Fui chantageado por uma criança

Estava em casa num sábado, e minha esposa me avisa que iria sair com a prima dela pra fazer compras, avisei que tínhamos um compromisso naquela tarde, então pedi pra ela quando estivesse chagando, pra me ligar.

Aproveitando que ficaria sozinho e que seria avisado antes dela me pegar no fraga, tirei minha roupa, peguei o tablet, coloquei os fones, e estava assistindo filmes do xvideos, batendo uma deliciosa punheta enquanto via deliciosas meninas chupando, sendo chupadas ou levando rola. Estava bem distraído, quando escuto alguém dizendo: “O que você tá fazendo, tio?” Tomei o maior susto, tiro os fones, coloco o tablet pra esconder minha rola ainda dura e vejo quem estava ali. Era Laura, filha da prima da minha esposa

Quem é Laura? Laura é uma menininha de apenas 7 anos, e é ligada no 220, muito espivitada, super curiosa, que saber de tudo, quer experimentar tudo, daquelas meninas que não tem medo de nada. A gente se diverte muito eu e ela, ela é super divertida. Ela se parece com a mãe em duas coisas: Cara de puta, pois a mãe vai pra cama facilmente e tem a típica cara de puta (eu mesmo já comi), e a bunda. A mãe dela tem uma senhora bunda, daquelas que todos olham, e Laura puxou a mãe nesse quisito. Eu não acredito que uma menininha de 7 anos tenha uma bunda linda como aquela, inclusive já vi muito marmanjo olhando pra bunda de Laura. Mas vamos voltar ao acontecimento.

eu: o que você ta fazendo aqui?
laura: não quis ir com elas, então a tia me deu a chave.

enquanto isso eu tentava pegar a minha roupa, e me cobrindo ainda com o tablet

laura: o que você tava fazendo?
eu: nada Laura
laura: o que você tava vendo? eu quero ver
eu: não, isso não é pra você
laura: porque você tava com o pipiu na mao?
eu: nada laura, vai la no quartinho brincar que daqui a pouco eu vou la
laura: deixa eu ver o que você tava vendo (tentando pegar o tablet)
eu: não não não, vai la pro quarto
laura: eu quero ver, vai tio…
eu: não, vai logo
laura: ta bom, se você não me mostrar, vou contar pra mamãe e pra tia que você tava pelado brincando com o pipiu e vendo filme de gente pelada

E saiu pro quartinho, aonde ela costuma brincar. Me vesti e fui atrás dela, pois se ela conta pra minha esposa que tava vendo filme pornô, eu tava fudido.

eu: você vai contar?
laura: se você não me mostrar, eu conto
eu: mas Laura, esses filmes não são pra ser vistos por crianças
laura: eu não sou criança
eu: há não, eu que sou… por favor, não conte nada, tá
laura: se você me mostrar, eu não conto

E se eu conheço a Laura, e eu conheço, ela iria contar

eu: ta bom, vamos la que eu te mostro, mas só um pouquinho

Ela veio toda alegre, e sentou do meu lado, e comecei a mostrar o vídeo desde o começo, aonde o cara começava a beijar a menina, vai tirando a roupa, dai o cara da o pinto pra menina chupar

laura: o que ela ta fazendo?
eu: ta chupando o pipiu dele
laura: e é gostoso?
eu: eu nunca chupei um pipiu, mas quem chupou o meu, gostou

Ela deu uma risada gostosa, ficou olhando pro meu shorts, e disse

laura: deixa eu chupar o seu pipiu
eu: se ta louca, claro que não
laura: há, deixa, vai
eu: menina, eu não posso fazer isso, você é uma criança
laura: EU JA DISSE QUE NAO SOU CRIANÇA
eu: já disse que não
laura: ta bom, vou contar pra tia e pra mamãe

