Meu vizinho roubou a inocência da minha noiva

Chamo-me Carlos e trabalho como gerente de operações de uma empresa multinacional, um tempo atrás, eu fui mandado para o Rio Grande do Norte, pois iria inaugurar uma nova filial no estado e fui designado a acompanhar o andamento das obras, foi nesta época que conheci Sabrina uma loira típica da região com os peitos fartos, bunda e coxas enormes e muito bem torneadas, começamos a namorar neste período e quando as obras se encerraram, eu teria de voltar para a casa no Rio de Janeiro, então decidimos que ela viria morar comigo já que estávamos nos gostando muito e quem sabe futuramente nos casaríamos.
Moro num bairro tranquilo do Rio, porem tinha um vizinho muito folgado que desde que se mudou sempre batíamos de frente, seu nome era Tadeu, era um homem moreno mais para negro mesmo, alto e rustico, além de muito intransigente, porem seu comportamento mudou quando cheguei a minha rua com Sabrina, logo que cheguei à frente de casa por uma grande falta de sorte, ele estava sentada na calçada da rua trajando uma bermudona branca e com a mesma cara debochada de sempre, ao descer do carro com Sabrina que trajava uma blusa branda e uma calça legging roxa, que por ser emprestada de sua irmã mais nova, havia ficado muito apertada evidenciando sua xoxota, o semblante dele mudou e já veio me cumprimentando falando que nunca mais tinha me visto e tal coisa e coisa e tal, respondi as suas perguntas meramente por educação, sem demora ele me perguntou quem era a moça que estava comigo, então lhe disse que era minha noiva, ele com a maior cara de pau do mundo, quando Sabrina lhe estendeu a mão, ele a puxou de encontro ao seu corpo e já foi logo a abraçando, com seu corpo bem colado ao dela e disse ao pé do seu ouvido que seu nome era Tadeu e no que precisasse podia contar com sua amizade, ela sorriu, notei que abriu um pouco as pernas e disse que seu nome era Sabrina.
Ele lhe apertava a cintura, de forma a pressionar a área do púbis de ambos, uma na outra, na hora fiquei roxo de raiva com tamanha ousadia de sua parte, pois via o contorno de seu pau já meio duro esfregando-se na bucetinha de minha noiva, mas me mantive calmo, pois não queria me exaltar com ele na frente de Sabrina, pois em vista de seu comportamento caloroso eu poderia transparecer que era muito ciumento ou descontrolado após algum tempo ele soltou minha noiva e podemos adentrar minha casa, eu queria lhe mostrar a casa, mas ela insistiu em ficar falando como meu vizinho era bonzinho e amigável e de como ela se sentia acolhida com a animação das pessoas aqui do Rio, então como estava cansado logo fui dormir, ela veio e se deitou ao meu lado, mas estava tão cansado que não esbocei qualquer reação.
No dia seguinte sai cedo para trabalhar e lhe disse para ficar a vontade que a casa agora também era sua, o dia transcorreu normalmente, onde recebi elogios do meu chefe pelo bom trabalho, mas fiquei ocupado o suficiente com as papeladas restantes para não conseguir ligar para casa ao longo do dia.
Ao chegar já me deparei com uma musica alta de pagode que vinha dos fundos da residência do meu vizinho, já cansado e contrariado segui para casa, ao chegar procurei por Sabrina e nada, então sai e fui ver se alguém sabia ao que logo minha vizinha do lado disse que a viu se dirigindo para a casa de Tadeu, então eu adentrei aquele lugar e contornei a casa ate os fundos e me deparei com a seguinte cena, Sabrina e uma mulata dançando pagode próximo a uma piscina de plástico de médio porte, em quanto que meu vizinho assava o que parecia ser umas linguiças na churrasqueira, mas o pior era o modo como todos estavam vestidos, a mulata estava com um biquíni curtíssimo culminando com um fio dental no rabo ambos de cor roxa, meu vizinho eu estava de costas para onde eu estava e ele usava uma daquelas sungas apertadas na cor marrom praticamente em seu mesmo tom de pele, Sabrina estava vestida na parte de cima com um biquíni preto que praticamente só tampava as auréolas dos seios e na parte de baixo um mine shortinho de tactel de cor verde amarelada que deixava uns 70% das polpas de sua bunda de fora, além de ter bastante transparência, tanto é que pude ver que ela estava com um fio dental preto por baixo.
