Peguei Cunhada Safada E Sobrinha Danada

Amigos e amigas, não sou muito bom de redação mas me considero bem melhor do que muita gente que posta contos aqui no site. Há muito tempo eu estava querendo contar essa história com minha cunhada e a filha dela, mas me faltava tempo e o texto não ficava do meu gosto. Agora que consegui finalizar meu relato, resolvi compartilhá-lo com os outros leitores. Na seção de comentários, vou colocar meu número de WhatsApp para as mães solteiras ou casadas que gostem do assunto e queiram entrar em contato para trocar ideias e experiências. Detesto gente que me procura só pra ficar mendigando fotos e vídeos de incesto, então já aviso aos punheteiros pra ficarem bem longe. Qualquer homem que vier pedindo fotos e vídeos vai ser bloqueado no ato.

Nossos nomes não importam, vou revelar somente as idades: sou divorciado e tenho 45 anos, minha cunhada tem 33 anos e separada do meu irmão há 3 anos, minha sobrinha fez 8 anos há dois meses. Eu sempre fui visita frequente na casa do meu irmão pra ver minha sobrinha, a quem adoro. Meus filhos já são todos adultos e ela é a única criança com quem tenho contato frequente. Desde a separação, minha cunhada já se insinuava pro meu lado e eu fingia que não notava, até que ficou impossível resistir àquela morenaça com um bundão maravilhoso andando de baby-doll pela casa enquanto eu brincava com minha sobrinha. Pouco tempo depois que separou, ela me chamou à cozinha para ajudá-la a abrir uma lata de conserva e se abaixou para pegar algo que havia caído no chão. A visão daquela bundona me deixou doido, agarrei a morena por trás e fingi que a comia. Ela se levantou rindo, dizendo que não sabia mais o que fazer para me instigar: “Até que enfim você entendeu a dica!” ela disse.

Dali fomos direto para o quarto, que tinha porta, mas não fechava direto e ficava apenas encostada. Mandei ver na morena, ela estava muito carente de sexo. Ela havia se depilado recentemente e estava lisinha, do jeito que eu gosto. Fizemos de tudo: chupei aquela xereca deliciosa, botei pra mamar no meu pau, depois a comi com força. Ela gemia e me chamava de gostoso, dizia que sonhava em ser fodida por mim, pedia pra meter mais forte. Ela falava alto e eu receava que a menina escutasse toda aquela putaria, por isso disse a ela para falar mais baixo, mas ela não ligou. Continuou dizendo para eu meter com vontade na sua putinha, que era para foder sua bunda e gozar dentro e tal… Depois de umas 2 horas de sacanagem, paramos para descansar e eu lhe perguntei se ela não se importava que sua filha escutasse tudo o que ela dizia. Minha cunhada riu e disse que já não se importava com isso quando ela e meu irmão fodiam.

Minha cunhada me contou que suas primeiras experiências sexuais foram com um primo bem mais velho e ela havia adorado, por isso não via mal algum em sua filha aprender sobre sexo dentro de casa, com alguém mais experiente. O fato é que a garota cresceu escutando essas putarias e isso foi atiçando sua curiosidade. Minha cunhada confessou que na hora do banho tocava a filha e já havia feito sexo oral nela. Fiquei surpreso de ouvir isso, achava que era somente imaginação de escritores de contos, mas ouvi-la relatando o que havia feito me deixou de pau duro na hora. Ela chamou pela filha, que entrou no quarto e ficou parada nos olhando, completamente nus. Tinha ainda 6 anos na época e não parecia envergonhada, pelo contrário, estava bem à vontade. Ela pediu para a filha tirar a roupa e deitar entre nós, o que a guria fez na hora. E começou a acariciar a filha, me olhando com cara de safada. Me perguntou se eu não queria fazer o mesmo, então aproveitei. Foi delicioso tocar a pele macia dela e a menina adorava sentir nossas mãos passeando pelo seu corpo. Minha cunhada pediu à filha para que sentasse em seu rosto e começou a chupá-la.

