Comendo a ninfeta putinha todinha

Há 2 anos 2 ★ 0.00

Vou contar algo que me aconteceu no ano passado. A história é totalmente verídica e vou omitir os nomes, por razões óbvias. Na época eu estava solteiro após terminar um noivado, andava tendo muito azar com as mulheres. Sou magro, 1,76m, 31 anos, um cara normal, e muitas vezes passo despercebido. Minha história louca começou quando fui fazer uma palestra numa universidade e lá conheci uma aluna. A menina fez várias perguntas, quis saber tudo sobre minha área de pesquisa, enfim, era uma aluna inteligente e interessada. Após batermos um papo rápido no local, trocamos contatos e ficamos de conversar mais vezes sobre o assunto.
Um tempo depois, enquanto conversávamos pela internet, a moça começou a me elogiar muito, dizendo que eu era muito inteligente e que também era muito bonito. Sinceramente, fiquei surpreso com esses elogios todos. Eu, bobo que sou, não esperava receber investidas. Comecei então a reparar mais nas fotos da menina. Era uma morena, 1,60m no máximo, tinha 21 anos, mas parecia um pouco mais nova, rostinho de menininha, roupas pouco reveladoras… Enfim, uma gracinha, mas fazia o tipo quietinha. E o mais curioso é que ela tem namorado! Papo vai, papo vem, eu já estava na maldade quando ela finalmente revelou que queria me dar! A princípio perdi o ar lendo aquela mensagem, mas depois fui investindo cada vez mais na ideia e a convidei pra ir à minha casa.
Conforme o combinado, ela foi me visitar, a menina estava querendo mesmo uma sacanagem. Ela estava linda, usando um vestidinho rodado que escondia o corpo, parecia uma adolescentezinha. Ela chegou e mal conversamos e já começou a rolar a pegação. Ela veio me beijar com muita vontade, enfiando a língua e buscando a minha. Depois comecei a beijar seu pescoço e orelhinha, ela estava cada vez mais ofegante, gemendo baixinho, escorregando a mão pelo meu corpo. Já sem aguentar de tesão eu comecei tirando o sutiã por baixo do vestido e enfim tirei o vestido… Fui surpreendido por aqueles seios lindos, empinadinhos, enfiei aqueles biquinhos inteiros na boca e apertei muito, eram macios e muito, muito gostosos. Poderia ficar uma vida inteira ali chupando eles. Enquanto isso, ela revirava os olhos numa expressão de quem pedia mais. Depois pedi pra ela tirar a calcinha e ela ficou com vergonha, toda vermelha… Onde já se viu, sapeca daquele jeito e cheia de vergonha! Então aos poucos ela foi tirando e eu fiz de tudo pra que ela não ficasse nervosa. Quando ela tirou tudo, veio logo sentando no meu colo e me beijando mais forte, rebolando em cima de mim e tirou o zíper da minha calça. Por fim estávamos pelados e fui surpreendido pelo corpo maravilhoso daquela mulher, que insistia em esconder sob roupas largas. Caí de boca naquela bocetinha. Era tão rosinha e aquele grelo era tão lindo, não consegui aguentar, enfiei minha cara e lambi muito, chupei tudo, arrancando gemidos dela, que movimentava o quadril de um jeito lindo e gostoso, conforme eu ia me afogando naquele melzinho. Perguntei se ela curtia chupar, ela nem respondeu e já foi abocanhando meu pau (que à essa altura estava latejando como um louco e todo babado) e foi até o fundo, chupou maravilhosamente, um dos melhores boquetes de todos os tempos! Eu delirava, estava fora do meu corpo, gemia ofegante e empurrava cada vez mais a cabeça dela em direção ao meu pau, e a chupada ia ficando cada vez melhor. Ela pegava nele e olhava nos meus olhos, lambendo da base à cabeça e depois chupando loucamente. Aquela boquinha linda escorregando no meu pau pulsante e eu não aguentaria nem mais um segundo, então pedi pra ela levantar porque eu precisava meter logo naquela ninfeta safada.
Levei ela pro quarto e ela sentou na cama, assim meio sem jeito. Então falei que queria comê-la de quatro, e ela prontamente atendeu meu pedido! Foi logo ficando de quatro, apontando aquela bunda pra mim, eu pude ver aquele cuzinho minúsculo e aquela boceta toda babada, não resisti nem mais um segundo e meti tudo de uma vez nela. Aquela boceta era muito apertadinha, sentia uma pressão deliciosa no meu pau. Ela gemia de um jeito tão gostoso e a cada metida era uma emoção diferente. Eu não conseguia acreditar que estava comendo aquela menina-mulher tão linda, que só tinha dado pro namorado até então, apertadíssima e cheia de amor pra dar. Eu bombava forte, segurando aqueles quadris lindos, desenvolvidos, e urrava feito um animal. Depois, pretendendo uma pegada mais íntima, trocamos de posição. Eu fui em cima dela, nossos corpos colados, aquele suor de verão escorrendo, nossos gemidos altos e intensos, e ela ia ficando cada vez mais molhada, fazendo aquela carinha de prazer indescritível que só quem ama comer ninfetinhas sabe. Eu xingava ela de putinha, safadinha, e ela adorava, dava uma risadinha safada e ficava cada vez mais empenhada na foda. Ela me quis, me procurou pra fazer putaria e eu estava apenas obedecendo, comendo ela com uma força incrível, pra deixar ela toda assadinha mesmo. Ela pedia pra trocar de posição e trocamos várias vezes, fodemos de todos os jeitos possíveis. Eu sou louco por uma bunda, então pedi pra ela sentar em mim com a bundinha virada na minha direção e lá foi ela, cavalgando em mim e gemendo deliciosamente enquanto eu observava aquele rabo moreno redondinho descendo e subindo. Aí não me segurei e peguei ela firme e, olhando nos olhos, disse que queria comer ela de quatro de novo, então apoiei ela na minha escrivaninha e comi bem fundo, observando aquele cuzinho e imaginando como seria incrível comê-lo e olhar a carinha de dor da minha putinha. Então delicadamente eu tirei da boceta e comecei a empurrar no cuzinho, usando a lubrificação dela e dando umas boas cuspidas. Ia enfiando e ela não se opôs, estava mesmo disposta a fazer uma putaria de verdade. “Mete, vai! Tá gostoso, me fode toda, bate na minha bunda!”, e isso soava como poesia pra mim. Eu atendi o pedido dela e bombei com força, dando tapas naquela bundinha maravilhosa, deixando ela toda vermelhinha, e enchendo o rabo da novinha de pau. Aquela cena estava selvagem, completamente fora de controle, imagino o que os vizinhos pensaram com o barulho! Depois deitei ela na cama de novo e fui enfiando na boceta, fiz um papai-e-mamãe alucinante até que eu avisei que gozaria, então ela pediu que eu gozasse na boca dela. Enchi aquela boquinha linda e rosinha de porra, e ela prontamente engoliu tudo. Que safada!
Depois disso conversamos sobre os assuntos de nosso interesse e a levei para casa. Algumas semanas depois comecei meu relacionamento com minha atual namorada e nosso lance morreu ali. Mas vou confessar que sempre penso nela, se é que me entendem…

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(0 Votos)
Loading...

2 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos

  1. correa

    Parabéns muito bom o conto fiquei com muitíssimo tesão me chamem no watts 12981959266 casais e casadas carentes .Sigilo absoluto.

  2. Anônimo

    Se alguma gatinha, curte uma putaria e uma conversa bem quente no whatsapp, então me chama lá…
    015997497046