E saiu pro quartinho. Caralho, por um lado, eu sempre tive um certo tesão por essa menininha, principalmente quando ela vem aqui pra piscina e fica com aquele biquíni lindo, e estava aparecendo a oportunidade de fazer o que eu queria. Se eu não fizesse, ela contaria, e sei que contaria, mas pior seria ela contar que eu dei meu pinto pra ela chupar. Então chamei ela pra conversar

eu: laura, você sabe que não posso deixar você fazer isso
laura: mas porque não
eu: porque é proibido, se alguém souber que eu fiz isso, posso ser preso
laura: mas eu não vou contar pra ninguém
eu: mas você falou que iria contar pra sua mãe e pra tia
laura: eu vou contar se você não deixar, se você deixar eu juro juro juradinho (ela até cruzou os dedos dando beijinhos) que eu não conto pra ninguém
eu: ninguém?
laura: ninguém, eu juro juro juro
eu: ta, mas só um pouquinho

Levantei, abaixei o shorts e cueca, e sentei com o pinto duro. Ela olhava espantada, pegou meio sem jeito, mas começou a punheta-lo, veio e passou a língua.

laura: argg, é salgado
eu: é, mas é como chupar um sorvete
laura: sorvete é doce
eu: e se eu deixar ele doce, você chupa?
laura: sim sim sim

Levantei, peguei uma caixinha de leite condensado, voltei pra sala, e joguei um pouco na cabeça do pau, passei o dedo pra espalhar e fiz o gesto pra ela continuar. Ela deu uma passada de língua, e em seguida, acabou colocando a cabeça inteira na boquinha

laura: gostei, tio, passa mais

E fiquei assim, passando leite condensado no meu pinto, e a safadinha chupada gostoso. Quando estava quase pra gozar, pedi pra ela parar, pois não queria suja-la de porra. Ela toda contente, pegou o tablet e continuou assistindo, enquanto fui me limpar no banheiro. quando voltei, ela estava na parte aonde o cara tava chupando a buceta da menina, e com aquela cara de sapeca dela, disse:

laura: tio, chupa minha pepeka?
eu: Laura, melhor não, isso já esta passando dos limites
laura: ah tio, vai… chupa

E começou a tirar a bermuda que usava e tirou a calcinha. Dai ela sentou no sofá, e abriu a pernas. Não tava acreditando o que estava vendo, uma menininha de 7 anos, com carinha de putinha, sentada no meu sofá quase pelada, de pernas abertas, pedindo pra eu chupar a bucetinha dela. Bom, já tava ferrado mesmo , então continuei. Antes pedi pra ela ficar em pé na minha frente e tirar a camiseta, ficando totalmente pelada pra mim, e assim ela fez. Pedi então pra ela dar uma viradinha beeemmmm devagar, porque queria apreciar cada pedaço daquele lindo corpinho. Quando ela ficou de lado e estava se voltando de bunda pra mim, quase gozei só de ver aquela bundinha linda. Era bem melhor do que eu imaginava. Dei uma bela passada de mão naquela bundinha, e ganhei um sorriso maroto. Pedi que sentasse no sofá bem na ponta, abri as pernas e comecei a chupar aquela linda bucetinha.

Eu dava lambidas que começavam no campinho, perto do cu, e chegava quase perto do umbigo, fora que ficava linguando e dedilhando seu grelinho. Laura olhava com cara de tesão, e sentia sua respiração aumentar, e ficando mais forte. Quando comecei a dedilhar forte seu grelinho, ela fechou os olhos, se esticou toda e começou a gemer um pouco mais alto, até que certa hora, ela começou a tremer toda, arregalou um olho assustada com tudo aquilo, até soltou um “tiiiooo…” e começou a gozar, relaxando aos poucos. Quando ela terminou de gozar, me abraçou forte e disse

laura: tio, que foi isso?
eu: você teve um orgasmo. Você gozou menina… gostou?
laura: tio, que gostoso… eu adore. Faz de novo? faz faz faz
eu: faço, mas antes, eu quero gozar

Tirei o resto da minha roupa, e a levei para o banheiro, fiz ela se ajoelhar e chupar meu pinto, só que agora, sem leite condensado, e a menina chupou sem reclamar. Quando estava quase pra gozar, segurei a cabeça dela com a mão esquerda, e com a direita continuei punhetando até gozar na cara dela. O primeiro jato acertou a parte superior da boca, entrando um pouco dentro da boca dela. com isso ela se assustou e tentou levar a cabeça pra trás, mas como estava segurando, os outros dois jatos foram no queixo, na bochecha, e soltando a cabeça dela, gozei no pescoço e alguns caíram nas coxas dela.

