A menina novinha Provocando lll

Olá!
Vou finalizar estes contos informando como ficou minha relação com Aninha e Carol, depois que tirei a virgindade de Aninha.
Voltamos para casa, desta vez Aninha veio na frente comigo e viemos conversando, perguntei como estava sua bucetinha, disse que estava dolorida, disse que iria passar logo, lhe perguntei se já tinha se menstruada, disse que não! Falei, caso viesse por aqueles dias, era para não ficar nervosa, pois era uma coisa normal, qualquer coisa ligasse para Carol.
Aninha me perguntou a quanto tempo eu transo com Carol. Disse que foi a primeira vez, pois ela nunca queria e eu não insistia, deixava apenas umas sarradinhas e que ela na sua idade tinha umas coleguinhas safadinhas e Carol armava uma situação para eu transar com elas e algumas vezes ela ficava perto. Me perguntou como sabia que as meninas eram safadinhas, falei que era só olhar para elas eu já sabia que gostavam de sacanagem, igual a você. Ela respondendo, EUU! Disse, sim! Você não tirava os olhos do meu pau e ficava me provocando e quando eu fui no seu quarto, você deixou e ficou quietinha e não falou para ninguém. Então quer dizer que todas safadinhas que ficam olhando para o pau do cara , são putinhas? Disse nem sempre! Sua mãe por exemplo, sempre a pego olhando para o meu pau, mas pode ser por curiosidade, fica tendo imaginação sexual ou outras coisas, mas nunca me deu motivo para avançar um pouco mais e nunca tentei, poderia interpretar errado. Ela respondeu dizendo que já tinha percebido a mãe dela me olhando. Falei que ela iria ficar igual a mãe dela, mesmo corpinho, bundinha igual, só não poderia dizer da bucetinha pois nunca tinha visto da mãe, me respondeu dizendo que a da mãe era cheinha e lisinha, gostava de ficar depilada, imaginei e meu pau logo ficou duro. Chegamos em casa!
Noutro dia, amanheceu um dia ensolarado, as mulheres foram caminhar na beira da praia. Estava tomando meu café e Aninha apareceu, sentou no meu colo, dando bom dia, nos beijamos e a abracei, perguntei como estava a bucetinha, disse que já estava melhor, pedi para ver e dar um beijinho, a coloquei deitada em cima da mesa e, fui beijando, passei a língua no grelinho e ela gemeu, passei a chupá-la devagar, enfiava a língua, lambia, chupava, beijava, ela gemia, dava sussurros, gritinhos, aumentei o ritmo e ela acabou gozando na minha boca e ficando toda mole em cima da mesa. Voltamos a nos beijar, logo depois as mulheres chegaram. Fui fazer o restante dos trabalhos, elas na piscina, falei que iria limpar a caixa d’água, Aninha pediu para ajudar, disse que lá cima estaria muito quente e não daria para ela ficar muito tempo lá em cima, a mãe dela dizendo, é Marcos! Arranjou uma pentelha para encher seu saco, falei é, mas ela não atrapalha, sabe se comportar. E quase falei, não enche meu saco, ela esvazia. Minha mulher falou, se tivéssemos filho, talvez fosse igual, Marcos tem paciência com adolescente. Falei então para Aninha, talvez você possa me ajudar, mas não agora, deixa eu esvaziar primeiro, depois você entra dentro da caixa para passar o pano, pois para mim aonde a caixa está não vai dar para entrar e você poderá fazer isso, quer? Ela, quero sim! Falei então daqui a pouco te chamo e você leva os panos. Fui, esvaziei a caixa, lavei e ficando um pouco de agua no fundo, chamei Aninha, pelo telhado dava para ver elas na piscina, minha mulher e a sobrinha de bruços com o biquíni atolado no rabo, queimando a bunda. Aninha chegou de biquíni, a coloquei dentro da caixa e ela foi limpando, voltei a olhar as mulheres e estavam fazendo topless, não imaginavam que pudesse estar vendo, e que peitinhos deliciosos da mãe da Aninha. Ela acabou de limpar, tirei ela e tinha uma balde com agua e a joguei nela e em mim, ajeitei tudo, dei um beijinho na boquinha de Aninha e a abracei por tras e fiquei roçando meu pau na sua bundinha deliciosa, depois tirei a calcinha do biquíni e fiquei pincelando meu pau na sua bundinha e depois fui enfiando devagar, levei ela mais para perto do telhado e fiquei comendo o cuzinho dela e olhando os peitinhos da mãe, acabei inundando o cuzinho todo.
