Saudades do Papai

Engana-se quem pensa que menina pequena não tem desejos e não sente tesão. Quando eu era pequena costumava passar os finais de semana na casa de papai que depois que se separou de mamãe optou por morar sozinho. Na casa de papai tinham dois quartos: O meu e o dele mas raramente dormia em meu quarto. Sempre dormíamos juntos e abraçadinhos e sempre sentia o calor de uma coisa quente e dura que não sabia o que era e claro sempre dava um jeito de encostar pra senti-la em mim. Minha calcinha ficava toda molhadinha. Eu não sabia o que era aquilo mas era um sensação muito boa e muito gostosa. As vezes ficava em cima de papai com minha xoxotinha encostada naquela coisa e ele ficava esfregando lentamente em mim e era uma delicia. Foram muitas vezes e eu gostava muito. Papai nunca me dava banho pois ele dizia que menina tinha que tomar banho sozinha mas um belo de um dia ele me chamou pra tomar banho com ele e pela primeira vez vi aquela coisa dele de perto. Não tirava o olho desde o momento que ficamos nus. E ele perguntou: -Filhinha, o que você está olhando? Aí eu respondi com outra pergunta: -Papai, o que é isso que vocês homens tem que é diferente de nós meninas? Aí ele me respondeu: Isso é um pênis, querida. Nisso eu passei a mão nele e ele disse que não, que não podia fazer aquilo que não era certo. Quando começamos a nos ensaboar pedi pra que ele me ajudasse e quando chegou na hora de passar na minha xoxota ela disse: Aí é você que passa o sabão. Seu papai não pode passar a mão aí. Aí eu perguntei por que e ele respondeu: sem perguntas, não posso! Aí eu mesma passei. Quando chegou na parte de trás ele disse também que não podia. Que essas partes quem tinha que lavar era eu. Nisso ele também estava se ensaboando e quando passou sabão no seu pênis vi que estava ficando um pouco maior. Aí perguntei: Papai, por que seu pênis tá ficando grande? Ele se virou e disse pra não olhar. Que era pra eu terminar de me enxaguar e sair do banheiro. Obedeci e fui pro quarto morrendo de curiosidade do porque ter crescido daquele jeito. Fui pro quarto procurar uma roupa e ao passar de novo pela porta do banheiro que estava encostada vi papai fazendo movimentos no seu pênis e ele estava ainda maior. Ele fazia movimentos com a mão e ficava falando meu nome baixinho. Não estava entendendo nada pois até então não sabia o que era sexo. Ele ficou assim por alguns minutos, depois se enxaguou e foi pro quarto. Estava deitada só de calcinha na cama e ele me perguntou por que ainda não tinha me vestido. Eu disse que queria ficar de calcinha porque estava fazendo calor. Aí ele disse que ia ficar só de cueca. Deitou perto de mim e me colocou em cima dele e ficou roçando aquela coisa gostosa em mim. -Papai, deixa eu ver vá! -Não filhinha, não, é só uma roçadinha, papai não quer te machucar. Nisso parte da cabeça do seu pau já estava fora da cueca e eu já estava toda molhadinha. Tirei minha calcinha e fiquei passando minha xoxota nele. -Filhinha, pare com isso. -Não, papai, não. Fiquei roçando minha xoxotinha nele até que ele gozou me melando todinha. Depois disso, aos poucos papai foi me ensinando tudo sobre sexo e fui sua putinha por muito tempo até que cresci, me casei e sou uma mulher muito bem resolvida e sem traumas. Ele já morreu tem alguns anos e nunca me esqueço de nossas brincadeiras chegando a ficar toda molhada só de me lembrar. Tenho uma filhinha e queria muito que meu marido fosse o primeiro homem em sua vida como papai foi na minha e ensinasse tudo a ela mas não vejo a mínima possibilidade disso acontecer pois já criei situações de deixa-la nua com ele e não vi nenhuma reação. Nem uma ereçãozinha. Espero que vocês tenham gostado do meu conto. Foi uma forma de me lembrar de papai e do quanto ele foi importante na minha vida.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,50 de 2 votos)
Loading...