Ela perguntou o que era aquilo e disse que ela o meu leitinho. Já que estava no banheiro, a coloquei no box, e lavei seu corpo pra tirar o resto de porra que ficou na cara e no corpinho dela. Aproveitei que estava ensaboando a menina, pra passar a mão bem fundo na bunda dela, sendo que certa hora, acabei enfiando o dedo devagar no cuzinho dela. Como ela não reclamou, aproveitei pra fazer uma higiene anal nela, pois depois que tudo aconteceu, com certeza ela ia pedir pra eu comer o cu dela.

Voltamos pra sala pedados ainda, e a menina já estava toda-toda comigo, já deitando no meu colo, massageando meu pinto, e as vezes eu dava uns beijinhos nela.

laura: tio, você sabe beijar?
eu: claro que sei
laura: me ensina então

então a peguei, coloquei ela sentada na meu colo de frente, e ensinei como ela deveria fazer com a boca e a língua, e começamos a nos beijar. Hummmm, que boca gostosa, que língua deliciosa, ficamos nos beijando por muito tempo, mas toda hora ela queria ver o resto do filme.

Chegou a hora em que o cara metia rola na buceta da menina, e depois de um tempo, começou a meter no cu dela. Laura certa hora olhava pro filme, olhava pro meu pinto e pra sua bucetinha, como verificando se meu pinto caberia naquela linda bucetinha

laura: tio, é gostoso fazer isso?
eu: sabe a sensação que você teve quando gozou?
laura: sim
eu: então, fazer isso é 3 vezes melhor do que eu fiz com você

A menina abriu os olhos de tal maneira, e com um sorriso maroto de criança, começou a gritar

laura: tio, faz comigo, faz comigo, faz comigo, faz
eu: na buceta hoje não
laura: ahhh, tio, faz, por favor

E acabou ficando de joelhos na minha frente, com as mãos postas, pedindo que a fodesse na buceta

eu: não vou por na sua pepeka hoje, isso merece um lugar especial, mas vou querer por na sua bundinha, você deixa?
laura: é gostoso também?
eu: doi um pouco no começo, mas depois garanto que você vai gostar
laura: então eu quero

Então a peguei no colo e a levei pro quarto de hospedes, e a deitei de bruços. Até hoje me lembro, de ver aquela pequena criança, com aquela bundinha deliciosa, esperando eu meter rola no cu dela.

Ela deitada na cama, e eu sentado na ponta da cama, enquanto ela chupava meu pinto, eu passava gel no seu cu e ficava alargando aquele anelzinho. Quando já estava bem larguinho, tinha chagado a hora. Me levantei e subi em cima dela, e comecei a enfiar minha rola dentro daquele cuzinho apertadinho. No começo ela reclamou um pouco de dor, quando a cabeça entrou, então dei uma paradinha pra ela se acostumar com a jeba, e depois de um tempo fui forçando até enfiar toda a rola dentro dela.

Quando ela parou de reclamar, comecei o movimento bem devagar de vai-e-vem, até que senti que ela estava gemendo não mais pela dor, mas porque estava já gostando. Então comecei a aumentar a frequência das bombadas e em algumas finalizava com bomdadas fortes.

eu: ta gostando?
laura: ta gostoso…

Então comecei a meter de verdade, como eu gosto, bem forte e bem rápido, e a vadiazinha só gemia. Acabei gozando dentro do cu dela, enchi aquele cuzinho de porra.

eu: ta tudo bem?
laura: ta bem, ta doendo um pouco
eu: mas gostou?
laura: sim, quero que você faz de novo comigo, mas antes, quero que você chupe minha pepeka de novo.

Mais uma vez, chupei gostoso a buceta daquela menina, fazendo ela dessa vez gozar na minha boca, e finalizamos comendo o cu dela debaixo do chuveiro. Quando terminamos, dei uma ajeitada na casa e fui com ela no shopping.

laura: tio, quando nos vamos naquele lugar especial pra você colocar na minha pepeka?
eu: breve, muito breve…

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,89 de 9 votos)
Loading...