Uma inocente menina

Sei que muitos dos que lerem minha experiência não vão acreditar na mesma, não me preocupo com isso, é mais um desabafo de algo guardado a muito tempo, que foi uma marca em minha vida, não sei se para o bem ou para o mal, mas na época mexeu demais comigo por ter 11 anos então.
Meu nome verdadeiro é Ana Paula, ( por razões não vou publicar meus dois sobrenomes ), tenho hoje 26 anos, solteira, moro com minha mãe em São Paulo, me formei prof. de educação infantil e hoje atuo na àrea de ensino do estado. sou uma pessoa normal e equilibrada, saio com amigos, curto festas, tudo que uma mulher de minha idade faz, namoro um cara de 32 anos e nos damos super bem, não uso drogas, mas já experimentei e nunca curti, enfim falo isso para que não pensem que sou uma doente mental.
Aos 10 anos mais ou menos, aos sábados eu ia com uma amiguinha da rua no escritório que meu pai tinha num sobrado no tatuapé, ele levava a gente de carro e era sempre divertido. Eu adorava ficar dando comida para os peixes que tinham num grande tanque nos fundos dos sobrado, ficava horas me distraindo com eles, minha amiga Fabi sumia, ficava brincando em outros cantos da grande casa. antes do almoço a gente se encontrava e riamos das brincadeiras. Uma manha vi que faltava um peixe bem vermelho que eu gostava, fiquei bem chateada com isso, e fui procurar meu pai para desabafar, subi as escadas para o andar andar de cima e quando ia empurrar a porta do escritório escutei a Fabi falando alguma coisa esquisita que não entendi e fiquei parada do lado de fora, alguma coisa não me deixou entrar de repente e ate hoje não sei o que foi, não escutava nada então fui empurrando a porta para espiar, maldita curiosidade feminina rs, meu pai estava de pé, meio de costas para a porta e a Fabi sentada na cadeira dele segurava o pau do meu pai como se fosse um mastro e masturbava ele com toda força.

Eu travei, não conseguia dar um passo nem abrir a boca, tava pasma mesmo, Fabi era um ano mais velha que eu, devia ter 11 anos, eu não entendia quase nada mas sabia o que ela tava fazendo, ouvi ele falar “agora flor chupa” eu vi ela abrir a boca e ele foi empurrando pra dentro, acho que ela engasgou pq tossiu e ele fez um movimento, mas depois ficou penetrando na boca dela sem pressa, meu coração dava pulos achei que ia cair com a vista escurecendo e me apoiei na porta, nesse momento ela me viu mas não fez nada, ficou com o pau dele na boca então ele começou a gozar, eu não tava entendendo direito aquilo, escorria uma meleka da boca dela quando ele empurrava a cabeça pra dentro, dava pra ver direitinho, ficaram assim um pouco ai ele tirou da boca dela eu vi como tava inchado aquilo, mas fugi dali não queria que ele me visse, fui pra sala da frente e comecei a chorar uma mistura de raiva òdio vontade eu não sabia o que sentia, só queria ir embora.

Foi quando eu comecei a chamar a Fabi, bem alto, mas acho que tinha voz de choro pq vieram os dois ate onde eu estava, meu pai perguntou o que foi, lembro de ter falado alguma coisa do peixe, sei lá, mas eu olhei bem na cara da Fabi, a raiva que eu tinha era de arranhar a cara dela, Logo fomos pra lanchonete, eu estava sem fome meu pai estranhou isso, mas passou. De tarde fui na casa da Fabi pedir explicação rs, Ó santa inocência a minha, a gente foi pra frente do prédio e ela me contou que muita menina fazia aquilo com o pai, Eu falei que era mentira, ela disse é sim, e como eu não fazia nada meu pai tinha de desabafar com outra menina e ela gostava daquilo, disse que ganhava coisas do meu pai. Ela falou um monte de coisas, a verdade é que não dormi de noite só pensando no que tinha acontecido.

