Saindo da infância

Meu nome é Andressa, hoje sou uma mulher que não perco nenhuma oportunidade para transar. Mas vou contar uma passagem da minha vida sexual que vou chamar de: o despertar de uma vagina sedenta. Quando eu tinha 13 anos, gostava quando meus pais ficavam os fins de semana na casa de nossos tios, Ana e Pedro. Eu era muito adulada por eles, que não tinham filhos, me sentia muito a vontade com eles, tinham um quarto decorado para mim. Uma bela noite tudo começou a mudar, eles tinham me buscado para ficar com eles neste fim de semana. Tudo transcorria como sempre até chegar a noite e escutar uns gemidos vindo do quarto dos meus tios, eram tantos que resolvi dar uma espiadinha. Sai da cama como máximo de zelo para não perceberem minha aproximação. Fiquei próxima da porta, que mesmo aberta fiquei com medo de olhar pra dentro. Mas nem precisou, mesmo nunca ter feito sexo antes, percebi que estavam transando. Minha tia pedindo para ser metida com força e arrombar sua bucetinha, quando ela começou com uns gemidos muito altos, fugi para meu quarto. Tocando de leve minha bucetinha e pensando no que tinha ouvido, senti um arrepio que nunca tinha sentido e parei e só adormeci horas depois. Na dia seguinte passei ansiosa a espera da noite de amor dos meus tios. Chegou a hora esperada, no meu quarto escuro, meu coração batia rápido, desejando ouvir mais um pouco e agora tentar ver alguma coisa. Logo começaram uns cochichos vindo do quarto, e eu toda entusiasmada. Com muito cuidado me aproximo da porta, somente um abajur iluminando a cama, e vejo meu tio de costas pra mim com a cabeça no meio das pernas da tia, que estava deitada na cama, pensei que ele estava só tirando a calcinha da minha tia, até ouvir ela pedir para ele parar de chupar e meter na sua bucetinha. Quando ele se levanta, volto para o quarto antes que eles percebam, ouvindo os gemidos da minha tia e os pedidos do meu tio para ela gemer baixo para eu não escutar e minha tia dizendo que a esta hora eu já dormia como um anjinho. Novamente levo minha mão até minha bucetinha virgem e dou uma passadinha, sinto o mesmo arrepio de prazer, minha mão descobre prazer na minha buceta, não consigo mais parar, o prazer vai aumentando muito, também começo a gemer, meus dedos cada vez mais ligeiros, concentrada em mim, tenho meu primeiro gozo, por uns instantes não ouço mais nada vindo do quarto, depois de alguns espasmos de prazer, vou retomando os sentidos. Neste dia deixo de ser anjinho. Volto a ouvir minha tia gemendo e pedindo mais pau dentro dela. Até ouvir vários ais e silenciar o quarto. Sem saber de que era capaz de gozar de novo, esfrego minha bucetinha novamente, no primeiro toque ela da um sinal de que ta gostando, em busca do próximo gozo, me contorço com a mão dentro da bucetinha, minhas pernas seguram minha mão, para só soltar com um novo gozo, tenho vontade de gritar como minha tia, mas seria a maior vergonha eles me ouvirem. Pela manhã sozinha em casa em casa, chaveada no meu quarto, sentada e me olhando, inicio um carinho na minha bucetinha, que responde, com toda a experiência de dois dias atrás, minhas pernas vão abrindo conforme o prazer aumenta e quando o gozo se aproxima, novamente minhas pernas prendem minha mão dentro da buceta, que explode num gozo solto, porque estava sozinha em casa. Levo minhas roupas para o banheiro, me certifico que esta bem chaveado e vou para baixo da ducha. Depois de lavar o corpo todo, preciso lavar minha bucetinha também, que ascende a chama do prazer, ensaboada, ela pede mais, gozando e gritando, parece que o prazer foi maior. A mesa do café estava pronta me esperando, tomei e esperei meus tios chegarem, me abraçaram e beijaram e perguntaram como foi minha noite. Parecia que tinham percebido alguma coisa, sem graça respondi que tinha sido boa como sempre. Que as vezes eles me tratavam melhor que meus pais. Passava quase todos os fins de semanas na casa deles para escutar suas transas. Minha buceta ardia dia e noite, querendo gozar, meus peitos começaram a surgir e descobri que eles também gostavam de carinho, com uma mão no peito e a outra na buceta o gozo vinha fácil. Não precisava mais ouvir meus tios para me dar prazer. Sentia que precisava ir mais além, precisava de um homem de verdade me tocando. Voltando a casa dos meus tios, decidi fazer algo mais arriscado. A tarde depois do almoço, resolvi deitar sem calcinha e destapada para ver o que acontecia. Esperando meu tio me encontrar assim, só que foi