Quando ela me viu parou de dançar e veio ao meio encontro, dizendo “oi amor” em seguida me dando um selinho na boca, eu estava tão puto que perguntei o que ela fazia ali de forma seca, ela me disse que o Tadeu tinha ido lá a nossa casa e lhe presenteou com aquele short e biquíni que ela estava, “ele não é um doce de pessoa” ela comentou e continuou “então me vendo aqui sozinha em casa, disse que ia fazer uma festinha na piscina e me convidou”, nesse momento eu lhe perguntei se ela não achava aquela roupa muito curta, ela disse que sim era, mas depois a Rita que era a mulata, lhe convenceu que essa era a moda no Rio, então ela aderiu e disse que também depois de um tempinho a gente se acostuma, já tomei banho com Tadeu de piscina e tudo e o biquíni não me incomodou, eu lhe indaguei “tomou banho nessa piscininha”, “sim amor, mesmo ficando com minhas pernas por cima das pernas dele, deu pra gente se refrescar na piscina e ate dançar um pouquinho, estava um calorzão aqui agora a tarde”.
Eu estava meio sem saber o que dizer então Tadeu veio ate nos e agora pude ver o volume maciço que havia em sua sunga mesmo ao que me parecia ainda estar de repouso, me dizendo “como vai vizinho, senta ai” e me ofereceu um prato com uma linguiça de cor e formato tão estranhos, ela era bem mais escura, cumprida, grossa e a ponta era rombuda parecendo triangular, eu perguntei que linguiça era essa para ele, ele me disse que era linguiça de búfalo e que era muito gostosa que podia comer sem medo, minha noiva disse, ”come amor a linguiça do Tadeu é muito gostosa” nesse momento ele deu uma risada, que logo foi compartilhada por Rita, que vinha para me trazer uma garrafinha de cerveja.
Então sentei para comer e Rita sentou-se ao meu lado e começamos um dialogo vagal, ao mesmo tempo em que Tadeu chamou Sabrina para dançar “mais um pagodinho” como disse ele, ela foi e logo vi aquele negão agarrado na cintura de minha noiva num bate coxas vigoroso, onde ela rebolava bem rápido entre as pernas dele que também rebolava roçando sua sunga no short dela, minha atenção foi roubada nessa instante por Rita, que me perguntou “então você é o vizinho do Tadão, me parece gente boa” ao que respondi que sim e lhe perguntei de onde ela o conhecia, então ela me contou uma historia sobre ter uma infância complicada, viver nas ruas e num momento muito difícil de sua vida o Tadeu ter lhe ajudado.
Então perguntei o que ela fazia da sua vida e ela me disse que trabalhava para ele, o que me suou estranho, pois de fato eu nunca soubera o que meu vizinho fazia para viver , quando eu ia lhe perguntar o que era, ela me interrompeu e disse que para uma branquinha, minha esposa tinha o requebrado de uma mulata, nesse momento voltei minha atenção para os dois dançando e pude ver minha noiva rebolando o bumbum bem rápido ao som da musica, em cima do colo de Tadeu que ria animadamente em quanto lhe segurava a cintura com uma das mãos, eu também pude observar que o volume em sua sunga estava ereto e apontando para cima, fazendo um contato de esfregação com a bunda de Sabrina que estava praticamente toda de fora, naquela roupinha e no momento final da musica ele a levantou no ar no que ela fechou as pernas e ergueu os braços para cima como numa apresentação e Tadeu veio descendo ela colada ao seu corpo e pude ver quando ele passou bem devagar o volume de sua sunga no meio da bunda dela, quando tocou o chão foi que ela abriu os olhos e riu e disse para ele que ele dançava muito bem, ao que ele disse que ela que era maravilhosa e pra fecha minha noiva disse que eles faziam um ótimo dueto, foi ai que eu vi que um dos bicos dos seios de Sabrina estava para fora e lhe falei, ela riu e ajeitou normalmente, mas ainda rindo disse que aquilo não foi nada de mais, pois na hora que estava dançando na piscina com Tadeu, os dois seios dela escaparam do biquíni pulando bem na cara dele, eles riram da confusão e logo ela guardou os seios novamente.