Eu queria prová-la também, pedi que minha sobrinha me deixasse prová-la. Ela veio para cima de mim e chupei com gosto aquela xotinha pequena e lisinha. Ela gemia de prazer com minha língua no grelinho. Eu apertava seu bumbum fofinho e chupava aquela xereca infantil com muito gosto. Minha cunhada me disse para enfiar um dedo no cuzinho dela, o que fiz com muito cuidado para não machucá-la. Que tesão aquilo nos dava… A mãe safada começou a me chupar e chamou a filha para que a olhasse, dizendo que era bom aprender logo. A garotinha ficou sentada ao seu lado, com os olhos fixos no meu pau e disse que era a vez dela. Desajeitadamente, segurou meu pau com as 2 mãozinhas e tentou imitar a mãe, abocanhando a cabeça do meu cacete. Lambeu e chupou a ponta, passou a língua pelo corpo todinho do meu pau, aprendeu a me punhetar até que não resisti e acabei gozando. Minha cunhada se dedicou a lamber minha porra toda e ofereceu um pouco à filha, que recusou fazendo cara de nojo. Essa foi a primeira transa de muitas que se sucederam, sempre a três. A garota foi pegando o jeito de me punhetar e chupar, também fazia o mesmo com a mãe.

Depois desse dia, quando minha cunhada quer sexo ela pede para a filha me ligar e dizer que está com saudade de brincar comigo. Meu pau fica duro na hora ao escutar a vozinha dela ao telefone, parecendo inocente mas cheia de malícia… No aniversário de 7 anos, minha sobrinha ganhou de mim uma boneca dessas que toda menina quer. Ela me agradeceu com um delicioso beijo de língua e prometeu um carinho especial. Depois que todos os convidados foram embora, eu comecei a ajudar minha cunhada a arrumar a bagunça. Minha sobrinha me chamou pro quarto dela, se despiu e me pediu para fazer o mesmo. Deitei em sua cama e a safadinha me chupou e punhetou até eu gozar em sua boca. Pra minha surpresa, ela comeu tudo e lambeu os beiços. Foi delicioso gozar em sua boquinha, meu pau continuava duro e ela sentou em cima dele, rebolando com seu bumbum fofinho. Minha cunhada estava parada na porta observando com um sorriso no rosto. Eu disse que estava com um desejo doido de comer a bundinha da filha dela. Minha cunhada foi ao quarto dela e voltou com um tubo de lubrificante. Me disse para tentar com cuidado meter a cabeça pra ver se a filha aguentava.

Lambuzei o dedo com lubrificante e enfiei todo no cuzinho da garota, que gemeu mas não me pediu que parasse. Depois de alargar bem o buraquinho, apontei a piroca e fui empurrando devagar. Ela choramingou, mas eu fui metendo mais e mais até que entrasse toda a cabeça. Minha cunhada ficou o tempo todo ao lado da filha, fazendo carinho em sua cabeça e encorajando a menina, dizendo que a amava e que estava muito orgulhosa dela. Comecei a foder o cuzinho da minha sobrinha bem devagar enquanto minha cunhada estimulava o grelinho da menina. Gozei dentro do bumbum da garota, foi uma sensação maravilhosa. Minha cunhada já disse que quando a filha tiver 9 ou 10 anos eu já vou poder comer a bocetinha da menina. Mal posso esperar pra meter o caralho todo nela!

Você que é MULHER e se identifica com a gente, entre em contato. Adoramos fazer amizade com outras mulheres que saibam conversar e sejam discretas. Homens só aparecem pra pedir fotos e vídeos, nem sabem conversar e contam muitas mentiras. Punheteiros, fiquem longe! Veja meu WhatsApp nos comentários e já aviso que precisará provar que é mesmo mulher mandando áudio para eu escutar a voz. Sem áudio, eu bloqueio.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 5,00 de 3 votos)
Loading...