Corno para meu filho

Eu nome é Fábio, sou casado há 20 anos com Maria. Maria é uma mulher linda, uma típica nordestina gostosa, cabelos longos, olhos verdes, seios fartos, pernas grossas, bunda grande e uma buceta enorme e quente. Temos um fogo incontrolável, transamos quase todos os dias da semana. Nunca tivemos brigas por ciúmes, eu nunca a trair em mais de 20 anos de união (contando o tempo de namoro e noivado), assim como ela nunca me deu motivo de desconfiança. Temos uma vida estável, pois somos funcionários públicos. Maria sempre quis ser mãe, tentamos de tudo, mas ela não engravidava, e optamos pela adoção. Fomos há vários orfanatos, até que conseguimos adotar André. Um bebe lindo bem mulato. Demos tudo do bom e do melhor para ele. Andre hoje tem 12 anos, cresceu sendo um menino bom e simples, de bons atos e excelente conduta. Super inteligente e carinhoso conosco. O que vou contar aconteceu há mais ou menos três meses e não sei ao certo se continua acontecendo. Por conta da demando dos jogos olímpicos, fiquei alguns dias depois do expediente, para não deixar acumular liberações pertinentes aos jogos. Quando sentia que iria ficar depois do horário, ligava para casa e avisa. No dia que vi minha mulher transando com nosso filho, liguei para avisar, porém como estava muito cansando resolvi ir para casa assim que deu o horário. Quando entrei em casa estava maior silencio, geralmente eles ficam na sala vendo TV ou na cozinha fazendo alguma coisa para comer. Entrei nas não fiz barulho, decidir fazer uma brincadeira e dar um susto nós dois. Deixei minhas mala e carteira no sofá, indo em direção a cozinha. Mas comecei anotar que não tinha ninguém nela. Olhei e minha suspeita estava certa. Foi em outros cômodos do andar de baixo e nada deles. Subi as escadas na ponta dos pés. Caminhei em direção ao quarto de André e lá ele não estava. Comecei a ouvir vozes vindas do meu quarto, bem baixinho, mas em determinados momentos dava para ouvir gemidos e frases de negação e pedidos como: para com isso, seu pai pode chegar, eu sou sua mãe, sou um pouquinho mãe, será rapidinho.
Fiquei em estado de pânico, querendo acreditar que fosso algo fantasioso da minha cabeça. A porta estava entre aberta, minha mulher estava usando um robe de seda todo aberto de frente para André, que estava com o short arriado até os joelhos. Maria tentava tirar as mãos de André de cima dela, mas não saia do lugar, continuava parada lutando contra André (luta no bom sentindo, pois não havia violência). Ele passava as mãos em seus seios, pernas, bunda, tentava colocar na buceta, mas ela tirava. Em alguns momentos mamava seis seios, alisando o pau, passando a cabeça entre os lábias da buceta de minha mulher, que nessa hora gemia e pedia para parar.
Andre implorava: deixa mãe? Por favor! O estranho que ela nesses momentos, não o impedia de continuar, e ele também não avançava ficava só alisando seu pau na buceta de sua mãe, como se espera se o sim dela. Não sabia o que fazer ou sentir, não sentia tesão no que estava vendo, nem conseguia ficar com raiva e nem tinha vontade de interromper. Até em um dado momento Maria pegou no pau do nosso filho, abriu as pernas, encaixou o pau na entrada, mas continuou segurando dizendo com a voz louca de desejo: só um pouquinho filho! Repetindo varias vezes a freses. O pau de André entrou mais de um terço, pois sua mãe não deixava colocar até o fim. Ele fazia um vai e vem bem lento, já que Maria é quem comandava o ritmo. Rebolando Junto do seu vai e vem. Ficaram assim por alguns segundos, que mais parecia uma eternidade para mim. Maria então parou, fechando as pernas, falando já chega. Andre fica louco: Não mãe, quero mais! Minha mulher se sentada na ponta da cama, deitando logo em seguida abrindo as pernas, como se estivesse relaxando dizendo: não podemos fazer isso é errado! Meu filho abaixa o short deita por cima dela, coloca seu pau na entrada cravando tudo de uma só vez. Maria apenas diz: Filho não, seu pai! Ai..ai.. ai..
Andre aumentando o ritmo. Maria levanta a cabeça para trás, abre os braços, aperta com força o lenço da cama, fazendo como se quisesse tirá-lo de uma só vez.. dizendo ..ai.. ai .. ai filho…. Ela coloca as mãos nos seios apertando com força seus mamilos e goza na pica de Andre, abrindo um pequeno sorriso de felicidade e prazer, em êxtase. Meu filho goza logo em seguida deitando sobre minha mulher. Fui embora, devagar tentando entender o que aconteceu. Peguei minhas coisas na sala e tarei em um bar e bebi umas Quando cheguei em casa novamente, eles agiram normalmente. Não fiz nada até então e sinceramente não sei se irei fazer.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,50 de 2 votos)
Loading...