Foi quando eu disse que devíamos ir, pois já era tarde e eu já tinha acabado a linguiça e não estava mais com fome, ela assentiu e disse que só ia se despedir de seus novos amigos, dando um abraço e um beijinho em Rita e depois foi e depois deu um pulo abraçando Tadeu e pondo suas pernas ao redor da cintura dele, pude ver os seios de minha noiva esmagados contra o peito do meu vizinho e o volume de sua sunga agora esticava o tecido do short de Sabrina mesmo na altura de sua xereca, a meu ver de forma disfarçada, o pau de Tadão, fazia pressão na buceta de Sabrina, ele ainda ensaiou uma dancinha com ela cantarolando um trecho de musica funk, o que a fez cantar também e sem perceber, nesse remelexo todo, eu percebi o volume da sunga dele afundar no tecido do shortinho dela, foi ai que vi que na verdade com a pressão, o volume tinha de fato era afastado um pouco o short e esticado os lábios vaginais de minha noiva, e que se não fosse à sunga e o biquíni de Sabrina, a ponta do cacete de Tadão estaria dentro da vagina de minha noiva, o que de fato parecia estar quase acontecendo só que com roupas, após o que me pareceu uma eternidade ela desceu dos braços dele ajeitando o short e disse rindo “tchau”, ele esperou ela se virar deu um tabefe na sua bunda e disse “Tchau danada”, ela ameaçou ficar com raiva franzindo a testa, mas riu e me deu o braço para irmos para casa.
Chegando a nossa casa eu tive uma conversa seria com ela onde deixei claro que não queria ela na casa do vizinho e nem ela andando com roupas tão curtas e que tinha de me avisar quando fosse sair, ela ficou puta me dizendo que eu queria controlá-la e que não queria deixa-la ter amigos e viver como uma prisioneira dentro de casa e que se soubesse que eu era assim, não teria vindo comigo, pois ninguém ia mandar nas suas roupas e também ela não ia viver feito uma prisioneira dentro de casa não, depois de muito discutir ambos fizemos concessões, eu mais que ela, afinal não estava desposto a perder minha futura mulher por coisas bobas como ciúme e também lembrei que a muito tempo eu vivia sozinho e que talvez eu teria de aprender a viver com alguém e dizendo isso para Sabrina, nos concluímos o assunto, onde ficou acertado que ela ia poder sim andar com a roupa que quisesse, ter suas amizades e que sempre que fosse sair me avisaria, mas caso alguma vez esquecesse, eu a perdoasse, pois seria um costume a ser aprendido, ate quis comer ela depois do acerto, mas ela disse que seria meu castigo para lembrar de ser mais gentil e amoroso com minha futura esposa e ficar uma semana sem sexo.
Aquela semana transcorreu normal sem nada de excepcional, ate mesmo por causa da chamada que dei em Sabrina, ela não saiu muito, só indo para a praia uma vez com Rita e outras duas vezes ao shopping, coisa que fez para comprar varias roupinhas e pelo que percebi muito top, muitas sainhas e principalmente shortinhos de algodão e lycra que ela me disse adorar usar, pois era realmente confortável, também comprou algumas calças legging e varias calcinhas fio dental e de renda, elas também foram ao salão na sexta, onde soube que ela fez banho lua, cabelo, unhas e depilação.
Mas no sábado ela me avisou que teria um jogo do seu time favorito e que por coincidência também era o time favorito do “Tadão” como ela disse e que ela ia ver o jogo na casa dele lá em seu telão, eu falei que não gostava disso e que não gostava que ela ficasse sozinha com ele, na casa dele, ai ela me perguntou se eu tinha ciúme dele, eu desconversei e ela riu, depois me disse que eu não precisava me preocupar a Rita também ia estar lá, nessa hora eu virei pra ela e perguntei se ela sabia o que aquela Rita fazia, ela me disse que não, mas achava que ela e o Tadão tinham alguma coisa e seguiu rindo como uma criança boba para o banheiro, após as tarefas rotineiras de casa durante o dia, ela tomou banho, e separou uma roupa em cima da cama, que fui ver era uma camiseta baby look do time de cor vermelha e um shortinho preto de algodão e um sutiã rosado, então eu perguntei para ela, se não ia por uma calcinha, no que ela me disse que não por que tinha se depilado e a calcinha coçava, provocando uma irritação e que iria ficar sem por um tempo.