Noutro dia, precisava ir ao banco, pagar algumas coisa e pegar algum dinheiro e deixar as ferramentas na casa de Carol. Aninhas queria ir, mas disse que iria demorar no banco e na outra vez a levaria. Liguei para Carol e disse que depois iria passar lá para levar as ferramentas e que iria passar primeiro no banco, ela então falou, também preciso ir no banco, poderia me dar uma carona? Falei, claro, tô passando ai. Fomos ao banco, passamos no serviço do meu cunhado e fomos os três almoçar. Marquei com meu cunhado de marcar um churrasco na casa dele para colocar a conversa em dia e beber umas geladas. Tudo combinado. Ele voltou para serviço, dei um passeio com Carol pelo centro, ela comprou um presente para Aninha. Fui leva-la em casa, guardei as ferramentas, Carol já tinha colocado um short curto de legging , modelando sua buceta e a bunda. Falei que iria lavar a churrasqueira com a lavadora de pressão, coloquei um short e fui lavar a churrasqueira. Acabei e entrei para tomar um banho, passei na cozinha, Carol tinha feito um suco, bebi e fiquei conversando com ela um tempinho, depois falei que iria tomar um banho para ir embora, ela estava na pia lavando o copo, cheguei para lavar o meu, encostei atrás dela e disse você está uma delicia com esse short, ela se virou dando risada e falou, você não toma jeito, segurei em seu rosto e lhe dei um beijo na boca, encoxei mais e segurei seus seios, beijava seu pescoço, orelhas e peguei em suas mãos e falei vamos tomar um banho juntos, embaixo d’agua, nos beijamos, mamei seus peitos deliciosos, chupei sua buceta, lambia, mordia, enfiava a língua ela ia a loucura, comecei a chupar seu grelinho, puxando a buceta para cima ,deixando o grelo mais na saliente, passava a língua na pontinha e ela gozou horrores na minha boca, não estava aguentando ficar em pé, voltamos a nos beijar e dizendo que há muito tempo não gozava tão gostoso, se ajoelhou e começou a mamar na minha pica, engolia, chupava a cabeça, punhentava com ele na boca, chupava meu saco, colocava um bola na boca e punhentava me pau olhando para mim, estava quase gozando, segurava sua cabeça para engolir mais, mas não conseguia engolir tudo, acabei gozando e enchendo sua boca de porra, se engasgou e engoliu um pouco, depois se levantou e dizia que delicia, muito bom, ficamos nos beijando, ela começou se ensaboar, passou sabonete em mim, lavou bem minha caceta, depois foi minha vez de passar sabonete nela, passei na costa e na bunda, meu cacete deu sinal de vida e fui esfregando no seu cuzinho, ela olhou para tras e deu um sorrisinho e empinou a bundinha, fui apontando meu cacete e enfiando devagar, ela se ajeitava e ajudava a enfiar, comecei a socar devagar e beijava sua boca, pescoço, ela gemia, rebolava, empurrava a bunda para tras, e entrou tudo, soquei mais forte, encostei ela na parede, com as mão abrindo a bunda e gemia, mete, mete meu amor, soca no cu de sua irmã,delicia, aaai, uuuui, mete,aaai e começou a soluçar, aaai, aaai, vou gozar, virava o rosto e beijava sua boca, espalmou a mão na parede e segurei sua cintura e bombei mais forte, ela gemia e soluçava e disse que iria gozar, ela dizia, goza meu amor, enche esse cuzinho de porra, gozei bastante, ela se virou me abraçou e me beijou, falou que delicia, estava precisando de uma foda assim, agora estou saciada, gozei bastante. Passou os braços no meu pescoço, voltou a me beijar e olhando nos meus olhos, dizia, vou querer mais, não importa se você é meu irmão, você me preenche toda, me faz sentir saciada, uma mulher realizada e com os olhos cheios de lagrimas, dizia eu te amos meu irmão, não me deixe, quero que você me coma quantas vezes quiser, meu amor e nos beijamos com sofreguidão, beijos de língua. Nos despedimos e fui embora.
Chegando em casa, entreguei o presente de Aninha, que adorou e minha esposa dizendo, essa Carol e demais, quando tiver um filho ou sobrinhos irá paparicar todos eles.
