ficar sem o aluguel (já estava atrasado a 3 meses) e ela dizendo que estavam fazendo o possível para acertar, mas que estava difícil. Falei pra ela que eles precisavam arranjar uma solução e que eu estava aberto a negociar. Ela me disse que ia pensar. Numa outra ocasião ela me chamou até a loja pois estava com o dinheiro de um aluguel atrasado. Fui pra receber. Meu sobrinho tinha saído pra fazer umas compras e lá chegando umas 10h da manhã a vejo de shortinho fazendo uma faxina na loja (ela só abriria a loja a tarde). Entrei e fui ajuda-la com alguns pesos que precisavam ser arrastados, tipo o balcão, uma botija de gás e etc…eu ia arrastando e ela limpando. Como a loja era pequena, quase sempre estávamos muito próximos e em algumas vezes a gente se encostava. Eu fui ficando de pau duro e senti que ela percebeu. Acabou a faxina e ficamos conversando um pouco e ela me deu o dinheiro de um aluguel e me disse que estava difícil de quitar tudo. Eu novamente disse que estava disposto a negociar e ela me perguntou: “qual seria a sua proposta?” Eu disse que era ela que deveria fazer uma proposta e, neste momento, dei uma alisadinha no pau por cima da bermuda. Ela meio sem graça olhou e disse: “será que é o que estou pensando?”. Aí eu fui logo direto e falei: “Bem, vocês não estão conseguindo quitar e vc é uma beleza de menina, casada, não é mais virgem e talvez possa me agradar de outra forma. Dessa forma.” E fui tirando o pau pra fora. Ela abaixou a cabeça e disse: “E como vou falar pra ele que conseguimos pagar?” Eu falei: “Eu converso com ele e digo que estou esquecendo os atrasados e pra ele pensar só no aluguel do outro mês. E vc me agrada e fica sendo um segredo nosso. Ela meio que contra gosto aceitou. Estava sentada numa cadeira e eu cheguei perto dela e em pé botei o pau bem perto dela. Ela começou a boquetar, meio sem graça ainda, e conforme eu ia ficando excitado e o pau endurecendo naquela boquinha e eu ia gemendo de prazer, ela foi se soltando e já mamava com vontade…lambia as bolas…punhetava….lambia o mastro…sugava a cabeça….enfiava a pica toda na garganta, chegando a se engasgar algumas vezes…ela fazia um boquete muito gostoso. Com minha mão fui tirando os peitinhos dela pra fora da blusinha e acariciava e apertava os biquinhos…ela foi ficando louca…ela parou de mamar, se levantou, tirou o shortinho e ficou só de calcinha, voltou a sentar na cadeira e voltou a mamar a piroca com vontade. Nessa altura eu já tinha chegado a calcinha pro lado e ia dedilhando a xoxotinha dela, molhadinha e as vezes eu me abaixava e mamava seus peitinhos…ela já estava entregue e dizia : ai tio, me fode logo então, não estou aguentando mais, mete a piroca em mim”…levantei ela da cadeira e sentei e a coloquei no meu colo, virada de frente pra mim…encaixei a cabeça do pau na sua bucetinha e ela começou a rebolar e encaixar a pica…sentou e ficou fudendo e minha rola e eu ia mamando aqueles peitinhos durinhos e lindos na minha frente. Depois a coloquei em cima do balcão e fui dar um trato naquela bucetinha…arregacei bem as suas pernas e comecei a chupar tudinho…desde o cuzinho até o grelinho dela. Ela estava louca e apertava a minha cabeça contra a sua xoxota e eu ia deixando ela molhadinha por completo. Ela apenas gemia e pedia “me come tio, por favor, acaba logo com isso”..e gozou na minha boca. Suguei aquele meladinho delicioso…me posicionei pra fuder aquela xaninha e meti com força até o talo e comecei a socar forte…eu já estava louco pra gozar…mas fui me segurando….fiz ela gozar de novo, agora com o pau dentro da sua bucetinha e socando forte…Quando vi que ela gozou de novo, eu tirei o pau e levantei mais a sua cintura e vi o cuzinho…encostei a cabeça do pau naquele buraquinho e fui empurrando. Ela não teve reação alguma e eu percebi que ela estava entregue e fui empurrando e quando vi, eu já estava com a pica entalada no seu cuzinho e comecei a fuder ele bem gostoso. Tirava e botava de novo…ela gemia e até me arranhou nos ombros quando eu voltei a estocar o seu cuzinho…fiquei metendo e a vontade de gozar aumentando…tirei o pau e bati uma punhetinha em cima do cuzinho e gozei nele todinho…deixei aquele buraquinho inundado de porra…ela suspirou fundo, se limpou e se sentou na cadeira novamente e eu pus o pau na boquinha dela de novo, fazendo ela mamar a porra que escorria e as gotinhas que saía da cabeça. O pau foi amolecendo naquela boquinha. Nos recompomos, vesti minha bermuda e ela nem a calcinha botou de novo, colocou o shortinho peladinha…Aí eu pedi a calcinha de lembrança. Ela me deu e me pediu segredo total. Eu disse que ela podia ficar tranquila. Não precisou mais o aluguel atrasar pra ela me dar novamente. Uma vez por mês eu vou lá e transamos. Ela diz que o marido, por ser novo, está mais preocupado com o faturamento da loja e com a situação do Flamengo (?) no campeonato e com as suas peladas das quartas a noite com os amigos e não anda fazendo muito sexo. Então, uma quarta feira por mês eu vou lá, sempre no fim do expediente, e ele fica feliz e diz: “ Poxa tio que bom, o Sr. Ajuda a “XXX” a fechar loja que eu vou jogar uma pelada”. Ele vai, e eu fico, fechamos a loja e meto gostoso na vadiazinha.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,50 de 2 votos)
Loading...