Dominando o corno e a mulher

Fui a um cinema em Copacabana ver um filme na sessão das 18 horas. Era um filme erotico chamado os 50 tons de cinza. Fui sozinho e encontrei um casal de professores. Ela tinha 32 anos e ele 40. Depois do filme chamei o casal para tomar uma bebida no bar ao lado do Cine Roxy. A mulher do casal, chamada Carla, pediu uma capiria de vodka e disse que ficou muito excitada com o filme. O marido simplesmente não gostou. Achou perda de tempo. Confessei que achei também excitante e ainda disse que como só teria de ira casa de suinge em Copacabana. A Carla disse que adoraria ir a uma casa de suinge e falou que já tinha pedido ao marido para leva-la. O Roberto confirmou o pedido da Carla e explicou que não levou porque as casas de suingue é como um clube. O sócio geralmente levam um casal. É uma transa a três. As vezes vai a quatro quando se pretedem trocar casal. Confirmei e disse que eu gostava de levar um casal comigo. A Carla perguntou se eu não poderia levar para eles conhecerem. Concordei e o Roberto também aceitou, dizendo que só era para conhecer, tudo bem.
Peguei meu carro, parei na porta do clube e entreguei para o o rapaz estacionar.
Entramos os três e, no primeiro salão, tiinha um cara fazendo streep com um pau de 25 centimetros. As mulheres urravam e gritavam.Assistimos e depois fomos uma sala só nos três. Logo que entramos, o Roberto, marido da Carla, pediu para ir ao banheiro no final do corredor deixou nos dois. Imediatamente, olhei para Carla e ela estava com uma sai bem curta e bem levantada. Enfiei as mãos nas pernas grossas linda que ela tinha. Ela era uma loura, bonita, com pernas grossas e uma bunda muito bonitas. Comecei a alisar as pernas delas e não encontrei resistencia. Pelo contrário, ela alisou a minha mão. Fui entrada com a mão entre as pernas dela até chegar na buceta. Apaplpei a buceta por cima da calça e entrei pela perna da calça. Ela ficou doida e pediu
-Para, por favor. O Roberto pode chegar e vai ficar puto. Eu abri a minha calça e coloquei o meu para para fora. Eu tenho um para grande de 26 centímetros. Ela começou a pegar e a bater púnheta. E falou:
-É grande como o do cara do show. Eu vou ficar doida nesta noite. Voce não quer marca outro dia sem o Roberto.
-O Roberto poderia ter dito que não queria vim. Expliquei que o clube permite que um comedor pode trazer um casal para comer. Ele aceitou vir. Pediu para sair e ir no banheiro para deixar nos dois mais às vontade.
A Carla não pensou duas vezes, começou a chupar meu pau, debruçando no meu colo. Enfiei a mão por debaixo da saia dela e tirei a calcinha dela e coloquei em uma mesa redonda que existia no reservado. Nos estavamos sentado em um sofá
Eu puxei ela para o meu lado, beijei demoradamente a boca, abri a blusa, tirei o soutian e chupei os dois peitos. Ela estava totalmente louca, ajoelhou na minha frente e começou a chupar o meu pau. Eu abri a cala e baixei até o joelho, ficando só de cueca.
Neste momento, o Roberto retorna trazendo três copos e uma cerveja. Ficou com cara de apavorado. Ela não viu e continuava chupando. Falei: Senta aí, Roberto, depois eu explico.
Ela chupava o meu pau com grande velocidade e eu alisava os cabelos e falava:
-Chupa putinha, chupa gostoso. Agora levanta e sei no meu pau no sofá.
A Carla levantou e nem olhou para o marido que estava atrás. Levantou a saía e sentou no meu colo e colocando a buceta no meu pau. Entrou tudo com facilidade e Carla começou a grita, a gozar e a falar.
-Vai filho da puta, come a buceta da mulher do seu amigo. ERa isso que voce queria. Mete, me arromba com esse pauzão.
A Carla gozou duas vezes. Ficamos descansando e engatados por alguns minutos.
Depois eu falei para ela. Eu não gozei. Levanta e fica de quatro no sofá, quero comer essa bunda. Ela levantou sem reclamar e sem olhar para o marido, que continuava para e com a cerveja na mão. A Carla ficou de quatro no saofá, com cabeça encostada nas almofadas. Quando peguei-a por trás, ela falou:
-Bota na frente de novo. DXepois você põe na bunda.
Encaixei o pau na xoxota e entreou com facilidade. Fiquei bombeando e ela gozou novamente em alguns minutos. Reitrei da xoxoxta, cuspi na mão e passei no cuzinho. Encaixei o pau na entrrada da bunda e fui colocando devagar. Quando a cabela entrou no cu, forçando muito e passou , ela deu um grito e xingou:
-Filho da puta, você está me arrombando. Cachorro. É isso que você gosta, não é. Comer a mulher na frente do marido. Mete desgraçado. Eu falei: você agora é minha putinha. Geme alto que eu quero ouvir você gemendo.
Quando estavamos terminando, o Roberto levantou-se e saiu da sala e foi para o bar. Terminamos e bebemos cerveja que ele trouxe.. A Carla saiu e foi ao banheiro do lado de nosso reservado. Voltou e o marido dela não tinha retornado. Ela voltou e eu falei que queria um boquete. Ela tentou fugir mas eu coloquei o apu para fora e mandei ela chupar e falei não estrou preocupaod com o corno. Ela chupou e quando estava quase terminando e gozendo na bolca dela, o marido chegou e ficou assistindo. Para mim foi maravilhoso.
Depois, o marido chegou e reclamdou. Que porra é essa. Não era só para ver como é uma casa de suinge. Vocês são animais. Falei:
-Eu falei para voce que eu gosto de trransar em club e de suingue porque eu gosto de dominar o casal. A sua mulher já estava excitada desde que saiu do cinema e quando propôs. Se você não quisesse não vinha trazendo a sua mulher e um comedor. Ele engoliu em seco e saimos os três. Antes de nos despedirmos, dei uma tapa da bunda da Carla e falei, quero de novo, para ele saber que aqyuela bunda gora é minha.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,00 de 3 votos)
Loading...