Acabou o tempo na praia, voltei para o apartamento. Aninha voltou para o colégio, conversamos muito pelo wtshp,mas só conversas banais, quando ela queria transar, mandava mensagens sem nexo e já entendia o que era e a encontrava para meter em seu cuzinho.
Chegou o dia do Churrasco, levei Aninha e sua mãe que se encantou com Carol e Aninha não desgrudava dela. E na festa tinha ido os amigos do meu cunhado, Carol me mostrou a menina que tinha me falado anteriormente, uma gracinha, mas Aninha tinha a bundinha mais gostosa e a menina com uns peitinhos deliciosos quando as duas ficaram juntas conversando eu e Carol comentavam, que delicia essas duas nas nossas mãos? Carol dizia, nem me fale, já estou toda molhadinha só de imaginar, rimos. Depois Aninha junta com Carol e eu chegando perto, Aninha me fala, tio , aquela menina é uma putinha safadinha, mais do que eu! Perguntei por que? Ela veio me perguntar se já tinha uma piroca. Disse que não e ela disse que já tinha visto e segurado, disse é mesmo? E ela falou de quem ela viu? Não. E ela comentou se alguma menina já brincou com ela, na xerequinha dela. Aninha então me fala na frente de Carol, tio, não quero que você coma ela, fiquei com ciúmes dela, só quero que você coma eu a tia e tia Carol, mais ninguém. Tá? Falei, tá meu amorzinho, não vou come-la, mas bem que poderíamos ajudar para tia Carol brincar com ela, Tia Carol ficou doidinha por ela também, o que acha? Ela pensou e perguntou a Carol, se quer tia? Carol respondeu, hum-hum, quero meu amorzinho as vezes preciso disso, Aninha falou, tá bom! Vou ajudar. E saiu.
Carol me olhou e falou, Não vejo a hora de chupar aquela menina e sorrimos. Votei para junto de minha esposa e fiquei observando Aninha e a menina. Aninha de vez em quando ia para junto de Carol, conversava um pouco e, voltava para junto da menina. Eu disfarçava e ia conversar com Carol, que me dizia que Aninha falava da menina para ela, que a menina era safadinha, que já segurou o pau do tio dela, irmão da mãe dela e que a mulher dele já deu banho nela quando estavam sozinha em casa e brincava na bucetinha dela e Aninha perguntou se ela gostava, ela disse que sim e que no colégio tem uma menina mais velha que leva ela no banheiro e chupa a bucetinha dela. Aninha pediu a ela para mostrar a ela como era e que nunca tinha feito. A menina perguntou se podia beijar Aninha, falou que sim e a menina falou para ela ir lá para dentro de casa. Aninha tinha combinado com Carol para depois disfarçar e entrar. Voltei para junto do pessoal e fiquei observando. As meninas sumiram, Carol chegou perto de nós, disfarço um pouco e disse que iria tomar um banho e avisou a amiga e a mãe de Aninha que as meninas estavam vendo multishow, que iria deixar elas no quarto vendo enquanto ela tomava banho. As mães dela concordaram e Carol foi para dentro de casa. Fiquei curioso, imaginava como Carol estava se realizando, fiquei excitado. Demorou uns quarenta minutos e as meninas apareceram e continuaram a conversar e sorrindo, pensei devem ter gostado do trato que Carol fez. Logo depois Carol aparece, estava radiante, feliz e sorrindo. Disfarcei e cheguei perto dela e perguntei e ai meu amorzinho, como foi? Meu amor, estou no paraíso, que delicia, chupei muito a bucetinha da menina que gozou bastante na minha boca, que peitinhos deliciosos e enquanto eu a chupava Aninha chupava minha buceta, gozei horrores, depois as duas ficaram num 69 que fiquei olhando e me masturbando. Falei para Carol, me deu vontade de comer essa menina, depois você prepara ela para mim sem Aninha saber, Carol sorriu e falou pode deixar meu querido, mas primeiro você ter que me comer gostoso de novo. Tá? Falei, Claro meu Amor, hora que você quiser. Ainda não tive a oportunidade de comer o cuzinho da menina, mas continuo com Aninha e fazendo sexo gostoso com minha irmã Carol.
Forte abraço!

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 2,50 de 2 votos)
Loading...