Neta querida II

Era domingo e todos estavam em casa, eu e Carla não havíamos feito sexo naquela semana ainda. Dava pra notar que ela queria muito isso! Depois do almoço Carla ficou me ajudando arrumar as coisas na cozinha, minha filha e minha outra neta foram para o quarto dormir um pouco. Carla não conseguia disfarça seu desejo por sexo. Sempre que fazíamos eu sempre tomava a iniciativa. Mas dessa vez partiu dela. Ela por conta própria, vai a porta da cozinha e volta:
– Vovô, elas já estão no quarto, coloca agora seu piru na minha pepeka.
– É perigoso eu colocar ele nela hoje, alguém pode ver!
– Mas quero agora!
Carla fala isso já meio que abaixando seu short. Confesso que na hora não pensei direito e acabei aceitando. Eu a levei para a lavanderia, a coloquei sentada na maquina de lavar, tirei seu short caindo de boca na pepeka dela. Carla já estava molhada de prazer, abaixei meu short posicionei meu pau na entrada da bucetinha de Carla e comecei a fuder minha neta. Pela primeira vez beijei minha neta na boca. Carla não sabia muito bem como beijar, mas foi pegando o jeito as poucos. Tirei a camisa dela e mamo seus peitinhos, que cada vez ficavam maiores, em quanto a comia. Carla só gemia, até que ouvimos um barulho na escada. Tiro meu pau rápidamente de bucetinha. Ela se arrumar de pressa. Quando minha neta Joana entrou na lavanderia e eu e Carla já estávamos normais, fingido arrumar as roupas do varal. Joana falou algo que agora não lembro e saiu.
– Carla, não podemos fazer isso, quando elas estiverem em casa.
– Eu sei vovô, mas eu estava com muita vontade.
– Eu também, pena que não deu para ir até o fim!
Carla olha pra mim, com ar quero mais.
– Carlinha, você ainda quer mais?
– Eu quero mais, seu piru dentro da minha pepeka!
Carla estava com um vestidinho na mão que já estava seco.
– Carla coloca esse vestido e fica sem sua calcinha, que vovô vai colocar ele nela de novo.
Ela fica nua na minha sempre e coloca o vestido. Eu me sento no chão no canto da parede, abaixo meu short um pouco.
– Vem Carlinha, senta no colo do vovô.
Ela fica na minha sempre, eu a peço para ela levantar a parte de baixo do vestido. Minha neta levanta, eu dou um beijo bem no meio da pepeka dela, passando a língua. Carla vai se abaixando em direção ao meu pau, até sua bucetinha encosta na cabeça do meu pau.
Eu a pego pela cintura, vou descendo com ela até meu pau entrar todo. Abaixo uma alça do vestido para ver seu peitinho duro de tesão, começo a fazê-la subir e descer no meu pau. A cada movimento seu peitinho balançava.
– Vovô assim é mais gostoso
Carla gozava no meu pau, quando minha filha apareceu na porta.
– O que vocês estão fazendo aí sentados?
Eu fiquei gelado na hora! Minha neta com toda tranqüilidade respondeu:
– Nada, vovô só está contando historias para mim.
Minha filha sai e eu olho para o rosto de Carla, dou-lhe um beijo na boca. Ela olha pra mim e diz:
– Vamos terminar vovô, nossa brincadeira.
Carla volta a subir e descer no meu pau, até eu encher sua bucetinha de porra. Ela se levanta, minha goza escorria pela sua perna, eu pego minha camisa e limpo sua perna e bucetinha. Minha neta vai para seu quarto, eu termino as coisas. Confesso que já estou olhando para Joana diferente, comer minha Carla, já está ficando meio repetitivo.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 5,00 de 2 votos)
Loading...