Sonho de manso

Somos um casal realmente casados e com dois filhos. Eu na faixa dos 40 anos e minha mulher perto dos 34 anos. Sou alto, não sarado, mas com um corpo bem distribuido, moreno claro e do tipo que se cuida, depilo as partes intimas e estou sempre cheiroso. Nossa vida sexual é normal, mas de vez em quando apimentamos um pouco com o uso de aguns brinquedinhos. Ela uma linda loirinha de 1,63m corpinho gostoso pra idade e pra quem já teve dois filhos está bem em forma. Coxas grossas, seios fartos e uma bunda redondinha e chamativa. Nossa vida sexual é normal, mas de vez em quando apimentamos um pouco com o uso de aguns brinquedinhos. Sempre tive vontade de participar de um swing ou um ménage feminino, mas minha mulher sempre foi muito tradicionalista e eu sabia que ela jamais toparia. Ainda assim, nunca escondi a minha vontade e sempre falava que adoraria vê-la com outra mulher também. Ela sempre recusou sequer fantasiar isso e as vezes até brigava comigo. Mas certa vez, durante uma viagem de negócios em que fomos só nos dois, sem as crianças, ela me pegou no celular pesquisando sobre casas de swing na cidade em que estávamos e ficou muito furiosa comigo. Eu dizia que só estava vendo e nada demais, mas ela com muita raiva me dizia… Vc quer fazer swing? Então tá… Nós vamos a essa casa e vc vai me ver dando pra outro hoje. Vc vai ser corno hoje… É isso que você quer? Logicamente que eu neguei e pra falar a verdade fiquei muito bravo na hora que ela disse isso, mas não discuti pra não atiçar mais a fera e não nos falamos mais aquela tarde, nem saímos do hotel. Deitei e adormeci com a frase “vc vai ser corno hoje” ecoando na minha memória. Com o cair da noite, ela tomou um belo banho, colocou um vestidinho bem provocante e se maquiou igual a uma puta. Perguntei o porque daquela produção e ela me disse: pra dar… Vai se arruma que hoje eu quero conhecer aquela casa de swing e vou dar pro primeiro que eu achar que devo. Eu não acreditando no que estava vendo e ouvindo, não sei porque, cada vez que ela repetia que ia dar pra outro na minha frente, naquele tom dominador, decidida, comecei a sentir um misto de raiva e tesão. Entrei numa ducha fria pra esfriar a cabeça mas só conseguia imaginar ela com aquele batom vermelho na boca me dizendo “vou dar pra outro na sua frente” e então comecei a imaginar a cena no banho ao que sem perceber, eu ja estava me masturbando imaginando cada detalhe dessa cena e então explodi num gozo tão intenso que havia muito não sentia igual. Saí do chuveiro decidido a testar sua audácia e topei pagar pra ver. Me arrumei e fomos conhecer a tal casa. Chegando lá, ambos apreensivos e na verdade eu sabia que ela não teria coragem de fazer nada e só queria mesmo me irritar e me afrontar. Fomos recebidos por uma loura, linda que se propos a mostrar a casa. A casa estava cheia, mas parecia uma balada normal com um misto de boate (puteiro mesmo). Demos uma volta e conhecemos a pista de dança, o bar, até que a loira nos levou por um corredor que dava acesso a alguns quartos, com umas janelas de vidro para o corredor de onde era possivel ver casais transando dentro, e outros com porta e cortinas fechadas. Ela explicou que dependia da vontade dos clientes de se exporem ou não. Chegamos a uma sala escura aonde havia um grande sofá de onde podíamos ouvir gemidos de várias pessoas transando, mas como era muito escuro, não dava pra ver quase nada. Voltamos ao bar e a recepcionista nos deixou dizendo pra ficarmos a vontade. Peguei duas bebidas e sentamos numa mesa próxima a pista de dança, e ficamos meio que perdidos. Eu olhava em volta meio que decepcionado, pois não era o que eu imaginava. Não haviam casais como nós e somente homens solteiros a procura de putaria e as garotas que estavam na casa, a maioria eram prostitutas a espera de programas. Me senti mau, pois aquilo parecia mais um puteiro que uma casa de swing como eu sempre imaginei, com vários casais dispostos a conversar e se conhecer e quem sabe então rolar um algo mais. Tentamos dar mais uma volta na casa pra ver melhor mas quando estavamos no corredor dos quartos um cara passou a mãi na minha mulher e eu fiquei muito puto e quiz até voltar pra briar, mas ela nao deixou e me deu um novo sermão. Você me traz num lugar desses e não quer que achem que eu sou uma puta? Diante da minha decepção com a casa e vendo o desconforto dela também, resolvemos sair de lá e fomos pra um bar, aonde conversamos bastante sobre nosso relacionamento e sobre o que havia acontecido. O fato é que depois daquela noite, mesmo me culpando, me achando louco, insano, depravado e coisas do tipo, mas passei a imaginar ela com outro. Parece que a minha loucura por swing e por ménage feminino deu lugar a um novo desejo ainda mais arrebatador. O de ve-la sendo possuída na minha frente, como uma puta. Por eu sempre ter sido um tanto liberal eu gostava de ve-la bem arrumada, sexy e sentia prazer quando percebia que ela chamava atenção de outros homens. Mas sempre pensei que eles viam com os olhos e lambiam com a testa, como se diz, mas agora era diferente. Eu queria ve-la sendo desejada e torcia pra que algum homem tentasse um flerte. Eu quero isso. Desejo isso. Não sei o que me dá, mas eu imagino ela ajoelhando e desabotoando a calça de um cara, me olhando com cara de safada e tirando o pau pra fora e efregando em seu rosto, espalhando a baba e entao abocanhando esse pau na minha frente. Sendo entabada, me chupando enquanto o outro a come de tudo quanto é jeito. Depois disso, passei a comprar alguns pintos de silicone e as vezes meto nela, imaginando que é realmente outro cara metendo. Aos poucos, com jeito fui falando a ela sobre essas fantasias e ela me acha louco. Ma as vezes ela entra no clima e me fala as coisa que eu adoro ouvir, do tipo vem chupsr essa boceta comida, sente o cheiro de pau, vem me beijar e sentir o gosto da porra de outro na minha boca que hoje eu dei pra dois, três… Etc…isso me deixa louco. Só falta ela topar de verdade.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 2,00 de 1 votos)
Loading...