Já banhada e vestida, quando a vi eu fiquei com um baita tesão, vendo minha noivinha daquele jeito toda banhadinha, gostosinha com o cabelo arrumado, naquele roupinha sexy e resolvi que ia acompanhar ela ate o vizinho afinal esse short era maior que o outro não mostrando as polpas da bunda, ficando bem no seu fim, mas algo me dizia para ter cuidado, então seguimos para dentro da casa e encontramos Tadeu sentado no sofá de frente para a TV trajando uma camisa vermelha do time e o que me parecia mais uma cueca de seda preta que evidenciava que o mesmo estava sem nada por baixo, ele disse “entra ai minha gente, o jogo vai já começar” e da cozinha vinha Rita com uma calça legging rosa e uma blusa branca segurando uma bandeja com alguns petiscos e puxando um engradado de cerveja, logo ela disse que já estava indo, ao que Tadeu confirmou com a cabeça, eu perguntei se ela não ia ficar para ver o jogo, nisso ela disse que não que tinha vindo apenas para fazer uma comida pro Tadeu e deixar uns pagamentos, mas que agora tinha que ir, pois tinha um assunto pendente.
Sentei-me numa poltrona que ficava ao lado do sofá e quando Sabrina foi sentar-se ao lado dele no mesmo sofá, ele botou a perna no meio de seus pés e ela caiu, mas no que ela foi caindo ela caiu sentada no colo dele, ele riu e ela fez cara de birra, mas acabou caindo na gargalhada, eles ainda ficaram tirando onda um com a cara do outro e só alguns segundos depois foi que ela escorregou de seu colo para a poltrona do sofá, quando ela saiu eu percebi que o pau dele já havia dado sinais de vida ficando ouriçado, estufando a frente de sua cueca de seda, a brincadeira também fez o short de Sabrina subir um pouco e agora suas coxas alvas e de pelinhos dourados, estavam completamente amostra, no que ele segurou firme uma delas e disse para ela “olha esta começando”.
Os próximos 15 minutos de jogo foram de tensão para eles, eu já estava com calor e perguntei se podia ligar o ventilador, ele disse que estava quebrado, mas que eu podia tirar a camisa se quisesse, eu tirei e perguntei se ele não estava com calor também, ao que ele me disse que só ia tirar a camisa depois que o time fizesse um gol, pouco tempo depois o time deles fez um gol e os dois se levantaram do sofá e começaram a grita e pular de alegria, ele tirou a camisa e ela pulou em seus braços e ficaram pulando agarrados e novamente vi o volume de seu pau ereto e agora muito bem destacado pela roupa, fazendo pressão na xereca de Sabrina, mas como ambas as peças eram pretas, não consegui distinguir muito bem se tinha havido alguma penetração de tecido, sei que ficaram nisso algum tempo pulando e rindo com seus púbis aparentemente colados e Tadeu a segurando com ambas as mãos pelas costas na base da cintura e depois se sentaram para ver o jogo novamente e só ai Sabrina escorregou para fora do colo dele, mas logo Sabrina disse que ela que não estava aguentando e tirou a camisa, ficando de sutiã ali na nossa frente, eu olhei feio para ela, mas ela nem me deu muita bola, mas quem gostou foi o Tadeu que agora dividia sua atenção entre o jogo e os seios de minha noiva.
Depois disso o Tadeu passou a beber mais e é claro que em dado momento ele foi ao banheiro e acredito que por costume, não fechou a porta e tanto eu quanto Sabrina podemos ver sua rolona negra urinando, quando veio, na hora eu não percebi, mas ele não guardou a rola direito dentro da cueca e ficou a cabeça pra fora, o outro time tinha empatado então Sabrina disse que se o time deles fizesse outro gol, ela tirava o sutiã, eu disse “que é isso amor”, ela disse que era promessa e ate já deixou o fecho de trás da peça aberto, foi ai que eu passei a torcer contra na minha cabeça, mas em menos de um minuto eis que o time deles faz outro gol, ai né já viu, ela levantou arrancou a peça jogou longe e ficou pulando de alegria, a visão de seus peitões indo para cima e para baixo, fez com que Tadeu se levantasse de uma vez empolgado e não percebesse que seu pau ereto havia saído completamente da cueca e ao agarra Sabrina que automaticamente foi com as pernas para sua cintura, a cabeça da pica foi direto na boca da buceta e devido o suor e o tecido muito maleável a cabeçona entrou junto com o tecido dentro da vagina de minha noiva, que foi aos poucos se colando nele, e pude ver os seus seios nus se esmagando contra o peitoral dele também nu e o suor dos dois se misturando em quanto pulavam euforicamente.