Durante a semana queria falar com ele mas ficava sem jeito, com medo dele achar ruim, lembro que no sábado seguinte a gente não foi no escritório pq tava chovendo muito e ele ficou em casa arrumando um varal pra mãe que tinha quebrado, passei a semana inteira meio que com febre, irritada não comia direito, mãe queria me levar no médico até rs, mas no sábado ele falou se eu queria ir com a Fabi no escritório, fiquei feliz dele me chamar, mas a Fabi não foi, ia sair com a mãe dela pra ver roupas num shop. Fiquei sozinha com os peixes, tava faltando mais um só tinha cinco agora, eu lembro, de repente me deu uma angustia uma espécie de dor por dentro subi as escadas e fui falar com ele, a porta tava aberta ele tava sentado na frente do pc dele, meio de lado pra porta, percebi que ele se tocava com a mão esquerda, eu não via mas percebia o movimento, eu fui chegando perto e quando ele percebeu eu tava olhando pro pau dele rsrs. O susto dele foi tão grande quase caiu da cadeira rs e não conseguia guardar aquilo na calça rs.

Eu falei na cara dura, ” E pq a Fabi não veio que o sr tá fazendo isso né? ” que besta eu rs, ele se desculpava mas não colocava dentro da calça, ficava escondendo com as mãos, ele falou ” o que tem a Fabi ?” ai eu contei tudo, o que tinha visto, e o que a Fabi tinha me contado, qdo terminei ele abaixou a cabeça na mesa e tentou guardar a coisa rs. Ele perguntou se eu estava zangada com ele, falei que tava zangada com a Fabi não com ele, lembro que ele me puxou perto e ficou falando umas coisas que nem lembro mais, ele colocou uma camiseta em cima dele pra cobrir o pau, então eu não via. Ele me explicou que tinha dor de cabeça e a maneira dele aliviar era fazendo aquilo, e como ele gostava que era com menina tinha acontecido com a Fabi já varias vezes, pediu pra eu não contar nada que ganhava um presente, e se eu quizesse ele não ia mais chamar a Fabi pra fazer aquilo. Eu perguntei como ele ia fazer então ele disse: “vou ficar com dor de cabeça ora, ate passar, ou até encontrar uma menina que goste de mim ” eu falei que eu gostava dele, e ele mas vc não fez nada para mim, então não fique brava com sua amiga”, lembro que a mão dele escorregou e a camiseta caiu deixando ver o pau dele meio amolecido rs. mas muito grande ainda rs, para mim que nunca havia feito nada foi uma visão rsrs.

Ele puxou a camiseta pra cima e cobriu, falou se eu queria ir embora pra casa. Eu queria ir embora mas não sei pq falei que ia ficar ali junto dele, eu ardia de curiosidade, foi qdo falei se eu podia fazer o que a Fabi fazia, pra ele não chamar mais ela. Ele disse, ” não Ana vc e minha filha não tá certo e vc não gosta e nem sabe fazer isso ainda e tua mãe não pode saber nunca o que vc viu aqui, se não papai vai embora de casa e nunca mais pode voltar”. Aquilo me deu um arrepio de medo e curiosidade, uma vontade de mexer nele sei lá, eu falei: “deixa vai ninguém vai fica sabendo” e puxei a camiseta dele rs, o pau dele balançava pra fora da calça qdo puxei a camiseta, na hora fiquei travada sem saber o que fazer, ai ele começou a conversar comigo, perguntou se eu já tinha visto, apertado, essas coisas, se eu queria mesmo tinha de jurar mo segredo. Jurei p ele que sim, então ele pegou minha mão esquerda e levou ate o pau dele, me fez segurar no meio e ficou mexendo meu braço pra cima e pra baixo nele, Eu achei mo diferente segurar no pau, era uma coisa dura e macia ao mesmo tempo rs, eu senti ele ficando mais duro na minha maozinha e mais grandão também, eu tava fascinada, não tirava os olhos.