minha tia que passou e foi me tapar. Ouço minha tia no quarto dizendo para meu tio que eu já tinha dormido. Pensei que iria começar a transa, e nada de gemidos. Fico um tanto frustrada, até que ouço meu tio dizer que vai na cozinha, rapidamente me destapo para ele me ver. Ele entra no meu quarto e se aproxima, fico nervosa mas permaneço quieta, sinto sua presença, ele com todo o carinho me tapa de novo e sai. Penso que ele não me viu direito, me destapo novamente e abro mais minhas pernas, esperando ele retornar da cozinha. Ele entra e fica mais tempo me olhando e me cobre e sai, para minha decepção. Penso porque minha tia esta muito próxima e poderia nos ver. Coloco meu plano algumas semanas seguidas, sem sucesso. Precisava ficar sozinha com meu tio. Já estava com quase 15 anos, sem namorado, os peitos estourando pra fora do sutiã, e minha tia comenta com meu tio o tamanho deles, e meu tio olha e concorda, noto um constrangimento dele em olhar. Talvez ele quisesse elogiar a formosura deles e não podia na frente da tia. Agora mais grandinha tentei de novo provocar meu tio. Minha tia cuidando do jardim que ela gostava muito, com o tio auxiliado e eu vendo tudo através da cortina. Minha tia pede um suco a ele e aproveito para ir para o quarto, deixo um seio para fora do baby dool, e a buceta escancarada. Tio passa e entra, com uma levanta o baby dool e com a outra segura com carinho meu peitinho, sente a textura e coloca no lugar, passa os dedos grossos e ásperos na minha bucetinha, que deseja engolir seus dedos. Ele sai logo para levar o suco da tia. Da cama eu vejo ele entregar o suco e dizer que vai no banheiro. Viro para o outro lado para poder tirar os dois peitos pra fora e a buceta ainda destapada desde a outra vez. Ele senta do meu lado e coloca toda a ponta do dedo dentro da minha buceta. Dou uma olhadinha e vejo ele se esticando para ver a tia pela janela. Dava pra saber que ela ainda estava no jardim porque cantarolava um musiquinha. Meu tio não tirava mais o dedinho da minha bucetinha, que já escorria uma aguinha, volta e meia ele levava seu dedo a boca para sugar meu caldinho, não aguentei e me contorci e gemi de prazer. Ele se assustou com medo de me acordar e voou para o jardim. Tive que terminar o que ele tinha começado. Molhei a cama e lambi meus dedos, quis saber o que meu tio sentia quando chupava minha tia. Também chupava meus dedos sempre que me masturbava. A noite chegou, depois de seduzir meu tio, deitada em seu colo, com meus peitos insistindo em sair do lugar, fui deitar, pronta. A buceta meladinha, minha tia vai para o banho e titio surge para me tapar, com o dedo sovando minha bucetinha, ele sussurra: minha princesinha como tu cresceu. Minha buceta fervendo e derramando e o tio querendo chupar tudo que seus dedos pudessem carregar até a boca. Me contorço e gemo na sua mão, que pressiona com mais força, doidão sem pensar nas consequências, até eu gozar tudo que tinha guardado pra ele, vai para a sala esperar pela tia. Quando eles iniciam sua transa, fico ouvindo mais satisfeita e gozo também com meus carinhos. No domingo pela manhã, no jardim da minha tia, aproveitando que eles ficaram na cama, me masturbo relembrando os dedos do titio, meu prazer escorre pelas minhas coxas, recolho o que posso e levo a boca, imaginando ser meu tio que lambe. quase desmaio no meio do jardim. Volto pra dentro com minhas coxas escorregando uma na outra. Mas pronta pra esperar meu tio a tarde, antes de ir em bora. Após o almoço percebo meu tio fazendo de tudo para poder ir deitar com titia mais rápido possível. Tio chegou me vendo daquele jeito, completamente nua, fala baixinho que eu não podia fazer isto com ele, com dois dedos dentro de mim, parecia que estava com raiva da minha buceta, fazia com mais força ainda, gozei e segurei sua mão com minhas coxas, como ele não podia e nem queria se soltar. Teve me satisfazer novamente para poder escapar, sem força para segura-lo fui abrindo minhas pernas e sua mão foi saindo de mim. Olhei ele indo em bora com seus dedos na boca, sentindo meu melzinho. Só acordei com minha tia me sacudindo para me levar para casa. Eu e meu tio ficamos só no desejo de sentir sua língua em mim. Amo meu tio por tudo que passamos juntos, apesar de ter provocado, ele sempre manteve a linha comigo, ainda gozo pensando nele. Hoje tenho um namorado de 21anos que fiz ele me tirar a virgindade pensando no meu tio.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 5,00 de 1 votos)
Loading...