Estavam tão eufóricos que em dado momento Sabrina segurou em Tadeu por tras do pescoço e ele a segurou pondo ambas as mãos nas laterais de sua bunda que tinha boa parte para fora da pequena peça, eles nem se deram conta que na medida em que pulavam a piroca de Tadeu entrava mais e mais na buceta de Sabrina, eu via isso na minha frente aturdido, pois parecia uma cena de sexo explicita onde eu via seus corpos suados colados um ao outro se movimentando para cima e pra baixo e via o contraste da pele alva de Sabrina em relação a pele escura de Tadão e via também sua piroca mesmo que com o tecido do short dela agindo como uma camada, sua piroca veiúda e carnuda, estava a penetrar a buceta de minha futura esposa e se mover num vai e vem lá dentro, em quanto eles pulavam despudorados de felicidade pelo time, ela pulava e remexia os quadris em seu colo, em quanto ele lhe apertava as maçãs da bunda acompanhando seu movimento de cima para baixo, tudo de uma forma bem natural e com certa agilidade, ate que Tadeu gritou o nome do time e Sabrina rebolava e gemia repetindo “Campeão Aaarh, campeão aarh.” e um cheiro forte de porra no ar foi quando ela pareceu se tocar, saindo dele e conforme ia descendo, a pirocona ia saindo vagarosamente de dentro dela, foi quando ele terminou de tirar que se cobriu pedindo desculpas e dizendo que nem havia percebido que aquilo tinha acontecido, é que eu pude entender que o short dela havia sido rasgado pela cabeça do pau dele e feito um buraco do diâmetro da entrada da vagina dela, que por sinal estava bem diferente do normal que é bem fechadinha, agora estava bem aberta e com um liquido amarelado saindo de dentro.
Sabrina agora tentava cobrir a vagina exposta em quanto que Tadeu ainda com sua piroca de fora e agora pelo que pude perceber com a cabeça melada e pingando o mesmo liquido, não sei se de algum liquido próprio ou dos líquidos de Sabrina, ou ate mesmo dos dois, foi quando ele virou para mim se desculpando pelo ocorrido e disse que não nos preocupássemos, pois ele iria pegar um dos shorts de Rita que tinha em casa e que ia pedir a um amigo para costurar o short dela e que não se preocupasse que ficaria tudo em sigilo e o short ficaria como novo, então ela terminou de remover o short ficando totalmente pelada ali na nossa frente só de sandália e ele vendo sua cueca muito melada fez questão de removê-la, quando ele ia se dirigir ao quarto para procurar a peça para Sabrina, não tínhamos percebido, mas o time rival havia empatado e nesse momento o locutor falou que a decisão seria nos pênaltis, foi quando Tadeu disse “calma ai, depois dos pênaltis eu vou” e voltou a se sentar no sofá, totalmente nu com seu pauzão lá semiduro assistindo, Sabrina disse que também queria ver e disse que não havia muito que ser feito agora que não pudesse ser feito depois, pois a merda já estava feita.
Estavam os dois pelados no sofá da sala vendo os pênaltis e só eu parecia achar aquilo estranho, foi então que para quebrar o gelo Sabrina disse olhando para o pau de Tadeu, “nossa eu devia estar muito excitada para não sentir essa coisa entrando na minha vagina” e deu uma risada, então Tadeu comentou “A sua vagina é bem depilada, zero pelos, parece ate a bucetinha de uma adolescente bem apertadinha”, então sorriu e passou a mão na coxa dela, certo que Sabrina com seus vinte e poucos anos não era mais nenhuma adolescente, mas ainda era bem jovial, então finalmente o time deles havia ganhado por um gol, eles se levantaram e ate ensaiaram se agarrar pulando de novo, acho que estavam no automático, eu ate olhei estremecido, mas viram que estavam nus e somente se abraçaram de forma afastada e educada, no entanto mesmo assim o pau de Tadeu tocou a barriga de Sabrina, então ela como sempre muito espirituosa, disse “Cuidado para não rasgar minha barriga com isso”, ao que Tadeu retrucou “Você tem razão, essa piroca esta rasgando ate priquito hoje.” eles riram e ele foi saindo em direção ao quarto.
