Aposta Infeliz

Autor

Toda quarta rola aquele futebol com os amigos, e na ultima quarta é dia de churrasco, cerveja e muito falatório. Sempre fui um dos mais tranqüilos mas naquele dia de calor bebi mais do que deveria e sentado na mesa com mais 3 amigos cometi um erro, duvidei, alias apostei que um dos caras que tinha a fama de pegador era mais mentiroso do que pegador de verdade, ai apostamos o seguinte ele teria um dia pra comer minha mulher, se conseguisse os outros dois também poderiam comer pois ele disse ia conseguir e tirar foto, e chantagiaria ela para dar aos outros, e se eles perdessem, me dariam mil reais. Voltei pra casa e fiquei pensando que aquilo foi uma grande besteira coisa de bêbado, da boca pra fora, no sábado pela manhã toca a campanhia, eu e minha esposa ainda estávamos deitados. Levantei e fui até a porta e era o “galanteador”, olhei pra ele e ele disse:
– Não estou afim de perder meu dinheiro, então achei melhor vir logo e acabar com isso.
Achei ousado e interessante e me bateu um medo nessa hora, será que ele seria capaz??? bom nesse tempo de surpresa minha mulher vem até a escada e conseguimos ver apenas suas pernas, ele olha pra mim e diz:
– Arruma uma desculpa e sai, daqui a pouco volto, e digo que vou te esperar.
Meu que sem ação mas até envolvido com a questão resolvi sair e ver no que ia dar tudo aquilo. Falei que iria levar o carro pra uma revisão, após dizer que eram os Crentes batendo a porta pra trazer a palavra. Ela continuou na cama e eu sai.
Quando sai ele estava lá fora, falou pra mim que ia rolar tudo na sala, se eu quisesse comprovar era só ficar na janela olhando. disse a ele que não faria isso, mas claro que fui logo depois de ver ele entrando em casa. Da janela via ele sentado no sofá e logo depois ela desceu as escadas, de short e camiseta, acho que foi se vestir, como ela costuma ficar em casa. ele estava com calção de jogo e uma camiseta apertada, e ficaram batendo um papo de dez minutos sem dizer nada de mais, apenas reparei que ele ficava cutucando o pau de leve sobre o calção e sempre que ele cutucava ela olhava, meio que institivo por ele estar mexendo. Ela falou algo, e levantou foi até a cozinha, nesse intervalo ele sacou o pau pra fora e deu uma punhetada e com ele duro colocou no calção deixando o formato dele vem evidente. Ela voltou com um copo de café e um de água. e deu o copo de água a ele e secou o pau dele que ele fez questão de deixar bem marcado. Nessa hora pensei me fudi. Mas continuaram conversando, e quando ela foi levar os copos pra cozinha, eu dei uma puxada no vitro de leve pra poder ouvir.
Ela voltou e se sentou na poltrona e ele tava no sofá, todo largado com o volume bem a mostra. ele levantou e se espreguiçou, colocando pra frente seu corpo, nessa hora ela deu uma encarada que parecia que ia cair de bola, ele percebeu e continuou em pé, e perguntou:
– Será que ele demora?
– Não sei. Vc quer ir depois falo pra ele que vc esteve aqui???
Ai pensei, “ganhei o que vou fazer com esse dinheiro”, quando ele olha pra ela e diz.
– Vc quer que eu vá??? – deu dois passos em direção a ela e começou a passar a mão na rola por sobre o calção quase encostado na cara dela.
– Meu marido pode chegar. – disse ela com os olhos fixos no volume do calção dele.
Ele pegou a mão dela e colocou sobre sua rola ainda no calção e disse:
– Se ele pode chegar, vc ta perdendo tempo. Desde que cheguei que vc não para de olhar para o meu pau, e quando bati o olho em vc pensei, essa é putinha.
Ela ficou paralisada com a forma com que ele falou e manteve a mão parada sobre o sua rola. E ele completou.
– Se vc quiser eu vou embora. Mas pra mim, vc não passa de uma vagabunda que ta louca pra chupar a rola do amigo do seu marido. – E abaixou o calção deixando a rola sair e bater na mão dela que continuou no mesmo lugar só que agora com a rola na mão.
Ele passou a mão por trás da cabeça dela e deu uma forçadinha, ela não foi de primeira, nem na segunda, mas seu rosto ficou a dois dedos da rola dele, ele começou a esfregar a rola na cara dela, ela ficou parada só abriu um pouco a boca e continuou parada, ele percebeu e começou a passar o pau no lábio dela que foi abrindo aos poucos e logo ele já estava com o pau na boca dela. Acho que ela ainda estava abalada como tudo estava acontecendo. Ele percebeu e falou:
– Vai vagabunda chupa, chupa por que é isso que vc quer.
Ela começou a chupar como nunca vi antes e ele ainda zuou.
– A vagabunda gosta de ser mandada é uma puta mesmo. Põe ele todo na boca quero ver.
Ela engolia até o talo e ele segurava a cabeça dela por alguns segundos e soltava e ela saia meio engasgada e cheio de baba entre a boca dela e a rola dele, então ele ia e esfregava o pau na cara dela. Ela começou a chupar mais rápido mas ele puxou ela pelos cabelos e arrancou da sua rola. Virou ela de costas pelos cabelos e abaixou seu short junto com a calcinha e nem bem saiu ele já meu a rola na sua buceta. ele estocava forte ela gemia feito louca, ele não parava de meter e dava as vezes uns tapas na sua bunda e xingava ela. Eu na janela olhando estático, não sabia o que fazer. Mas tava de pau duro. E via o “galanteador” fudendo minha esposa como um animal. Ele socava sem dó. as vezes puxava ela pelos cabelos colando os corpos e chamava ela de puta na orelha dela, ai empurrava ela de volta no sofá e mandava ver na sua buceta. em dado momento ele parou. jogou ela no chão pelos cabelos e começou a bater uma punheta na frente dela, e gozou fartamente na cara dela. Ainda puxou a cabeça dela pra ela chupar seu pau. Deu as costas pra ela, pegou algo sobre a mesa e saiu.
Ela ficou ali parada caída no chão toda gozada na cara, e eu ali na janela olhando sem entender nada.
Esperei ela levantar e subir depois de uns 20 min. Entrei e ela estava tomando banho. Tocou o telefone e era o “galanteador”, ele dando risada falou:
– Depois mostro as fotos da puta da sua esposa, apesar que sei que vc viu tudo da janela. Até quarta e desligou.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,25 de 4 votos)
Loading...