Quando ele trocou minha mão, fiquei mais de frente pra ele, e com a mão direita ele mexia meu braço no pau, e falou pra eu mexer sozinha, eu mal conseguia segurar rs, meus dedinhos não fechavam a mão rs, mas eu tava adorando aquilo, ai ele se esticou todo e falou pra eu fazer depressa, eu quis segurar melhor e larguei sem querer, qdo peguei de novo ele colocou a mão dele em cima da minha e me fez bater bem depressa. Aquela coisa melekenta saiu dele espirrando e me deixou maravilhada, saia assim de montão mesmo, ele segurava minha mão no pau dele ainda, e aquela gosma melou minha mão toda, me deu um troço por dentro, meio curiosidade meio vontade de mexer mais rs. O fato e que essa foi minha primeira punheta num homem que sem querer era meu pai também, levou um tempo pra ele me levar de novo no escritório sem a Fabi, ele me fazia levar ela junto pra disfarçar, e pq ele me falou que ela fazia umas coisas, e varias vezes eu espiava, algumas vezes ele deixava a Fabi sentada na mesa dele e ele colocava o pau no meio das coxas dela com as pernas pra cima, vi ele chupar a xota dela algumas vezes e tentar enfiar o pau dele dentro, eu não sei se a Fabi já transava mas ele enfiava um pouco dentro dela sim, não tudo acho que metade rs, só depois vim saber que meu pai e bem dotado tem quase 25 cm de pau, Ave Maria..rs depois, quando a Fabi não ia, ele me ensinava a pegar e bater direito, um dia chupei rs, com força mesmo, rs e senti ele soltar aquele monte de meleka na boca, coisa quente escorregosa, me babei toda rs, também fazia comigo como fazia com ela, encostando o pau na entrada da xota, mas em mim não entrava, só ficava encostando, isso durou quase o ano inteiro, depois ele vendeu a firma e aos poucos foi parando e quase não fizemos quase mais nada.

Uma vez em casa, qdo mãe já tava montando a loja dela no shop em Santa Catarina eu tava batendo pra ele, a gente tava de pé na entrada do meu quarto qdo ele me virou de costas pra ele, e de pé mesmo ele começou cutucar minha bunda com o dedo dele, falou pra eu abrir as pernas e esfregava o dedo na minha bunda por detrás, eu não sei o que ele passou mas escorregava pra caramba, ele forçava e acabou enfiando o dedo na minha bunda, deu um tipo dor de beliscão sabe, mas ele ficou mexendo devagarinho e com a mão esquerda apertava meu clítoris, eu comecei a sentir uma coisa gostosa juro, era tudo muito novo pra mim. Um dia, mãe já tava na loja em SC, e só vinha em casa nos fds. Meu pai não gostava muito disso, mas ela punha uma grana certa dentro de casa e meu pai tava sem trabalho, nesse dia a gente tava fazendo de pé na porta do meu quarto, ele colocava os dedos atrás e mexia em mim, eu gostava daquilo, ele me empurrou ate a cama e me fez ficar ajoelhada sem a calcinha, só com o vestido que eu usava pra isso, ele ficou mexendo com os dedos em mim e me tocava na frente e falou pra eu ficar relaxada e abrir mais as pernas. Eu ainda era muito inocente mas senti que ele ia fazer uma coisa que me deu medo, pq não sabia como um troço daquele tamanho ia entrar dentro de mim, ele foi muito cuidadoso mesmo fez bem devagar, melekava tudo com aquele creme que ele tinha rs, e de repente senti um puta beliscão por dentro, achei que tava me rasgando mesmo, ele percebeu e ficou parado sem mexer, só depois que começou devagarinho, da uma coisa na gente, parece que vai se fazer cocô kkk qdo tá tirando de dentro. Um horror, falei pra ele não mexer muito, e só qdo começou a mexer no meu clits e que senti um pouco de gostoso.