Quando voltou, ele estava com um roupão de banho branco e segurava uma minissaia branca, seu roupão estava desabotoado e era visível que ele estava pelado por baixo, mas não sabia em que estado estava seu pau, pois além de já passar das 23 horas e estar escuro, o roupão cobria bem a parte inferior de seu corpo, ele deu a minissaia para minha noiva e disse que só havia encontrado aquela peça e novamente se desculpou pelo ocorrido, Sabrina, pois a minissaia que realmente cobria muito pouco principalmente pelo fato da ausência de uma calcinha procurou a camisa pela sala, mas mesmo tendo ficado em todas as posições possíveis e reveladoras pelos moveis, não achou, então vestiu o sutiã, eu já estava na porta então de fato não pude ver o que aconteceu neste momento, mas foi o seguinte Tadeu lhe “não vai ficar com raiva de mim né” no que ela respondeu “Que estava tudo bem”, mas ai ele disse “pois então venha aqui correndo pula e me da um abraço agora”, nisso Sabrina, fez exatamente como ele pediu e quando ela pulou que já foi com as pernas abertas para abraça-lo, ele abriu os braços afastando o roupão, revelou seu pau em total ereção, não dava mais tempo para parar ou fechar as pernas e a piroca entrou com tudo ate o fim da buceta, rasgando tudo, minha noiva deu um longo gemido em quanto era completamente empalada, ao cravar toda sua pica na xereca de Sabrina, Tadão disse com uma voz grogue de tesão meio que se justificando “eu num disse que essa piroca estava rasgando ate priquito hoje”.
Mesmo desorientada com a situação, Sabrina começou a rir da piada dele o que fez sua barriga se contrair e se mexer, seguido por ela, Tadeu também caiu na gargalhada, e com ambos rindo, ambas as barrigas se contraiam e com isso a piroca e o priquito se movimentavam, eu esperando na porta ouvia os risos e em quanto riam ela levantou a minissaia vislumbrando a buceta loira dela engolindo a piroca preta dele, ele a segurou pela cintura com ambas mãos de forma que seus antebraços ficaram passando por debaixo de seus joelhos segurando e elevando suas pernas, assim as canelas dela foram parar próximas aos ombros dele que disse “realmente eu não tinha visto por esse angulo” no que ela meio ofegante completou “eu também não” e Tadeu passou a mover seus quadris em quanto sutilmente a puxava para cima e para baixo pela cintura, eles olharam para minha direção, mas continuaram a movimentando, foi ai que Sabrina deu um gritinho, lhe perguntei se estava tudo bem, ela ainda meio ofegante disse “não é nada amor, só estamos comemorando por causa do time” e passou a pular na piroca dele rebolava o quadril e gemia repetindo “Campeão Aaarh, campeão aarh.”, de fato nesse momento eu fiquei na duvida do que acontecia ou os meus neurônios não funcionassem direito e fiquei no aguardo.
Após mais alguns minutos Sabrina veio e percebi que ainda fedia muito a porra, agradecemos pela hospitalidade e seguimos para a porta da rua, Tadeu ainda nos ofereceu guarita para a noite dizendo que era muito tarde, mas eu disse que estava tudo bem, pois nossa casa já era a da frente, ele novamente se desculpou pelo incidente e com o short dela na mão disse que ia concertar, Sabrina sorriu, agradeceu e fomos para casa, alguns vagabundos de rua viram minha noiva saindo da casa de Tadeu vestida como uma puta só de sutiã e minissaia além de suas pernas estarem bastante soadas e em forma de chacota disseram “Eita hein doutor, vai comer a putinha né”, já outro disse “Ta comendo as putas do Tadão né kkkk” na hora tanto pela vergonha da roupa de minha noiva, quanto pela parte de quem vinham os comentários, não dei muita atenção e seguimos para dentro de casa, já passava de uma e meia da madrugada, nem eu e nem Sabrina queríamos falar do ocorrido no sofá da casa do vizinho então deixamos para conversa no outro dia quando estivéssemos mais calmos e descansados e fomos dormir.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 5,00 de 1 votos)
Loading...