Acho que foi na 3 vez que ele tava enfiando que ele falou ” parabéns, vc conseguiu o que a Fabi não deixou” eu falei u que??, ele disse me da tua mão, eu estiquei por baixo e ele me fez segurar ele por baixo, senti o saco dele duro bem duro e vi que ele tinha enfiado tudo em mim, ele falou “vc aguentou tudo tá vendo? já tá preparada” eu fiquei meio alegre e meio besta também, não tava acreditando, ai ele me virou pro lado do espelho e fez de novo, mas não dava pra ver direito mas eu sentia que ele empurrava bastante, mas devagar, foi a primeira vez que ele deitou em cima de mim, me fez ficar de perna aberta e ficou fudendo minha bunda devagarinho sempre ate ele gozar. Eu me sentia sem força pra nada, ele me abraçando pelas costas enfiando o pau dele, e nem mexia no meu clit. pq não dava, eu mesma tive que mexer pra ficar gostoso, ficou assim um tempo depois foi ficando mais depressa e começou a machucar, ele parou e puxou pra fora, dá uma sensação horrível de fazer cocô rs, qdo enfiou de novo veio mais molhado acho, pq escorregou de boa, acho que ele ficou enlouquecido pq me fudeu muito e qdo gozou senti um troço quente dentro de mim que nunca tinha sentido, adorei ver que ele tava se satisfazendo na minha bunda rs, depois que gozou ainda ficou um tempo dentro de mim, me beijando a nuca acariciando meus cabelos, qdo tirou saiu um barulho como se fosse um pum kkk fiquei com vergonha ate, qdo olhei o pau dele nem acreditei como tava inchado credo, ele falou ” foi ate aqui ” esticando ele e mostrando ate onde tinha entrado. Me senti orgulhosa na hora rs, ele me fudeu de novo duas horas depois do mesmo jeito, eu não acreditava nunca tinha visto ele assim meio doido, me deitou de costas na 2 vez, segurou minhas pernas bem pra cima e eu tive de segurar o pau dele pra colocar no lugar certo. dava pra sentir a cabeça do pau dele mexendo do tesão que ele tava, achei melhor não falar nada e deixei ele enfiar de novo, na bunda mas de frente agora. Foi mais gostoso assim, eu pude me tocar mais livre e ele segurava minhas pernas pra cima, me fez me dobrar tanto que eu segurei minhas pernas e ele ficou esticado metendo metendo, caiu em cima de mim me abraçando com força dizendo que me amava demais que eu era tudo pra ele, mas não parava de me fuder po. minha bunda já tava começando a doer qdo ele gozou, eu olhava o rosto dele e via como ele se transformava, a 2 vez foi melhor pra mim mesmo ele tendo enfiado tudo, não doeu tanto como de costas, ele ficou deitado do meu lado me acariciando, eu tava nas nuvens pq não sabia o que fazer, qdo senti escorrendo da bunda me levantei kkk, mas já tava mo mancha na roupa de cama rs, fui pro banho me lavar achei que ele ia vir atrás mas não veio. ficou trocando a roupa de cama pra mim.

Depois de uns meses eles separaram por motivos de grana, meu pai foi pra minas, isso já tem quase 15 anos, as vezes nos falamos pela cam ou pelo whats ap. minha mãe tem um outro cara, que me respeita, e mo caretão rs, meu pai já separou de novo, mas ainda tenho ele na lembrança, não condeno ele por nada, ate pq. eu aceitei, ele nunca me atacou, sempre foi de boa, ainda o amo muito. Espero que minha experiência sirva para meninas que veem o pai como um ser intocável e puro. Todos são homens e tem seus desejos e defeitos, podem sentir vontade com a filha, e elas também sei lá, talvez eu tenha sido a única, pode ser, mas não me arrependo de nada. A.Paula

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 5,00 de 2 votos)
Loading...